Demissão de Micale é passo para trás no caminho do bicampeonato olímpico

Créditos da imagem: Reprodução / Twitter

Fiquei espantado com a decisão da CBF de mandar embora Rogério Micale, o técnico campeão olímpico. Evidente que foi um vexame o fato da Seleção Sub-20 ter ficado de fora do Mundial, mas por todo o trabalho feito pelo treinador até agora, merecia um voto de confiança.

Vale lembrar que Rogério Micale chegou à CBF às vésperas do Mundial Sub-20 de 2015 para substituir Alexandre Gallo, que havia sido recém-demitido. Foi tão em cima da hora que Micale sequer teve a chance de fazer a convocação, que já tinha sido feita pelo antecessor. Mesmo assim, sem poder escolher os jogadores com os quais gostaria de contar, o treinador levou o time até o vice-campeonato.

Depois disso, passou a cuidar das convocações da Seleção Sub-23 na preparação para a Olimpíada. Mas o máximo que ele exerceria durante os Jogos seria a função de auxiliar técnico, já que o combinado era o time ser comandado por Dunga, então técnico da principal.

Não faltavam nem dois meses para a Olimpíada quando Dunga foi demitido depois da péssima campanha na Copa América. Tite assumiu em seu lugar e abriu caminho para Rogério Micale ser o técnico nos Jogos do Rio de Janeiro.

A missão não era simples e começou complicada. Os dois empates em 0 a 0 na primeira fase se transformaram em duras críticas ao trabalho do treinador, que passou por elas, mostrou maturidade para comandar a estrela Neymar, o time embalou e chegou ao emocionante e inédito título, conquistado nas cobranças de pênalti diante da Alemanha.

O trabalho na Seleção Sub-20 era a continuidade do que foi feito no Rio de Janeiro. Afinal, a geração que vai ter 23 anos em Tóquio é formada por quem tem 20 em 2017. Rogério Micale tinha a chance de estar à frente de todo o ciclo olímpico e chegar ao Japão com o time na ponta dos cascos.

Mas o fracasso no Sul-Americano Sub-20 colocou um ponto final na carreira de Rogério Micale na CBF. O time realmente não foi bem, mostrou deficiências principalmente defensivas e falta de maturidade na hora de resolver as partidas. Por outro lado, comandou quase todas as partidas, saiu na frente em quase todos os jogos, mas deixou vários resultados escaparem nos momentos finais. Alguns de forma quase inacreditável, como contra a Argentina.

De qualquer forma, vale lembrar que o time não pôde contar com três jogadores que não foram liberados por seus clubes, embora ainda pertençam à categoria Sub-20: Gabriel Jesus, do Manchester City; Thiago Maia, do Santos; e o ex-corintiano Malcolm, do Bordeaux.

Mesmo sem eles, uma boa base foi formada no Sul-Americano com Guilherme Arana, Lyanco, Richarlison e Felipe Vizeu. Adicione a eles os três que não foram liberados e ainda pense em Tóquio com mais três jogadores acima dos 23 anos. É claro que dá para imaginar um time em condições de brigar pelo bicampeonato olímpico. Mas certamente essa caminhada já começou com um passo para trás com a demissão de Rogério Micale.

 

Visite o www.olimpiadatododia.com.br e saiba tudo sobre o esporte olímpico brasileiro. Para que esperar quatro anos se a Olimpíada acontece todo dia?

11 comentários em: “Demissão de Micale é passo para trás no caminho do bicampeonato olímpico

  1. Fernando Gavini, o que eu mais reprovo nessa demissão é que, “pra variar”, foi totalmente imediatista. Alguém tem ideia de qual o perfil que buscam?

    Mas confesso que eu não era fã do trabalho do Micale não. Mesmo com o ouro olímpico, não acho que montou um bom time considerando que contava com titulares da Seleção principal e todo o fator casa a favor.

  2. A ATITUDE DA CBF É LAMENTÁVEL, MAS ISSO NÃO PODE ESCONDER QUE MICALE APARENTEMENTE (QUEM O CONHECE DE FATO?) NÃO TINHA MESMO CONDIÇÃO DE COMANDAR A SELEÇÃO BRASILEIRA. COM NEYMAR, JESUS, RENATO AUGUSTO E OUTROS, QUASE PERDEU O OURO OLÍMPICO PARA UMA ALEMANHA GENÉRICA… HÁ QUEM DIGA ATÉ QUE O MÉRITO PELA CONQUISTA É DE TITE…

  3. Trabalho pífio. Ganhou o ouro jogando contra ninguém e mesmo assim com extrema dificuldade. Ficou atrás da forte Venezuela semana passada…

  4. Pela primeira vez a CPF acertou! Esse cara é um maior preguiçoso mesmo ganhando o ouro olímpico! Só acha as coisas de mãos beijada nunca se interessou para descobrir novos valores para sua seleção! Agora sem um time promove uma nova promessa ele é o primeiro a chegar!

  5. Não acho que tenha sido uma decisão ruim. O trabalho dele foi, no mínimo, ruim. Tanto suas convocações quanto a escalação da equipe em si nunca foram convincentes; a maioria das vezes os jogadores aparentavam não ter um padrão tático ou algum acompanhamento técnico decente.

    No geral, o ouro olímpico veio mais por conta da qualidade individual doa jogadores convocados e da “fraqueza” dos adversários em si do que por méritos do técnico.

Deixe sua opinião e colabore na discussão