A grandeza dos colombianos e a pequenez do Inter

Créditos da imagem: Montagem / No Ângulo

O Internacional de Porto Alegre foi fundado em 4 de abril de 1909. Em sua fundação ficou registrado que o time se chamaria Internacional porque nele poderiam jogar pessoas de todas as origens, raças ou status social. Isso em uma época na qual os negros ainda eram evitados no futebol, além de existirem equipes que preferiam jogadores que fizessem parte das colônias que os fundaram. Sempre nos encantou, mesmo na época em que o Sul era bem mais distante do que é hoje – dentro da perspectiva do Sudeste do Brasil.

O Atlético de Medellin foi fundado em março de 1947. Ganhou sua primeira Libertadores em 1989, título conspurcado pela suspeita de ações do narcotraficante Pablo Escobar – mesmo que este assunto ainda seja controverso. Voltou a ser campeão em 2016 com uma equipe que dispensava qualquer suspeita. Nos últimos anos, conquistou vários títulos e é considerado uma das forças da América do Sul.

Por que falo de Internacional e Atlético de Medellin, e não da Chapecoense? É simples. Falaremos aqui de posturas dignas. O time colombiano era o anfitrião da primeira partida da Copa Sul-Americana. Mas houve o trágico acidente aéreo que vitimou de forma inenarrável o bravo esquadrão catarinense. E o Atlético foi exemplar. Sua atitude humana, o desapego e a solidariedade demonstrados, por todos os colombianos, são um exemplo para o mundo do futebol.

Mas o que falar do Inter? A proposta de não jogar a última rodada foi feita de forma muito elucidativa para todos. Vamos aos fatos:

1)            Na quarta-feira, o dirigente Fernando Carvalho afirmou que seu time vivia a sua própria tragédia, ignorando a dor do mundo pela Chapecoense, e disse que o adiamento da última rodada do Brasileiro prejudicava o Internacional, candidato forte ao rebaixamento.

2)            Pior, declarou que os fatos deveriam provocar “reflexões posteriores”.

3)            Se retratou do uso da palavra tragédia, mas não disse nada de sua posição sobre as “reflexões posteriores”.

4)            Na sequência, o presidente do Inter, Vitório Piffero, disse que seu time não quer jogar a última partida do campeonato, por achar que não há clima. Perguntado se isso significaria a aceitação do rebaixamento, afirmou que não acha a melhor decisão rebaixar o Inter.

5)            Na sequência, jogadores de seu time declararam que não queriam jogar. Voltaram, depois, a tratar do assunto por causa péssima repercussão. O meia Alex, porta-voz do grupo, disse nesta sexta-feira que os jogadores não estão tão preocupados com o rebaixamento e sim com a falta de condições de jogar.

6)            Paralelamente, a diretoria fez recurso ao STJD para a punição do Vitória – rival no rebaixamento – por um tema que o próprio tribunal já tratou e inocentou os baianos da acusação de terem usado um zagueiro de forma irregular.

Desculpem! Não dá para não ver nesse conjunto de ações uma tentativa de virar a mesa com base em uma tragédia. Será que o Inter merece isso? Essa diretoria deveria estar se demitindo de forma conjunta em uma confissão de incompetência. E não fazendo lambança para macular a imagem de quem teve Falcão, Carpegiani, Batista, Valdomiro, Claudiomiro, Taffarel, Figueiroa, entre tantos outros.

Não creio que esses incompetentes farão o glorioso vermelho do Inter se tornar a cor da vergonha.

7 comentários em: “A grandeza dos colombianos e a pequenez do Inter

  1. Concordo inteiramente, Emerson Figueiredo! É incrível como no último mês esta diretoria do Inter está conseguindo criar rejeição para o clube. E o contraste com o que faz o Atlético Nacional de Medellín só torna tudo mais chocante!

    Eu estou “curioso” é em relação ao comportamento da CBF. Já parece mais do que claro que a disposição do Inter é a de criar fatos para uma virada de mesa. Agora quero ver é a se a CPF/STJD e afins estão dispostos a compactuar com isso ou não. Eu acho que, fragilizados como estão, não vão “se dar a esse luxo”.

  2. Já começaram as armações para ferrarem o Vitória.
    Hoje um sujeito lá do tal STJD disse que agora tem novos fatos e eles vão analisar estes novos fatos que podem prejudicar o Vitória e ainda disse que quem apresentou estes novos fatos foi o Bahia, resumindo, a sacanagem já esta pronta para salvar esta vergonha em que se transformou o Inter, a cor vermelha já é a da vergonha, apesar que estes vermes nem sabem o que é isto

Deixe sua opinião e colabore na discussão