W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

De absoluto a pressionado, Inter constrói vantagem pequena no primeiro jogo da semifinal

POSICIONAMENTO 2 intxtig

Quarenta e nove dias após o último jogo do Internacional pela Libertadores, a dúvida que englobava todo o ambiente do primeiro jogo da semifinal era se o Colorado conseguiria resgatar as boas atuações do primeiro semestre. A equipe de Diego Aguirre respondeu em campo.

Por méritos, o time gaúcho só precisou de 10 minutos para abrir dois gols de vantagem da equipe mexicana. Linhas avançadas, pressão no campo do adversário, dinamismo com os pontas e os atacantes móveis do 4-4-2 para abrir espaço e priorizar superioridade numérica no meio campo.

primeiro gol do inter

No lance do primeiro gol, cinco jogadores do Inter no campo do Tigres, proporcionando o erro adversário na saída de bola. (Foto: Reprodução SporTV / Montagem – Adriano Motta)

A vantagem extensa com poucos minutos de jogo indicou que uma goleada colorada no Beira-Rio seria iminente. O Tigres, talvez sentindo a falta de ritmo de jogo, só passou do meio campo com a posse de bola após os 15 minutos da primeira etapa. Conseguiu equilibrar o jogo quando o Inter diminuiu naturalmente o ritmo intenso. Mas a partida tomou outro rumo quando Ayala, após cruzamento de Rafael Sóbis, diminuiu o placar e recolocou os mexicanos de volta no páreo.

Porque após sofrer o gol, o Internacional se desestabilizou taticamente e proporcionou espaços em sua defesa, prontamente aproveitados por Gignac e Sóbis nas movimentações pelas costas de Geferson e William, e o bom deslocamento de Damm e Aquino abrindo o corredor para as investidas dos laterais.

Ainda com a pressão, o time brasileiro terminou a frente na posse de bola, com 52% do tempo. Viu o Tigres cometer mais faltas, 13 contra 6. Final de primeiro tempo parelho.

POSICIONAMENTO 1 intxtig

Internacional e Tigres no 4-4-2; absoluto até o sofrer o gol, o Inter aparentemente mostrou desequilíbrio mental para se recolocar no jogo.

A dinâmica do segundo tempo permaneceu semelhante ao final do primeiro tempo até a expulsão de Ayala. O Tigres foi obrigado a se fechar no 4-4-1 e viu os pontas cederem espaço a cada investida ao ataque.

O esperado era que o Inter fosse para o abafa com a superioridade numérica em campo. Mas não foi isso que aconteceu. A variação para o 4-2-3-1 com as entradas de Rafael Moura e Eduardo Sasha não surtiram efeito. Faltava profundidade e objetividade nos ataques colorados. A linha de três no meio ficou praticamente inoperante, e as poucas subidas dos laterais ao ataque não colaboravam.

POSICIONAMENTO 2 intxtig

Inter no 4-2-3-1 e Tigres fechado no 4-4-1.

A vantagem é pequena e perigosa para o Colorado. O Tigres é um time organizado e que tem personalidade. Pode tirar o placar necessário tranquilamente no México. Agora, o importante é a equipe de Diego Aguirre entender que mesmo não encontrando vida fácil em Monterrey, deve entrar em campo priorizando marcar gols…

Estender a vantagem é necessário.

A Ghiggia, por Barbosa
Coluna de estreia - Breve apresentação e crítica ao calendário brasileiro

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.

Entre em contato com o Autor

3 respostas para “De absoluto a pressionado, Inter constrói vantagem pequena no primeiro jogo da semifinal”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Bela análise!

    Como já disse anteriormente, acho que vai dar Tigres no jogo de volta!

    E como joga o tal francês!

  2. Não acho que seja pouco ganhar um jogo desse porte. É uma vantagem, sem dúvida. No entanto, pelo futebol praticado, fiquei com o sentimento de que o Tigres é o favorito à classificação no México. Mas é claro que o Inter está mais do que no páreo. Jogão!

  3. Caio Bellandi disse:

    Acho que dá Inter.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados