Deu a lógica nos estaduais? Não é bem assim

Créditos da imagem: globoesporte.com

Tudo bem: tirando a heroica Caldense – time por onde Casagrande iniciou sua carreira, com muitos gols, aliás – todos os finalistas dos principais estaduais do país em 2015 são grandes clubes. A história garante lugar de honra para todo mundo.

Mas eu só fico com o Gre-nal do Rio Grande do Sul na hora de dizer que deu a lógica. Que me perdoem os torcedores dos grandes que atingiram a final em São Paulo e Rio: todos os quatro finalistas dos dois campeonatos são os menos cotados no período histórico atual.

Se não se pode dizer que a final é uma surpresa – como em Minas – no ajuste fino da análise da situação atual de cada um, não foram os principais cotados os postulantes ao título. Corinthians e São Paulo vêm levando vantagem clara em termos da força que representam para mercado do futebol atualmente. Andrés Sanchez elevou o Timão a um patamar que este perseguiu por décadas e que poderia ter atingido há muito mais tempo, mas que só se materializou nos últimos quatro ou cinco anos. Já o São Paulo, não perdeu seu status de modelo de estrutura física e técnica adquirido ao longo das últimas décadas.  A televisão sempre preferiu os dois, e um clássico entre eles é sempre o mais desejado.

Palmeiras e Santos vinham ladeira abaixo. O primeiro por problemas políticos vistosos, que culminavam numa péssima administração, com deficiências em categorias de base, montagem de elenco e parcerias para obter receitas. O segundo em razão de um apequenamento histórico, que chegou a ser amenizado porque da Vila saem os maiores talentos do país, que garantem times renovados. Na Baixada parece haver um espírito especial do passado vultuoso que jamais permite que o clube afunde. Mas o Peixe nunca teve situação tão insegura nos últimos 10 anos. Do Palmeiras acaba de brotar um novo estádio, e a temporada de estreia com partidas na nova Arena, coincidindo com a primeira final desde 2008, depois de Zé Roberto ter chegado ao clube prometendo que seu novo time voltaria a ter o respeito do passado; pode estar sendo o marco inicial de uma retomada no moral do Palestra.

No Rio não é diferente. Com o aporte da Unimed, o Fluminense foi por muitos anos o clube mais bem suportado financeiramente entre os locais, o que lhe permitiu ser muito competitivo por bastante tempo mesmo sem a organização própria, algo típico nos times cariocas. E ao Flamengo sempre houve o apoio da potência de sua marca, que transpunha todos os tumultos e equívocos nas decisões. Pode-se dizer que a camisa tira o Flamengo da Série B e o mantém disputando títulos ainda sem ter a mesma capacidade dos clubes mais bem organizados.

Ao Vasco e ao Botafogo restava o ocaso. Sem dinheiro, sem parceiro, sem o mesmo apelo do mercado paulista e sem a organização de Inter, Cruzeiro ou Grêmio, restava lamentar e torcer por alegrias esporádicas.

E o Atlético em Minas? Eliminado o Cruzeiro, parecia esperar apenas alguns dias para soltar o grito de campeão. Mas não passou pela Caldense no Mineirão, e agora decide no interior um título que deixou de ser questão de dias e já pode ser chamado de incerto.

Só Grêmio e Inter monopolizaram o estadual do Rio Grande do Sul como sempre o fazem. Já há vários dias se sabe que o Gauchão 2015 teve um campeão previsível.

O que isso sinaliza? Só a circunstância da temporada, mesmo? Mero acaso? Ou que é hora da ala rica dos grandes começar a pagar seus sucessos passados, e dos que estavam por baixo colherem seus frutos depois de tempos nebulosos? O Brasileirão que vem aí é a única resposta confiável.

6 comentários em: “Deu a lógica nos estaduais? Não é bem assim

  1. Quando eu escolhi ser PALMEIRENSE eu fiz um juramento, de nunca abandonar-lô,
    Seja na saúde ou na doença, na alegria ou na tristeza…
    Perdemos hoje mais fazer o que né, lutamos até o fim, não entregamos o titulo de bandeja pro santos não, bola pra frente a vida continua, ainda esse ano temos basileiro, copa do Brasil etc…
    PALMEIRAS É GRANDE

Deixe sua opinião e colabore na discussão