Arbitragem: o problema do outro

Créditos da imagem: Ricardo Duarte/Internacional

Simpatizar-se com as mazelas do outro é uma tarefa árdua do ser humano.

No futebol, infelizmente, uma boa parte dos problemas provém dos donos do apito.

A arbitragem tem feito um capítulo histórico neste ano de 2017. Incluindo jogos de Champions League como o fatídico pênalti da goleada do Barcelona sobre o PSG e passando pela cada vez mais isolada atitude de Rodrigo Caio, chegamos na última terça ao ápice, no jogo da Série B entre Internacional e Luverdense.

Não pelo gol ilegal, eles acontecem em todos os jogos. Mas sim pelo gol imoral.

Ver os jogadores do Inter comemorando como se não houvesse amanhã, como se fosse um gol de final de Mundial (lembra, torcedor colorado?), é deplorável.

Ignorar a imoralidade feita contra o time do Centro-Oeste brasileiro é abominável.

Não foi um gol ilegal como os que acontecem por aí e com os quais deveríamos estar acostumados.

Repito: o gol de ontem foi IMORAL. Fazer um gol quando o adversário está parado é lastimável. Comemorá-lo enlouquecidamente, então, um absurdo.

Mas é claro, a arbitragem é problemas apenas do outro, do prejudicado.

Enfim, Rodrigo Caio deve estar errado mesmo. E com ele, nós todos.

5 comentários em: “Arbitragem: o problema do outro

  1. Apoiado! Mais lastimável ainda a atitude da grande mídia esportiva que apontou com O fator determinante no lance a falta de conhecimento da regra por parte dos jogadores da luverdense.

  2. Jogadores pararam porque quiseram. Só o árbitro pode interromper e ordenar o reinício de um jogo…

  3. Oi, Jorge!
    Em geral, concordo com tudo o que você escreve neste “No ângulo”. Mas, em relação a este caso, sem entrar no mérito se houve ou não impedimento, os jogadores profissionais do Luverdense teriam que saber que as sinalizações do bandeirinha (ou melhor, “assistente”) são para o árbitro principal. O que vale para os jogadores é o apito e as decisões do árbitro!
    Se tivesse havido um apito da arquibancada que confundisse os jogadores… aí, concordo! Mas uma sinalização do bandeirinha… não justifica!!!
    Concordo que o lance deveria ter causado algum constrangimento aos jogadores do Inter, que talvez devessem ter comemorado de forma mais contida… se bem que isso seria cobrar demais de um time super-pressionado, que, jogando em casa, faz o gol da vitória aos 47 do segundo tempo…
    Acho que “imoral” é um adjetivo meio forte demais para qualificar esse gol…
    Sérgio Paz
    PS
    Eu estava acompanhando o jogo, pelo rádio… e torcendo pelo Luverdense!

  4. Esse lance é muito complicado! Eu acho realmente imoral fazer um gol desses, mas realmente a falha é da defesa do Luverdense, que precisa sem obedecer a arbitragem. Não dá para os jogadores desistirem do lance enquanto o juiz não confirma a marcação do bandeira.

    E a comemoração ficou bem feia, mas acho compreensível dada a tensão que esses jogadores devem estar carregando. Mas que o contraste todo ficou horrível, ficou! Uma sucessão de erros, basicamente…

Deixe sua opinião e colabore na discussão