Bem mais que futebol

Créditos da imagem: Reuters / Kai Pfaffenbach

Existem discussões que são intermináveis mesmo quando chegamos à resposta correta. Outras simplesmente têm a resposta que queremos dar. O tempo talvez nos faça deixar de lado quem foi melhor: Pelé ou Maradona? Porém, creio que dificilmente minha geração escapará de cair de novo na polêmica: Messi ou Cristiano Ronaldo? Para mim, por exemplo, é bem fácil responder; Cristiano é uma máquina, perfeito, cirúrgico, um atleta por excelência, capaz de executar com maestria a arte de jogar futebol sem aparentar que exerce nesse ou naquele fundamento algo de sobrenatural. Mas repito, para mim é fácil, prefiro o argentino.

Messi tem menos de máquina e mais de gênio. Não importa quantas vezes o vejamos destruir um jogo, sempre nos surpreendemos com seus dribles curtos, suas cavadinhas antológicas, suas arrancadas inalcançáveis, seu elástico no Boateng… enfim, é um privilégio tê-lo visto no seu auge, o melhor de minha época. Mas não há tudo nesse gênio. Se há algo que alimenta a discussão Pelé x Maradona, esse algo é a idolatria de um povo, fanático na mesma proporção que apaixonado por futebol. Messi mais uma vez falhou na Copa América. Não que não tenha desejado mais que tudo a conquista. Não que não tenha jogado como o melhor do mundo e um dos grandes em todos os tempos. Falhou porque no futebol é assim, quando perde-se, falha-se. E por ironia do destino, do outro lado oceano, mais um Ronaldo aprende a ser grande.

O mais incrível é que nessa Eurocopa Cristiano foi menos máquina, bem menos. Não está no auge da sua forma, não há como depois da temporada que teve, com direito a lesões e a “La undécima”. Fez poucos gols, o que não o impediu de tornar-se o maior artilheiro de todos os tempos em Eurocopa. Mas foi decisivo, contra Gales, contra a Hungria, em um time vitorioso sem vencer até a semifinal. Foi gênio quando chamou João Moutinho para bater o pênalti contra a Polônia (o gajo estava receoso porque havia errado há 4 anos, contra Espanha) e chamou mais do que nunca a responsabilidade de liderar Portugal rumo à inédita conquista.

Cristiano Ronaldo talvez não seja, para a história e os números frios desse esporte estranho, melhor que Messi (nem para mim o é). Mas nessa Euro, mais do que nunca, ele é o maior para os portugueses, que o venerarão por muito e muito tempo. Cristiano fez o esporte maior ainda porque entendeu que futebol não é só ganhar ou perder, fazer ou perder, sorrir ou chorar, é parar guerras, unir povos. Para heróis, geniais como ele, jogar futebol é mais que futebol, é fazer história.

8 comentários em: “Bem mais que futebol

  1. Adorei o texto, Matheus Aquino. Como você bem colocou, Cristiano Ronaldo foi grande principalmente fora das quatro linhas. E que legal foi testemunhar a consagração – com essa primeira conquista – dos nossos irmãos portugueses no futebol (ainda que com um futebolzinho bem mais ou menos, vai). 😉

  2. Excelente a coluna. Um retrato fiel e verdadeiro do Cristiano Ronaldo. Também acho o Messi mais jogador, mas o português tem um espírito maior de liderança. Ninguém mais do que ele foi merecedor dessa conquista.

  3. Muito bom (como sempre), Matheus Aquino!

    O engraçado é como o fato de os companheiros do Cristiano Ronaldo terem ganho o título deu um “up” no moral dele com todo mundo, rs! Muita gente saiu de um extremo de classificá-lo como “jogador egoísta e egocêntrico” para “líder exemplar”, do 8 para o 80.

    Com o currículo que ele tem, e o respeito e a admiração entre boa parte dos companheiros, é evidente que ele sempre teve essa face que ficou mais evidenciada agora. E realmente foi uma demonstração muito bela de compromisso com a equipe e o país 😉

    1. Realmente, Gabriel. Confesso que me enquadro nesse “todo mundo” hahaha. Pra mim essa euro foi um divisor de águas na concepção q tinha também da pessoa Cristiano Ronaldo, além de eu achar q ele alcançou uma maturidade q é esperada de um cara do seu nível. Essas viradas q um jogo, um gol, uma ação proporcionam no esporte é q fazem ele tão incrível.

Deixe sua opinião e colabore na discussão