W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Arbitragem à parte, a falta de tranquilidade pode ter custado ao Fluminense a vaga na final

HOME-Fluminense-Palmeiras-Brasil-SergioLANCEPress_LANIMA20151022_0042_1

Créditos da imagem: LANCE!NET

Um jogo de Copa do Brasil tem cerca de 99% de chances de ser resolvido em detalhes. Desde o discurso do treinador até a prática em campo.

E se Marcelo Oliveira chegava ao Maracanã com a proposta de aguentar uma pressão inicial do Fluminense e equilibrar gradativamente o jogo, Eduardo Baptista precisaria ir mais a fundo.

Após a derrota para o Cruzeiro, no último domingo, no Mineirão, o técnico tricolor precisaria recuperar conceitos para fazer novamente do Fluminense uma equipe competitiva, capaz de superar um adversário como o Palmeiras, e que, consequentemente, conseguisse brigar pelo título da Copa do Brasil. O jogo contra o São Paulo, após a ‘folga’ de dez dias do Brasileirão, deveria se tornar um espelho para a sua equipe se reorganizar.

Porque o Fluminense precisava se impor diante de um Palmeiras com dificuldades crônicas na saída de bola. E assim foi. O time tricolor adiantou as linhas para controlar o jogo a partir da posse de bola (63% e 144 passes certos) dentro do campo defensivo do adversário.

Boas trocas de passes, amplitude com os laterais, além de dinamismo no meio-campo com Cícero e Jean. O Fluminense chegou a ser perfeito em sua proposta na etapa inicial e quase não sentiu a inércia do estático Vinícius, centralizado na execução do 4-2-3-1. Entretanto, mesmo com todo o volume de jogo e domínio territorial, a falta de objetividade nos lances dificultavam as intenções do tricolor carioca, que ainda sofreu com dois lances de perigo em bolas lançadas em sua área.

A paciência se tornava necessária para colocar em prática o que foi treinado e os gols saírem naturalmente, como no rebote da cabeçada de Fred defendida por Fernando Prass e concluída por Marcos Júnior e a jogada ensaiada que resultou em gol marcado por Gum.

Panorama do primeiro tempo.

Panorama do primeiro tempo.

Na volta para a segunda etapa, Marcelo Oliveira percebeu a dificuldade para sair com a bola no chão a partir de sua defesa e de imediato deslocou Zé Roberto para o meio-campo; lançou Egídio na lateral esquerda e ganhou corpo ofensivo por aquele lado aproveitando a movimentação de Dudu e Allione e a fragilidade defensiva do improvisado Higor Leite, que entrara na lateral direita no lugar de Wellington Silva.

O Palmeiras aproveitou a queda anímica da equipe do Fluminense com a contusão de Fred e cresceu no jogo. Encontrou seu gol após pênalti – erradamente marcado, na opinião deste que vos escreve – a seu favor. Zé Roberto diminuiu o placar e recolocou o Palmeiras na disputa pela vaga na final.

Palmeiras variou para o 4-1-4-1 e ganhou corpo em cima do Fluminense.

Palmeiras variou para o 4-1-4-1 e ganhou corpo em cima do Fluminense.

Faltou calma ao Fluminense para definir o jogo em seus domínios. O tricolor caiu no ritmo alucinante que o Palmeiras quis impor e deixou de lado a estratégia correta: fazer o jogo e procurar marcar mais um gol. Teve chances para tanto.

Como no contra-ataque em que Magno Alves, quando o Flu já tinha sofrido o gol, optou por passar a bola para Marcos Júnior, em posição irregular, concluir para o gol. De toda forma, a disputa segue aberta para a próxima semana, no Allianz Parque.

O que importa enfatizar é que a missão de Eduardo Baptista se volta totalmente para o trabalho psicológico dos atletas para que não sintam a possível ausência de Fred na próxima quarta-feira. O nível de concentração das duas equipes definirá o confronto e a equipe que enfrentará Santos ou São Paulo na grande decisão.

*Estatísticas: Footstats. 

 

O São Paulo da eterna expectativa. E o Santos, por quem não se dava nada
"Fúria Andreense" - O surgimento de uma torcida no ABC Paulista

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.

Entre em contato com o Autor

6 respostas para “Arbitragem à parte, a falta de tranquilidade pode ter custado ao Fluminense a vaga na final”

  1. Igor Carlos disse:

    A falta de tranquilidade ou o pênalti mal marcado?

  2. Leandro Silva disse:

    falta de jpgador bom,como sempre o palmeiras jogando mal o 1 tempo e mesmo assim perdeu gols feitos!

  3. Falta de tranquilidade? O Flu vai calar a boca de todos, eliminando as Peppas lá em SP!

  1. […] Palmeiras e Fluminense que se preparem, pois vem tarefa dura pela frente. […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados