W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Adelante, Fúria! É justo!

20130603140811670008e

Créditos da imagem: Rafa Rivas/AFP

Será feita justiça se a Espanha vencer o Brasil amanhã. Em que pese toda a torcida pra que a seleção brasileira conquiste mais uma taça, mesmo que essa já exista em grande quantidade no armário, sempre que vejo uma equipe em um ciclo histórico de sucessos, torço pra que ela complete esse ciclo cumprindo todas as missões que podemos imaginar que lhe serão colocadas à frente. Uma delas é, e sempre será, vencer a seleção mais tradicional do planeta. A nossa.

A Espanha atual é uma referência na história de futebol, não há como negar. Transformou em realidade um padrão de coletividade integral sonhado há décadas, e por muitas equipes, que já ficara apagado – se existiu dessa maneira – num passado distante. Aquele do preto e branco e de jogadores que representavam mais de um país em suas carreiras. Aquele dos calções curtos e bolas escuras, em que as marcações eram generosas, e mesmo que uma equipe não mantivesse a posse da bola com compactação, desfrutava do direito de tocá-la tranquilamente, impondo seu balé particular para deleite dos espectadores.

Não: essa Espanha encheu os olhos do mundo conseguindo por em prática o estilo que eu chamo de “drible coletivo”. Aquele que é produzido com método, com treinamento de aproximação, trianqulações e dois toques, e substitui com eficiência qualquer falta de qualidade individual para ultrapassar marcações. Respeitando a razão de ser do futebol; a razão pela qual ele foi criado: um esporte coletivo com bola jogado com os pés e sem os mesmos trancos e barrancos físicos que caracterizavam o rugby, seu ascendente, no século 19.

É da natureza do futebol espanhol o perfil lento, cadenciado e que não usa a força física. Nunca foi à toa que o futsal do país sempre foi uma referência mundial. É a única seleção que consegue fazer frente à brasileira nessa modalidade. Então, a grande redenção da Fúria em sua história ocorreria quando ela conseguisse explorar suas principais virtudes técnicas e transformá-las num jogo competente. Levar o futsal para o campo, por assim dizer. E isso finalmente aconteceu. Depois da longa e aparentemente interminável fama de jogar como nunca e perder como sempre.

Como potencializar essas virtudes, sem um campo contundente para testes constantes? É aí que entrou o Barcelona, planejando obstinadamente essa filosofia de jogo ao longo de anos. Após uma história de grandes craques estrangeiros, chegou a vez dos homens locais. Iniesta, Xavi, Pedro e companhia não são jogadores especialmente fortes.  Também não são jogadores particularmente rápidos. No máximo são habilidosos para os toques curtos. De onde vem tanto sucesso? Simples: são produtos da filosofia Barcelona, que amarrou um perfil tático aos seus jogadores mais talentosos. Um time cuja base tem como herdeira natural a seleção nacional. Mesmo o argentino Messi deve grande parte de suas premiações ao clube aonde nasceu para o futebol profissional, que lhe moldou ao estilo local. Resumindo: o craque tem um futebol muito mais espanhol do que argentino.

Lembremos da parte inicial da carreira dos dois xodós atuais da Espanha, Xavi e Iniesta. O primeiro sempre foi respeitadíssimo em seu clube e país. Mas nunca encheu os olhos do mundo ao ponto de disputar um título de Bola de Ouro, até bem próximo dos 30 anos. O segundo disputou uma final de Mundial de Clubes contra o Internacional em 2006 sem passar de um mero coadjuvante. Caso parecidíssimo. O que aconteceu foi que agora ambos estão em seu habitat natural, e destoam. Não acho que possa ser mais óbvio que o maior mérito não é dos jogadores, e sim de seus times.

Cozinhe com os ingredientes que você possui em mãos. O case “Barcelona e Espanha” deve ser analisado com atenção pelas próximas gerações táticas do futebol, como um exemplo de como tirar o melhor daquilo que temos de melhor dentro de nós, elevando ao topo uma auto estima abalada depois de décadas de sucessos aguardados, mas nunca materializados.

O Neymar da Copa das Confederações é do Santos
Por 2014, é melhor que dê Espanha

Escrito por:

- possui 24 artigos no No Ângulo.

Portoalegrense de nascimento e residência desde sempre, é administrador de empresas e tem como dois de seus principais hobbies o futebol e a escrita. É neste espaço que essas paixões poderão se unir: a leitura da bola através da riqueza da palavra.


Entre em contato com o Autor

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados