Análise dos jogos de “ida” das quartas de final da Champions

Créditos da imagem: espn.com.br

BARCELONA x ATLÉTICO DE MADRID (2×1)

Como era esperado, um jogo de xadrez e nervos à flor da pele. Se tem um time no planeta que parece saber marcar o Barça, é esse Atlético de Simeone. E mais uma vez Fernando Torres castigou sua vítima preferida. Mas ironicamente o mesmo Torres mudou a história do jogo ao ser expulso, em um lance que combinou infantilidade do atleta e um certo exagero do árbitro. Depois disso o que se viu foi um monólogo dos catalães. Os “colchoneros” resistiram bravamente, mas sucumbiram à impiedosa troca de passes do Barcelona. Luis Suárez, sumido até então, mostrou que além de brigão é decisivo. Agora na quarta feira (13/04), o Vicente Calderón será palco de um jogo épico. Uma simples vitória dá a vaga para os mandantes.

Opinião:

O Atlético é um time que gosta de jogar sem a bola, reduzindo espaços. Mas agora terá que sair e ganhar o jogo, mesmo que seja pelo placar mínimo. Díficil imaginar que o Barcelona passe 90 minutos sem marcar gols. Acredito que o Barcelona avance, mesmo com dificuldades.

BAYERN DE MUNIQUE x BENFICA (1×0)

E a máquina bávara emperrou na solidez defensiva e na boa equipe “encarnada”. O gol de Vidal no começo da partida deu a impressão que teríamos mais um daqueles massacres do time de Guardiola. Engano. Os comandados de Rui Vitória, além de neutralizarem o ataque alemão, ainda tiveram por várias vezes a oportunidade de bater Neuer. O conhecido e temido “Inferno da Luz” aguarda o Bayern, na quarta feira (13/04).

Opinião:

Depois de uma partida quase perfeita taticamente em Munique, o Benfica precisaria mais do que nunca do trio Gaitán, Mitroglou e Jonas (mas o brasileiro está suspenso e não jogará a partida da volta). O Bayern costuma jogar da mesma forma dentro ou fora de casa, o que significa que deve marcar gols e garantir a classificação.

WOLFSBURG x REAL MADRID (2×0)

10 vezes campeão europeu e depois de vencer de forma emocionante “EL CLÁSICO”, o Real do alto de uma certa empáfia foi até a Toca dos Lobos. E foi atacado por um Wolfsburg bipolar, que vai mal na Bundesliga e muito bem na Champions. É verdade que Benzema e Cristiano Ronaldo até tiveram chances de marcar, mas de resto o que se viu foi um futebol envolvente e ofensivo dos alemães. Kruse, Arnold e o brazuca Bruno Henrique (ex-Goiás) infernizaram a zaga merengue. Missão complicada demais para o gigante Madrid, terça feira (12/04), no Bernabéu.

Opinião:

O Real Madrid, dono do melhor contra-ataque do mundo, pode ser vítima de sua principal arma no jogo de volta. Mas agora não há outra opção a não ser partir para cima dos Lobos. Se o ataque comandado por CR7 funcionar, acredito que o time de Zidane reverta e consiga uma classificação fantástica.

PSG x MANCHESTER CITY (2×2)

Um jogo de ida emocionante e maluco. Ibra perdeu pênalti e 3 dos 4 gols saíram de falhas grotescas. As equipes optaram pela ofensividade, o que deixou o confronto bonito e com espaços gigantescos. Verratti, Kompany e Yaya Touré fizeram muita falta pra suas respectivas equipes. Terça Feira (12/04), o Ettihad Stadium será palco da briga entre 2 forças emergentes do futebol europeu, que precisam finalmente estar entre os 4 melhores do continente.

Opinião:

Foi o confronto mais aberto e bonito de se ver das partidas de ida. Apesar de decidir fora de casa, o PSG já mostrou contra o Chelsea que é capaz. Acredito que o time de Ibra, Di María e cia, se classifique.

13 comentários em: “Análise dos jogos de “ida” das quartas de final da Champions

  1. Muito bom!

    Acho que o Fernando Torres foi expulso injustamente! Vai saber o que poderia ter acontecido…

    1. Juliano Ravanelli, 2×0 (não levar gols) é um BAITA placar em duelo de mata-mata, mas em se tratando de um gigante como o Real Madrid, não dá para duvidar mesmo. De qualquer forma, fico com os lobos nessa. 😀

  2. Sim essa expulsão mudou a história do jogo, o Barça poderia até virar no 11×11, mas o Atlético foi massacrado no 11×10

Deixe sua opinião e colabore na discussão