W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

A Libertadores 2015 na Argentina, e “La Mística Copera” que só nós temos

Boca River

Créditos da imagem: Raul Sifuentes/LatinContent/Getty Images

O argentino é reconhecido na América Latina por sua arrogância, por sua soberba. Crê que é o melhor do mundo e que ninguém pode detê-lo. No caso da Copa Libertadores, tem uma clara justificativa: é o país que mais vezes ficou com o troféu. Das cinquenta e cinco edições da competição, em vinte e três vezes a taça ficou em Buenos Aires, e ao menos em uma de cada duas finais há um participante desse país.

Apesar disso, o clima nas últimas décadas mudou: agora, o argentino que joga a Copa Libertadores está seguro que vai ser campeão, salvo que tenha que enfrentar uma equipe brasileira. Visitar o Maracanã, o Morumbi ou o Mineirão, para citar exemplos, estremece até o mais convencido dos portenhos.

Sem ir mais longe, vejamos o caso do San Lorenzo. O último campeão foi eliminado logo na primeira fase ao medir forças em seu grupo com Corinthians e São Paulo. Antes de que começasse o torneio, seu presidente, Marcelo Tinelli, mostrou sua inconformismo pelo sorteio e até disse preferir participar do Grupo 6, que tinha longos deslocamentos até o México (Tigres) e Peru (Juan Aurich), sem contar a sempre temida altitude da Bolívia (San José de Oruro).

Vendo como ficaram as oitavas-de-final, podemos assegurar que os quatro times argentinos que se classificaram não estão nada conformes pelo que a sorte lhes reservou. E essa é outra característica nossa: antecipamos. Sempre pensamos no futuro. O portenho já está preocupado pelas quartas-de-final, sem sequer ter jogado as oitavas.

Racing deverá enfrentar o, a priori, acessível Montevideo Wanderers, mas logo deverá encontrar o Corinthians nas quartas-de-final. O Estudiantes, por sua parte, tem uma parada mais complicada contra o Independiente Santa Fe, mas logo terá que enfrentar de qualquer maneira o Internacional de Porto Alegre ou o Atlético Mineiro.

Tanto “La Academia” (apelido do Racing) quanto “El León” (o Estudiantes) têm motivos para sonhar. Um é o último campeão argentino e o outro é um dos clubes com mais êxitos na Libertadores (quatro títulos). Entretanto, a irregularidade de ambos diminui as esperanças, razão pela qual o objetivo principal é fazer o melhor papel possível e chegar o mais longe que possam, ainda que ambos se vejam virtualmente eliminados nas quartas-de-final.

Um capítulo à parte para o Superclássico. Boca e River ficarão cara a cara na primeira rodada eliminatória e, pela qualidade de seus elencos, quase todo o país estava convencido que quem ganhasse esse duelo seria o próximo campeão. Digo “estava” porque quando os cruzamentos foram definidos, a coisa mudou: agora, o campeão é o ganhador das quartas-de-final entre Boca-River e São Paulo-Cruzeiro.

O maior dérbi da Argentina é sem dúvidas o enfrentamento mais igualado de toda a série. O River passou da fase de grupos por milagre, mas vem com excesso de confiança por ter eliminado o eterno rival na semifinal da Sulamericana 2014, da qual saiu campeão. O Boca, por sua parte, reforçou seu plantel com estrelas de seleção como  Daniel Osvaldo, e espera contar com Carlos Tévez caso chegue às semifinais (após a Copa América). São os dois primeiros colocados do Torneio Local e ambos eram líderes invictos até se enfrentarem na última semana, com equipes mistas e vitória do Boca por 2 x 0 na Bombonera. Essa partida criou um divisor de águas e agora as apostas estão ao lado dos Xeneizes, já que a derrota doeu (e muito) nos ânimos “millonarios”. Ainda assim, quem vai se classificar é um mistério, e só se fala disso nos meios de comunicação.

Ainda admitindo que o futebol brasileiro é muito superior ao argentino, o torcedor nacional considera que há algo muitíssimo mais importante que o presente: o passado. O argentino crê em algo chamado “La Mística Copera”. Essa mística ajuda a, inclusive sendo inferior ao rival, conseguir se fazer gigante pelo simples fato de estar jogando a Copa Libertadores.

Sim, assim arrogante, assim soberbo. Assim argentino. Mas, no caso da Copa Libertadores, tem uma clara justificativa: tem mística. Uma mística que no Brasil não existe.

Todos os brasileiros saem vivos da amontoada quarta-feira de Libertadores
Por que acreditar na Juventus?

Escrito por:

- possui 1 artigos no No Ângulo.

Luciano Loricchio, jornalista argentino. Produtor de ORside e editor jornalístico da Orgullo Rojo. Twitter: @Loricchio


Entre em contato com o Autor

15 respostas para “A Libertadores 2015 na Argentina, e “La Mística Copera” que só nós temos”

  1. Marcelo Assis disse:

    Boca e Corinthians na semi

  2. Caio Bellandi disse:

    Interessante a visão. Porque é essa a percepção que passa mesmo. Muitas vezes, aqui do Brasil, vemos times “meia-boca” argentinos papando a Taça Libertadores na base da tática, do comprometimento e claro, da vontade.

    Além, é claro, de rolar sempre o lance da mística: uma camisa pesar e etal.

    Não que não ocorra no Brasil, até há. Mas na Libertadores, em menor escala.

  3. BRAS1⃣LE1⃣RÃO 201⃣5✨ , Grupo no WhatsApp voltado para assuntos temáticos de Futebol Brasileiro e Internacional , 1ano Online , venha e junte-se a nós , Deixem o número nos comentarios ou me chamem no WhatsApp aos interessados :8196601809

  4. São Paulo x River Plate nas quartas.

  5. Quem assistiu o jogo dos dois,só viu maldade e entradas desleal, futebol que é bom nada !!!
    Aproveitando o dia, esses ai bate até na mãe !!!!
    hauahaua

  6. Aqui a mística neles kkkkkk

  7. Argentino + libertadores = fudeu os cara é foda

  8. Eu quero Boca com meu s paulo


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados