A voz do povo…

Créditos da imagem: Diário Gaúcho

Que o povo escolha os 23 de Tite para a Copa do Mundo

Para muitos pode parecer incrível, mentira, até, mas é o que se pode ler, de tempos em tempos, geralmente a cada quatro anos: presidentes de república eleitos com 100% dos votos, embora apareçam nomes de outros concorrentes. Cem por cento dos votos e zero para os concorrentes. É democracia, garantem. Em outros países, há eleições com candidato único. Sim, eleição, com tudo que se exige, menos concorrentes. É democracia, novamente. E há pais onde candidatos que surgem de oposição acabam se “suicidando” ou sendo mesmo mortos, sem que se descubra os assassinos.

Democracia é uma coisa linda e necessária. E existe, embora em alguns poucos lugares possa parecer de mentirinha. Só parecer? Pois é, estava falando de eleições para governantes de países, mas dá para considerar que assim também funciona no esporte.

No futebol, paixão nacional e mundial, então, está cheio. Cheio de homens abnegados que se sacrificam -por tabela suas famílias- para comandarem Federações e clubes por longos e repetidos anos. Tudo pelo amor ao esporte bretão e porque o povo assim exige deles. João Havelange, na Fifa, foi um deles. Seu ex-genro na CBF foi outro. Joseph Blatter, também na Fifa. José Maria Marin, Del Nero, por aqui. Vicente Matheus, Juvenal Juvêncio, nos clubes. A lista é quilométrica…

Na política e no futebol, esses democratas sempre arranjam um jeito de serem reeleitos e jamais aceitam outra explicação que não seja seu desejo de trabalhar para o povo e pelo esporte. Principalmente os que arranjam um jeito de receber 100% dos votos. Pensando nisso, e vendo, agora sim, a chance de uma eleição 100% democrática, até porque nenhum dos candidatos receberia 100% dos votos. Provavelmente nem Pelé, se voltasse aos tempos áureos -já que o tema agora é apenas o esporte das multidões.

Que tal a relação dos 23 que defenderão a Seleção Brasileira em torneios importantes, uma Copa do Mundo, por exemplo, saírem de uma grande e espontânea enquete nacional? Aberta a todos, que votariam também por todos os meios disponíveis -internet, cartas, bilhetes etc, uma única vez cada? O eleitor, leia-se técnico amador, poderia indicar qualquer dos jogadores registrados na CBF ou na Fifa, atuando aqui ou lá fora. Mesmo que nunca tenha vestido a camisa de um dos nossos times profissionais, como o zagueiro Pepe, que saiu do Corinthians das Alagoas direto para o futebol português, foi para o Real e chegou à seleção espanhola. Ou David Luiz, que mal defendeu, bem, os juvenis do Vitória da Bahia. Ou Hulk, que como Talisca, nasceu e foi criado no solo baiano.

Aí o ponto nervoso. Como Hulk foi em outros tempos, o jovem Talisca é agora apontado como uma grande invenção do técnico Tite, que acaba de convocá-lo para os amistosos contra a Alemanha e Rússia, os dois últimos antes da lista final para o Mundial. Por que Talisca e não Luan, como gritam gremistas? Ou Dudu, criticam palmeirenses. E por que Willian José, nascido no CRB, também das Alagoas, como Firmino, que nunca andou por aqui, brilha na Inglaterra e ganhou sua vaga. Melhor seria dizer, impôs sua convocação.

Ouvi que Tite passa cerca de dez horas trabalhando na sede da CBF, analisando adversários, jogadores nossos e dos inimigos, detalhe por detalhe. De cara digo que não faz mais que sua obrigação. E é claro que quer fazer o melhor, para justificar seus altos salários e conquistar cada vez mais empresas que nele investem. São três e deve aumentar. Tudo isso, para ao acabar de ler a relação dos convocados para os amistosos -não ainda a definitiva- receber mais pedradas que Maria Madalena. Pedras cheias de veneno… Como receberam todos os que por lá passaram.

Sem outra solução, mesmo não sendo a perfeita, acho que deixar a escolha para o povo seria uma boa. O técnico seria obrigado a aceitar os eleitos, democraticamente, pelo povo, salvo fraudes -afinal, falamos de Brasil- e imprevistos. As críticas, e acho que se multiplicariam, não mais seriam dirigidas a ele, mas aos técnicos amadores, vale dizer, os eleitores. O técnico, Tite no caso, ficaria a salvo, de camarote, podendo trabalhar de acordo com suas convicções. Se a Seleção Brasileira for campeã, ele dividiria a glória com os eleitores -ficando com a parte menor. Se a Canarinho perder, ele é que “não soube treinar o time e fazer as substituições corretamente”, é claro.

11 comentários em: “A voz do povo…

  1. Texto não recomendado a quem não entende ironias, hein! Rs

    Seria interessante ver a reação em casos como o do David Luiz, que estava sendo endeusado na Copa com quase um “populismo futebolístico”, e depois tendo uma atuação desastrosa no 7 a 1! Como você disse, certamente jogariam a culpa no técnico 😀

    1. Vai la comandar a seleção, deveria era agradecer por estar mais uma vez na copa, se nao fosse o trabalho belissimo desse fraco que vc fala, seriamos apenas mais uma italia e holanda, pela primeira vez na historia de nosso futebol em todos os tempos, tenha mais respeito com o cara, o mesmo e campeao do mundo, da libertadores, da sulamericana, copa do brasil, campeonatos estaduais, campeão brasileiro, recopa ao todo sao pelo menos ate aqui sao 11 campeonatos conquistados, tem outro aqui nesse país melhor que ele??? Quem ele levar estar levado, e temos que apoiar, e a responsabilidade de vencer a copa nao é so dele apenas mais principalmente dos jogadores, ate porque quem decide mesmo sao eles.

    2. Um treinador dá seleção que está vendo um jogo Santos e coríntias e comemora um gol do Corinthians ele tem que estar vendo jogadores e não torcendo não é profissional é a seleção não vai ganhar nada com este torcedor é fraco e ponto final

    1. Pois é…. minha proposta de emenda constitucional é eleição direta para rei, rainha, e técnico de futebol. Presidente pode ser um gerentão 😉

Deixe sua opinião e colabore na discussão