W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

A doença incurável das categorias de base do futebol brasileiro

Adryan-Flamengo-Foto-Cleber-Mendes_LANIMA20121121_0044_26

Créditos da imagem: LANCE!NET

Um dos maiores problemas do futebol brasileiro está na divisão de base, com 90% dos clubes não tendo a estrutura devida e praticamente formando os atletas com o objetivo principal de vendê-los para o exterior e cobrir os rombos de seus cofres.

São Paulo, Santos, Internacional, Vitória (BA) e Fluminense, talvez sejam os clubes que mais revelam jogadores, em termos qualitativos.

Atlético, Cruzeiro e Atlético-PR, possuem Centros de Treinamentos de primeiro mundo e também fazem um bom trabalho nas categorias de base, o que não pode deixar de ser citado.

A estrutura é fundamental em todos os sentidos para que o atleta tenha o mínimo de condições de dar o retorno necessário.

Desde o início dos anos 2000, o Santos foi o time que mais aproveitou suas revelações, conseguindo segurar os garotos por mais um tempo e conquistando títulos importantes.

Posteriormente todos foram vendidos e, mesmo assim, os maus dirigentes não conseguiram colocar as finanças em dia.

O Tricolor carioca revela, mas acaba usufruindo muito pouco de seus valores, que logo são negociados. Inclusive, alguns deles saindo direto dos juniores para o exterior.

Sobre o Flamengo, outro time que sempre revelou jogadores, o clube tem um slogan que virou marca registrada de seus dirigentes e torcedores: “craque o Flamengo faz em casa”. Já fez muitos e hoje, faz muito pouco. O bom time que ganhou a Copa São Paulo de Juniores em 2011, é a prova concreta de que os garotos não conseguem manter o mesmo nível quando são alçados ao time principal.

Vários são os fatores, entre os quais, a necessidade de lançar os jovens no fogo, geralmente quando o time não vai bem e acabam queimando as etapas de uma transição que deveria ser gradual e de preferência sem a exigência de resultados imediatos.

O time base do Flamengo campeão de 2011 era o seguinte: César, Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Lorran e Adryan; Negueba, Lucas e Rafinha. Quem vingou? Adryan (foto) era o nome da vez e hoje está emprestado a um time pequeno da Itália. Pode-se afirmar que o Renato Augusto, em 2006, foi a última grande revelação do rubro-negro, e fez a sua melhor temporada pelo Corinthians, em 2015.

O Flamengo conquistou mais um título da Copa São Paulo de Juniores no último mês de janeiro, e novas promessas surgem para abastecer o time principal.

Os demais cariocas – Vasco e Botafogo -, mergulhados em uma crise sem precedentes, já tiveram seus momentos de glória revelando jogadores de alto nível. Nos anos 50 e 60, o Glorioso e o Santos formaram a base da Seleção Bicampeã Mundial em 1958 e 1962. Depois disso, qual foi o último jogador revelado pelo Botafogo que conseguiu algum destaque? Temos que voltar aos anos 80 para citar o volante Alemão. No caso do Vasco, que sempre revelou grandes atacantes, Edmundo foi o último, em 1992. Os mais recentes, Alex Teixeira e Philippe Coutinho, ainda precisam provar algo mais para entrar no seleto grupo de craques. O Coutinho vive um bom momento no Liverpool e tem sido convocado para a Seleção.

Outro grave problema na formação do atleta na base são os “professores” de qualidade duvidosa e a pressão por parte de alguns times em conquistar títulos, o que é o menos relevante nesta categoria. Fatores extracampo, mais precisamente os empresários e os pais dos atletas, com pressões para escalação e a consequente visibilidade dos garotos, acabam prejudicando, no contexto geral, parte da formação técnica do atleta.

Resumindo: está tudo errado! E o resultado final é o que estamos presenciando, pois os jogadores chegam ao profissional com vícios e diversas deficiências técnicas, que deveriam ter sido aperfeiçoadas quando mais jovens. A palavra mais adequada para exemplificar o que passa na cabeça dos empresários, pais e também dos dirigentes, é a GANÂNCIA. Todos querem levar algum tipo de vantagem!

Um negócio da China para Ricardo Oliveira
Uma oportunidade estratégica para a estrela do Botafogo voltar a brilhar

Escrito por:

- possui 23 artigos no No Ângulo.

Natural de Miracema, terra do mestre José Maria de Aquino, Ademir Tadeu é um colecionador de coisas sobre futebol, além de se considerar um saudosista, um genuíno amante da bola.


Entre em contato com o Autor

7 respostas para “A doença incurável das categorias de base do futebol brasileiro”

  1. É, realmente é bem complicado! A formação é deficitária, os interesses são outros, a subida e efetivação para os profissionais é cheia de condicionantes, a torcida em muitos casos não tem paciência…

    Ao mesmo tempo, são feitas tantas peneiras, são jovens que passam várias horas por dia com a bola, tendo acompanhamento físico, instruções…

    Tem hora em que penso que formar jogadores teria tudo para ser algo relativamente comum; tem hora em que parece que é quase como ganhar na loteria.

  2. Gilberto Maluf (Coluna do Leitor) gilberto maluf disse:

    Muito bom Ademir Tadeu

  3. Ralph Breno disse:

    Ótima reportagem. Parabéns.

  4. A única base que dá certo é a do Santos

  5. Realmente isso é uma verdade pois trabalhei 5 anos com base sendo quase 4 no Santos e acompanho base ha muito tempo esse trabalho foi feito junto com um profissional de primeira linha e que não é reconhecido pois não entra em esquemas. Gostaria de falar com vcs a respeito do assunto, por e-mail ou whatsapp


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados