W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Chapecoense e o Pé de Feijão

Processed with Moldiv

Créditos da imagem: Montagem/No Ângulo

Era uma vez, no interior de Santa Catarina…

A cidade de Chapecó e região, sob forte influência do estado vizinho, sempre foi apaixonada por futebol. Sua população até hoje é basicamente dividida entre gremistas e colorados. O futebol local sempre foi uma inofensiva e carismática segunda paixão.

A Associação Chapecoense de Futebol nasceu em 1973 sem muitas pretensões. Já em 1977, com 4 anos de existência, surpreendeu a todos e conquistou seu primeiro título estadual. Em 1996 repetiu a dose, conquistando o segundo catarinense. A partir daí, seguiu no anonimato e, nos 10 anos seguintes, quase fechou as portas.

Campanhas ruins e problemas financeiros fizeram com que seus comandantes pensassem em encerrar as atividades. Até mudança de nome virou alternativa para fugir das dívidas e manter o clube de portas abertas. O objetivo da Chapecoense era apenas manter-se viva, e conseguiu. Com a ajuda de empresários da cidade, o time sobreviveu.

Como num conto de fadas, a sementinha plantada pelos investidores, aliada a uma administração séria, deu início a uma meteórica ascensão.

Em 2007 veio o tricampeonato estadual. Em 2009 a classificação para a série C. Em 2011 veio o tetra catarinense e em 2012 o inacreditável acesso à série B. Em 2013, a desconhecida Chapecoense deixou para trás os favoritos e chegou à série A.

O ano de 2014 começou com a sensação de dever cumprido e a certeza de que o time não conseguiria se manter entre os grandes. Mas aí já era tarde demais para pensar pequeno.

A Chapecoense se tornou modelo de gestão. Foi além, levou seu programa de sócio-torcedor a um dos 15 maiores do país (!), desbancando inclusive alguns clubes centenários, algo até então impensável para um clube pequeno e sem torcida. Começou a formar uma torcida própria, a ganhar uma identidade. Ganhou o coração de crianças. Passou a ser o primeiro time de muita gente, e não só em Chapecó. As cidades vizinhas se contagiaram, o futebol ganhou um novo significado para a população que, até então, só podia torcer pela TV.

Em meio à crise do futebol brasileiro e times atolados em dívidas a Chape se preocupou em não gastar mais do que ganhava. A receita simples deu certo, foi a galinha dos ovos de ouro do futebol catarinense. O time chegou longe. Contrariando mais uma vez a lógica, se manteve na série A, terminando o ano classificado para seu primeiro torneio internacional: a Copa Sul-americana. Mas o que parecia ser o final feliz para os deslumbrados torcedores chapecoenses ainda ganharia novos capítulos.

A Chapecoense passou como zebra pela Ponte Preta e chegou para enfrentar o Libertad como um mero coadjuvante. Fez história! A mesma Chape do incrível 5×0 contra o Internacional, do inimaginável 4×1 no Fluminense em pleno Maracanã e do 5×1 no poderoso Palmeiras, está nas quartas de final da Copa Sul-americana. Na próxima quarta-feira, às 22h, despertando a inveja de todas as torcidas brasileiras, vai enfrentar o gigante River Plate, em um dos templos do futebol mundial, o Monumental de Núñez. Embalada por uma virada histórica dentro da Arena do Grêmio no último domingo, a Chape chega como uma ilustre desconhecida para os argentinos.

Qualquer um duvidaria, 6 anos atrás, quando o time enfrentava 26 horas de ônibus para Alto do Araguaia-MT para jogar as quartas da série D – e para lutar com marimbondos no vestiário – , que um dia a Chapecoense pegaria um avião com destino internacional.

A Chape cresceu, cresceu, cresceu, até chegar lá no topo, além das nuvens, onde mora um gigante centenário, temido por seu tamanho e suas conquistas, pronto para devorar a pequena Chape…

Mas pra quem viu esse time crescer, não é nada difícil acreditar em conto de fadas!

Entrevista com Paulo Henrique Ganso: "Quero estar na Copa da Rússia"
Flamengo vai se arrastando para o final de um ano melancólico

Escrito por:

- possui 1 artigos no No Ângulo.

Criado em Chapecó, Ciro Lima Filho tem 27 anos, é advogado e um apaixonado por futebol.


Entre em contato com o Autor

18 respostas para “Chapecoense e o Pé de Feijão”

  1. Vicente Prado disse:

    A Chapecoense é Brasil contra o River Plate!!! =D

  2. barreira disse:

    Excelente texto. Os velhos times deveriam aprender com os novos sobre modelo de gestão. A melhor sorte para o Chapecoense contra o grande River Plate.

  3. Lu Alves disse:

    Eeee, dá-lhe Chapecoense!!!

    #euacredito

  4. Nina Oling disse:

    Ciro foi muito feliz e escolher esse título da história infantil para comparar a Associação Chapecoense de Futebol ou CHAPE; Eu estou entre aqueles chapecoenses que tinham certeza que a Chape estava com o dever cumprido em 2014 e que não iria se manter entre os “gigantes”. Ah ha caí do cavalo. Parabéns as que acreditaram e investiram no time.

  5. Daví Barela Dávi disse:

    Olá Grande Cirinho
    Que belo e consistente comentário sobre a Chapecoense. Com o desprendimento que te é peculiar, inclusive, o bem redigido escrito não me surpreende. Agora, fico a me perguntar, como este nobre causídico se envolveu nas entranhas do nosso futebol. A saber, estudou em São Paulo, concluiu o curso de direito, portanto, distante de Chapecó, ocupado com outros interesses, que, aparentemente não seria o futebol. Mas nada disso, aprofundou-se na envolvente história da nossa Chape e mandou ver com muita propriedade. A tua história foi discorrida com ênfase e demonstração de um típico ferrenho torcedor de muita paixão pela Chape e a nossa bela e agradável Chapecó. Meus cumprimentos .

  6. Claudia Piazza disse:

    Parabéns pelas palavras sobre nossa Chape, sempre acreditei e hj mais do que nunca.Vai ser muito emocionante assistir o jogo,torcendo até o último minuto.

  7. Juca Bala disse:

    Emocionante para todos nós que vibramos muito com nossa CHAPE esse texto. Parabéns Ciro

  8. CASSIANO LISBOA disse:

    Que Magnífico Ciro.

  9. Caio Bellandi disse:

    A Chape está conseguindo algo raro: a simpatia de todos os torcedores. Vai virando o que já foi América e Portuguesa, mas com uma diferença: pode ser soberana em seu estado.

    Muito legal ver essa ascensão da Chapecoense. Vamos ver até onde vai!

  1. […] Chapecoense está vivendo o maior momento de sua história e vencerá o duelo contra o seu rival caseiro. A derrota na Copa Sul-Americana para o River Plate, […]

  2. […] a estreia do excelente lateral direito Jonathan e conseguirá uma vitória em casa contra essa histórica Chapecoense, de grande campanha na Copa Sul-Americana de […]

  3. […] àquela altura, Ciro, através de um inspirado texto gentilmente escrito para o No Ângulo, apenas externou o orgulho que então nutria pelo simpático […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados