Diego Souza, um reforço de peso – ou pesado?

Créditos da imagem: Pedro Martins / MoWA Press

Majestoso em Itaquera. Por força do estúpido jogo de torcida única, apenas corintianos no estádio. Eis que a torcida mandante explode em aplausos para um jogador do… São Paulo. Sim, é o que espero quando Diego Souza entrar em campo. Se o então vascaíno tivesse marcado o gol feito nas quartas de final da Libertadores-2012, com certeza teria sido mais uma edição de fim melancólico para Tite. Talvez por isso o tenha convocado para a seleção. Não é ingrato com quem o levou ao topo. Melhor ainda se tivesse ido adiante a especulação de Fernando Torres no Palmeiras. Os visitantes rivais nunca seriam tão bem tratados.

“Oh, mas como ousas não acreditar no polivalente e bom de grupo Diego Souza?” Well, vamos devagar… Ainda que dê certo, não será por nenhum destes dois argumentos plantados. A história de liderança positiva deve ser dura de engolir até pelas mães de hienas. Se Tite falou mesmo isso, foi pra fazer média, porque o comandou em alguns poucos jogos e nunca teria tempo para uma conclusão séria a respeito. Para quem acompanha sua trajetória, ainda que de longe, soa no mínimo inverossímil este rótulo. São várias as notícias de desavenças dele nos clubes em que passou. Não me recordo, sinceramente, de um clube em que tenha saído deixando saudades, salvo eventualmente o Grêmio de 2007 – sim, há dez anos. Quanto à polivalência, trata-se de mais um caso de coringa por força das circunstâncias. Explicando: por não ter se adaptado a nenhuma posição.

Diego Souza tem um repertório técnico interessante. Acima da média, inclusive. Chuta bem com as duas pernas, tem passe curto, passe longo, agressividade com a bola e visão de jogo. Então por que esse jogador de gols bonitos (alguns até antológicos), com 32 anos, ainda é mais esperança que realidade? A resposta está em dois pontos: biotipo e movimentação. Diego Souza é um atleta pesado. Não gordo, mas pesado. Mesmo com 22, já não era fácil se mexer como volante. Para beneficiar a vocação ofensiva, foi transformado em meia-atacante. Nesta posição, seu desempenho dependeu do adversário. Com espaços para progredir, era o craque da rodada. Sem eles, ou se entregava à marcação ou era expulso. Não mudou muita coisa nestes anos, vide um jogo do Sport em que sofreu a falta e reclamou tanto que levou dois amarelos em sequência. No saldo de amor e ódio, normalmente deu o segundo.

A novidade de 2017 foi a “centroavância” (é piada com o grosseiro termo volância, gente), na base do acaso. A tragédia da Chapecoense gerou um inesperado amistoso entre Brasil e Colômbia. Só podendo levar jogadores daqui, Tite resolveu testar uma alternativa mais técnica, capaz de sair da área e abrir espaços. É como deve ser o centroavante em seu esquema, pois um pivozão ou um banheirista é tudo do que Neymar e Paulinho não precisam. Amistoso tem mais espaço. Como disse acima, é maná no deserto para Diego Souza. Foi assim que se ganhou chances efetivas de estar na Rússia, pois só existem outras duas opções com este perfil – Gabriel Jesus e Firmino. No Sport, contudo, seguiu na “meia-atacância” porque o time não quis abrir mão de André. Resultado: mais uma temporada de vai-não-vai, agravada por problemas de ambiente após sua tentativa de ir para o Palmeiras – de onde saiu brigado em 2010.

“Oras, mas se Pratto sair, não é justamente como camisa 9 que ele vai jogar no São Paulo?”. Não sei. Aparentemente, foi pensado para outra posição, pois nem havia um avanço mais forte do River Plate quando começaram as negociações. É bem mais provável que tenha vindo para o lugar de Hernanes, cujo retorno foi pedido pelos chineses em dezembro. O que é um erro pior que escalá-lo como meia-atacante, pois o Profeta muitas vezes estava sendo um volante pela esquerda. Como já apontado, Diego Souza não é volante há uma década. Para o bem dele e do clube, é melhor que isto seja descartado e o reforço finalmente atue como Tite quer. Problema resolvido? Não. Sair da área funciona na Seleção, com finalizadores se infiltrando. O SPFC não tem esses jogadores. Só Marcos Guilherme entrando em diagonal. Muito pouco. Diego teria que ficar mais tempo fixo na área. Menos espaço. Mais fácil de marcar.

Sendo assim, se não quiser jogar mais de dez milhões no lixo outra vez, o São Paulo tem que dar ao contratado o que ele precisa. Isto inclui um atacante de lado com maior repertório dentro da área. Resta saber se há como obter isso com orçamento reduzido e tendo que fazer mais correções num elenco que, se não fosse Hernanes, estaria na segunda divisão. Não adianta nada preencher as necessidades de um jogador e continuar vulnerável no resto. A não ser que queiram assumir o triste estágio atual, glorificar apenas o passado e jogar como time pequeno para não cair. Neste caso, parabéns à diretoria tricolor. Arrumaram o melhor cabeça-de-sardinha do Brasil.

10 comentários em: “Diego Souza, um reforço de peso – ou pesado?

  1. Hum, permita-me discordar de você em alguns pontos, Gustavo.

    Considero o Diego Souza não apenas um dos jogadores mais regulares entre os que atuam no País (entra ano e sai ano e ele na maioria das vezes consegue jogar bem. Outro exemplo contestado e que adoro aqui em gramados brasileiros: Fred), como acho que ele é de fato um ótimo coringa – do meio para a frente faz qualquer das funções em excelente nível, sempre atuando como um verdadeiro tanque (ele é bom em todos os fundamentos, bom na leitura do jogo e muito mais forte do que os adversários, sendo este, na minha opinião, o seu maior diferencial).

    O que nunca gostei no Diego Souza foi do seu temperamento. Ele é infantil dentro de campo, não sabe lidar com a adversidade e invariavelmente apela e acaba sendo expulso (como não lembrar daquela pitoresca briga com o folclórico Domingos?)… Acho até que é mais por isso que algumas vezes, como você bem colocou, ele sai queimado de alguns clubes – pelo Palmeiras, por exemplo, foi eleito o craque do Brasileirão 2009 e no ano seguinte conseguiu sair em baixa, brigado com a torcida.

    De qualquer forma, é um jogador nível Seleção Brasileira (não estou entre os que ridicularizam a sua convocação) e que deve somar muito ao São Paulo.

    Em tempo: para não discordar de você em tudo (rs), concordo que com a saída de Pratto e o manifesto interesse de Tite de possivelmente contar com Diego Souza para ser o reserva de Gabriel Jesus na Copa da Rússia, eu também, ao menos em um primeiro momento, tentaria utilizá-lo como camisa 9 no time do Dorival.

    A conferir.

    Valeu, abraços.

  2. Eu assino embaixo! É claro que é um jogador bem interessante, mas acho que não vale para ser “solução” em nenhum time grande que realmente esteja a fim de disputar títulos importantes (o que, sem querer ironizar, não é mesmo o caso do São Paulo hoje). Concordo especialmente sobre ele não ter até hoje encontrado sua posição em campo.

    Enfim, pode ser que ajude o São Paulo de hoje. Mas realmente não faz meus olhos brilharem, e acho claramente aquém de Jô e Diego Tardelli para a Seleção, por exemplo.

Deixe sua opinião e colabore na discussão