W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Cerveja no estádio? Enquanto Brasil proíbe, Alemanha incentiva

ATLETICO X SAO PAULO / ESPORTE / Curitiba, 18/05/2008. / Torcedor atleticano com cerveja dentro do estádio durante jogo entre Atletico Paranaense e São Paulo no estádio da Arena da Baixada em Curitiba, válido pelo Campeonato Brasileiro 2008./ Foto: Rodolfo BUHRER

Créditos da imagem: Gazeta do Povo

Antes de mais nada, esse não é um texto em causa própria. Confesso que sou fã de uma gelada aos fins de semana, eventualmente num happy hour, ou mesmo de bobeira em casa, mas nunca fui de beber antes ou dentro do estádio, por mera questão de costume. Como já relembrei algumas vezes aqui, cresci na década de 90 e comecei a frequentar estádio logo depois disso, quando o caminho para as arquibancadas necessitava de alguns cuidados e me causava certa preocupação, motivo pelo qual preferia não beber para não ter a mínima chance de perder a linha, o juízo e nem os marginais de vista.

Exceções como eu à parte, o fato é que o futebol se vê bebendo cerveja tanto quanto se joga com os pés. Mesmo sem ter passado de Juiz de Fora, eu posso cravar que essa é uma tradição mundial. Fácil lembrar, por exemplo, que cervejarias atrelam suas marcas a times, ligas e competições. Como esquecer da Carlsberg na camisa do Liverpool, do Ronaldo fazendo o “número 1” da Brahma ou dos comerciais da Heineken antes dos jogos da Champions?

Essas ações comerciais não são mera publicidade, como fazem bancos ou megalojas. É uma questão conceitual. Cerveja está para o futebol como a pipoca para os filmes. Agora, imagina ir ao cinema e não poder comer pipoca. Pois é.

O boom da violência no país entre as décadas de 90 e 2000 atingiu também os estádios e algo precisava ser feito para evitar que os jogos acabassem em tragédias por conta dos hooligans tupiniquins que enfestavam as canchas. Como no Brasil opta-se quase sempre por soluções rápidas e paliativas, tiraram a cerveja dos estádios. Uau!

Não dá para negar que o álcool é combustível de muitas tragédias, mas a lei seca implantada acaba por ser ineficiente por alguns motivos. Por exemplo: é comum que estádios sejam cercados de bares, onde o sujeito que quer encher a cara pode simplesmente ficar em um pé-sujo até 5 minutos antes da partida começar (ou mesmo nem ver as partidas). Sem contar aqueles que se encarregam de tomar coragem para a violência e a balbúrdia por meio de outras drogas, claro, antes de chegar ao jogo. Não precisa ser um especialista em violência urbana para ver que a culpa não é da cerveja, ainda que seja necessário sempre tomar cuidados quando há consumo de álcool em multidões.

Em 2014, a FIFA chegou aqui e fez aquela Copa das Copas maravilhosa e nós, os torcedores regulares, tivemos que ver os turistas fanfarrões bebendo suas cervejinhas em nossas arenas enquanto viam jogos interessantes e jogadores espetaculares. Passada a Copa, foram embora os craques, a FIFA, os turistas e a cerveja (além dos bons jogos e jogadores). Para nós, restou apenas aquela sem álcool, que equivale ao café sem cafeína, ao chocolate sem cacau e ao Buchecha sem o Claudinho. A cerveja sem álcool é a água com gás dos adultos.

Após a Copa, e com a elitização dos estádios e a mudança de perfil do público, parece que as autoridades já começam a ceder. Minas Gerais, terra do bicampeão brasileiro e do campeão da Copa do Brasil, autorizou a venda da bebida, com umas restrições meio esquisitas, mas que dão esperanças para os outros Estados. Na Bahia, Rio Grande do Norte e Espírito Santo, também é possível tomar uma “breja” vendo o jogo. No Paraná e em Santa Catarina, há pressão dos torcedores para que eles possam continuar a tradição germânica e beberem suas cervas.

Por falar em tradição alemã, na última semana, o Bayern realizou uma ação comercial com um de seus patrocinadores, a cerveja Paulaner, na qual os jogadores aparecem bebendo e felizes. Lá, não há restrição, pelo contrário, há um incentivo, afinal, a Alemanha é a terra da cerveja. Agora, uma provocação bem humorada: será que foi esse o motivo deles terem vindo aqui, sapecado SETE no Brasil abstêmio e ainda conquistarem a Copa do Mundo? Que embriaguez de felicidade!

Palpites da 22ª rodada do Brasileirão 2015
Entre Ronaldinho e Conca no Fluminense, sou mais o segundo, ídolo genuíno do clube

Escrito por:

- possui 70 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.

Entre em contato com o Autor

6 respostas para “Cerveja no estádio? Enquanto Brasil proíbe, Alemanha incentiva”

  1. Todo dia um 7×1 diferente

  2. La os pedestres atravessam faixas lendo livro enquanto aqui teclam zap dirigindo..

  3. Esquecem de dizer que os alemães são mais educados que nós dentro dos estádios.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados