W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Depois de arrumar a casa, Bandeira aposta em Muricy para levar o novo Flamengo ao futuro

untitled

Créditos da imagem: Esporte Interativo

Eduardo Bandeira de Mello foi reeleito presidente do Flamengo. Com larga vantagem, o atual mandatário confirmou o favoritismo e vai ser responsável por mais três anos de gestão do clube mais popular do Brasil.

Quando, em dezembro de 2012, a Chapa Azul original, comandada por Bandeira, Wallim Vasconcellos e Eduardo “Bap” Baptista, assumiu o clube, o objetivo era simples, mas urgente: ajeitar a casa. Com dívidas astronômicas e estrutura combalida, o rubro-negro tinha um futuro sombrio pela frente. Aos poucos e com muita competência, a nova administração gerou receitas, liquidou os débitos e colocou os cofres em ordem. O Flamengo, nos últimos três anos, virou o “clube do futuro”. Era comum ouvir e ler dos especialistas que “quando o Flamengo se arrumasse, seria difícil segurar”. Então, o Flamengo começou se arrumar.

E o futuro chegou. Ou pelo menos, vai ter que chegar.

Apoiado no bom desempenho administrativo, Bandeira agora se reelege contra Wallim e Bap sabendo que o futebol ficou devendo nesses três anos, como já era esperado. Não fosse pela conquista da Copa do Brasil de 2013, justa, merecida, mas também repleta de acasos – típicos de Flamengo – o futebol rubro-negro teria sido um desastre total. Graças a essa taça, aliás, a torcida comprou o barulho da “Chapa Azul” e sustentou a irritação com o fraco desempenho nos campeonatos brasileiros e na Libertadores.

A Nação Rubro-Negra, sempre impaciente, acreditou que esses três anos seriam usados para deixar tudo na máxima ordem possível.

Se clube da Gávea está ainda longe de ser um grande exemplo, é sabido que pelo menos a situação financeira está um pouco melhor, com margem para bons investimentos. Bandeira e seus novos e antigos comandados terão a obrigação de fazer o Flamengo lutar lá em cima porque a cobrança será essa. Tratar o futebol como prioridade. Certidões, estatutos, receitas e dinheiro já não importarão tanto. A exigência da torcida será disputar e ganhar títulos, não cabendo mais o discurso de espera ou de futuro. Simplesmente, o flamenguista cansou de esperar. Para um torcedor como o rubro-negro, segurar internamente sua megalomania é tarefa difícil. E tal qual Hulk faz com David Banner, agora ele quer expandir. Quer mais.

O time começará 2016 praticamente do zero. O elenco sofre com desconfiança tanto interna quanto externamente e precisará ser bem renovado. O treinador escolhido para a tarefa é Muricy Ramalho, que chega com uma missão definida: limpar o vestiário e formar nova base. Melhor ainda: formar uma filosofia no futebol, desde a base até o time principal. O discurso é esse. O “pojeto” de Luxemburgo, agora, é a “filosofia” de Muricy.

É difícil acreditar que um presidente que demitiu e contratou treinadores a cada três meses consiga sustentar essa ideia. Seria uma mudança de perfil repentina demais, ainda que necessária. Muricy tem cancha suficiente para suportar a pressão, mas que fique o recado: a imprensa carioca não é igual a paulista. Aqui desse lado da Dutra, as porradas são dadas sem pena.

Como se não bastasse, Muricy, apesar de multi-campeão, carrega consigo a pecha do “Muricybol”, aquela maneira de jogo que historicamente não combina com o futebol rubro-negro (nem com o brasileiro, diga-se). Depois de um “período sabático”, expressão da moda, o treinador afirma que estudou o ludopédio e está apto a novas ideias. A conferir.

Outra dificuldade: com passagem por Inter e São Paulo, o técnico chega em um Flamengo que está há alguns anos de distância no quesito estrutura. O CT está sendo construindo há mais de dez anos, e nada de ficar pronto. Terminar o módulo profissional, pelo menos, deverá ser a outra prioridade da renovada gestão. Investir na estrutura e no futebol vai requerer um malabarismo de Bandeira de Mello e sua diretoria.

O fato é que o novo Flamengo de Bandeira aposta em Muricy como transformador do futebol do clube. Segurá-lo durante um bom tempo para que possa, de fato, introduzir uma mentalidade moderna será a primeira prova de que o futuro que muitos apostam, realmente chegou na Gávea.

Rogério Ceni está acima das preferências clubísticas
Sobre a "espanholização" do futebol brasileiro

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.

Entre em contato com o Autor

3 respostas para “Depois de arrumar a casa, Bandeira aposta em Muricy para levar o novo Flamengo ao futuro”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) vicente disse:

    O “MULACY” é um técnico teimoso, retranqueiro, não sabe nada de futebol (deu muita sorte na vida com a sua conversinha mole: “Aqui é trabalho, meu filho”). No jogo Santos X Barcelona foi medíocre e o único responsável pelo desastre, com uma escalação ridícula, bem ao seu feitio. Pobre Flamengo, a Série B o aguarda.

  2. Kkkkkkkkkkk…a nova dívida do futuro….

  3. Markin Santos disse:

    arrumar a casa? ????????????


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados