W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Além do futebol – Vamos falar de rugby

----artwidelead_habana-20120930042423391669-620x349

Créditos da imagem: armchairgeneral.com

Embora o No Ângulo – como o próprio nome sugere – seja um site fundamentalmente sobre futebol (e assim continuará sendo), entendemos que qualquer esporte tem a sua relevância, de maneira que pedimos licença ao leitor para eventualmente tratarmos de esportes distintos.

Isto posto, tratemos de uma modalidade que vem chamando a atenção no Brasil e que a cada dia vem ganhando milhares de adeptos e praticantes: o rugby.

Se você é um analfabeto nessa modalidade esportiva, seja bem-vindo ao meu time.

Confesso que minha memória do rugby aponta para imagens de jogadores grandões, embarrados, disputando a bola em campeonatos nos Estados Unidos ou na Austrália, ou de relance em algum filme. Mas a realidade é outra e o rugby vem crescendo e se organizando no Brasil. Fui atrás de informações e descobri um novo panorama se consolidando no país.

Segundo o Coordenador de Desenvolvimento da Confederação Brasileira de rugby, Lucas Toniazzo, a modalidade volta ao cenário olímpico na “Rio 2016” com o chamado “Rugby Seven”, que nada mais é que um jogo composto por sete jogadores em cada time, com dois tempos de sete minutos, porém, no mesmo campo que o “Rugby 15” (dimensões 100 x 70). “Para nós, do rugby, será um ano especial, pois teremos o esporte vivenciado por todos aqueles que estiverem presentes no Rio de Janeiro e também aqueles que estarão assistindo na TV as Olimpíadas”, comemora.

Em ascensão no Brasil, o rugby conta com 350 atletas treinando todas as semanas em seis academias de alto rendimento espalhadas pelo país. O sistema foi implementado para detectar e desenvolver talentos da modalidade. Os 100 melhores jogadores serão monitorados diariamente, com tecnologia de ponta, e receberão bolsa-auxílio para que mantenham o desempenho caso atinjam as metas, como em fatores físicos e técnicos. O sistema de avaliação é meritocrático.

Segundo consta, o rugby surgiu em 1823 com William Webb Ellis, estudante da “Escola de Rugby”, na Inglaterra, que teria pego a bola de futebol com as mãos e seguido com ela até a linha de fundo adversária. Na época, cada escola inglesa jogava a sua própria forma de futebol (football) e a primeira a ter suas regras escritas foi o futebol de rugby, em 1845. Desde então, o rugby football, ou simplesmente rugby, se difundiu por todo o mundo. Hoje, o International Rugby Board possui nada menos que 120 países membros e o esporte é praticado por pelo menos 6,6 milhões de pessoas em todo o mundo. Em países como Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, Argentina, França, Reino Unido, Irlanda, Itália e Japão, o rugby é seguido avidamente por milhões de torcedores, que lotam os estádios dos torneios de seleções, como o Six Nations e o Rugby Championship, e de clubes, como a Rugby Champions Cup e o Super rugby.

Por aqui, nos últimos anos, as Seleções Brasileiras masculina e feminina alcançaram bons resultados. Os times participam das principais competições internacionais, como o Circuito Mundial, e conquistaram resultados importantes, como a medalha de bronze do time feminino nos Jogos Pan-Americanos Toronto 2015.

As regras do rugby

  • Cada partida de rugby tem duração de 80 minutos, sendo esses divididos em dois tempos de 40 minutos, excluindo prorrogações e outros prolongamentos;
  • No jogo de rugby há três ou quatro árbitros. Entretanto, cabe a apenas um conduzir o jogo;
  • Só é permitido passar a bola com as mãos para os lados ou para trás. Para conduzir a bola para frente, os jogadores devem usar apenas os pés;
  • É permitido agarrar o jogador que tem a posse da bola para roubá-la. Esse golpe é chamado tackle;
  • É permitido que dois ou mais jogadores se unam para bloquear o jogador adversário que tenha a posse da bola e tomá-la. Essa tática é chamada de maul;
  • As formas de se cobrar penalidades são: o punt, que consiste em um chute para frente, o scrum, que consiste no confronto entre os jogadores de ambas as linhas avançadas, o run, que consiste na corrida com a bola, e o pênalti;
  • No rugby, existem dois tipos de cartões: o amarelo, que expulsa o jogador por 10 minutos, e o vermelho, que expulsa o jogador definitivamente da partida;
  • A equipe vencedora é aquela que conseguir marcar mais pontos.

A versão mais tradicional do rugby é o “15-a-side”, ou simplesmente “Rugby 15”. O número faz referência à quantidade de jogadores em cada equipe. Outras modalidades como o “Rugby 7”, “Tag” e o “Beach Rugby” vêm crescendo rapidamente nos últimos anos.

Principalmente o “Rugby 7”, uma modalidade dinâmica e rápida do esporte com apenas sete jogadores em cada equipe, vem chamando a atenção de muitos torcedores e atraindo novos praticantes em todo mundo depois de sua volta às Olimpíadas. Uma curiosidade: a quadra de rugby pode ser tanto aberta quanto fechada.

É um esporte conhecido por ser de extrema interação física e apresenta grandes semelhanças com o futebol americano. O objeto usado para a prática de rugby é uma bola oval, porém, também é importante que os jogadores usem equipamentos de segurança como chuteiras, ombreiras, boqueiras e capacetes denominados scrum caps.

Apostando na formação e na base

Lucas Toniazzo conta que o rugby no Brasil é centenário, porém pouco difundido fora de São Paulo. O esporte foi mantido vivo pela colonização inglesa e francesa e só depois foram surgindo os demais clubes com o rugby ganhando mais adeptos em outros estados do Brasil. No Rio Grande do Sul o esporte é praticado há pouco mais de 10 anos e, embora não exista ranking específico, o Estado já se destaca no cenário nacional pela sua organização e estruturação. O RS possui competições bem definidas de 1ª e 2ª divisões, além de uma divisão de desenvolvimento para núcleos e clubes em formação. Possui também atenção às categorias de base e também ao rugby feminino.

Aliás, ele revela que a modalidade feminina tem uma procura interessante e quando formada praticamente se autogere. Ele descarta a imagem de violência no esporte e frisa que os treinamentos são de desenvolvimento e aperfeiçoamento de técnicas para contato e busca por espaço. “A força das meninas se equivale, tornando o jogo viável e saudável para todas”. A proposta realizada dentro do rugby é de ter atividades organizadas e que proporcionem continuidade e não apenas participação temporal. Talvez esteja aí a diferença para o futebol feminino, pondera.

Ele considera o público do rugby muito apaixonado pelo esporte e busca fazer valer a cultura difundida pela modalidade no mundo todo, de ser fiel aos seus valores e com espaço para todos aqueles que querem praticar. “Mesmo em desenvolvimento no país, a Confederação Brasileira de rugby atua fortemente na formação de pessoas e processos justamente para evitar que tenhamos um futuro em que a sustentabilidade não exista e que o esporte venha a ser prejudicado de alguma forma. Trabalhar base praticamente é o carro chefe da área de desenvolvimento junto com o crescimento sustentável de clubes e federações”, acredita.

Em que pese esse cenário positivo, a profissionalização está distante de acontecer no âmbito de clubes (mesmo havendo algumas iniciativas). Hoje a preocupação está muito mais na contratação de pessoas para trabalharem na estruturação de Clubes e Federações do que propriamente dentro de campo.

No Rio Grande do Sul, os clubes da 1ª divisão têm destaque, porém, o “Farrapos”, de Bento Gonçalves, é, segundo o dirigente que atua em conjunto com a Federação Gaúcha de rugby, o time com maior visibilidade, pelo fato de estar na 1ª divisão da competição nacional e também por ter um trabalho organizado e um apoio municipal muito interessante, que possibilita um desenvolvimento muito maior do que os demais clubes do Estado.

Gostou? Isso foi só um aperitivo, tem bastante informação disponível sobre o esporte no Rugby Ready (http://www.irbrugbyready.com). Confira!

E viva a diversidade e a prática de esportes!

O Santos é o melhor time do Brasil em 2015
Palpites da 24ª rodada do Brasileirão 2015

Escrito por:

- possui 27 artigos no No Ângulo.

Jornalista formada pela PUC-RS, essa gaúcha nascida em Passo Fundo e residente em Porto Alegre é especialista em Meio Ambiente, tem interesse por política e gosta de transitar e dar os seus pitacos sobre diferentes temas. Uma romântica do futebol, busca analisar as sutilezas do esporte bretão.


Entre em contato com o Autor

Um comentário para “Além do futebol – Vamos falar de rugby”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Sou de São Paulo e testemunho o crescimento exponencial desse esporte por aqui, principalmente nas faculdades.

    Texto excelente para os leigos (como eu). 😉


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados