W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Do Coliseu Romano às grandes e pequenas “arenas futebolísticas”

Processed with Moldiv

Créditos da imagem: Montagem/No Ângulo

Nas vezes que estivemos em Roma e passamos pela região do Coliseu, minha mulher se negou a entrar. Sua explicação é que ouve o grito da multidão pedindo pelo sacrifício dos cristãos, o rugir de dor dos leões abatidos e, olhando para onde ficavam as tribunas, ainda pode ver os reis e suas acompanhantes, vassalos, puxa-sacos, sorrindo e brindando pelo entusiasmo da turba por eles exploradas. Sempre tentei demovê-la dessa ideia, mas sem sucesso.

De alguma forma, acho que é também por isso que ela não gosta – se foi duas vezes, e nem me recordo, foi muito – de ir aos estádios de futebol, em jogos chamados de grandes, decisivos, com torcidas dos dois lados oferecendo um banquete de ofensas, atirando pedras e paus e, não raramente partindo para a briga, ferindo uns aos outros, matando-se. Se digo, então, claro que brincando, que por mim tiraria o policiamento, deixando que se matassem, ela fica brava. “Onde está seu princípio cristão”?

Percebem que há uma certa semelhança? Os cartolas e seus “puxa-sacos” nos confortáveis camarotes, pelos quais nada pagam, servindo-se de belos vinhos, uísques, bons quitutes, refrescos para filhos e filhos de seus convidados, os futuros cartolinhas. A multidão esfolando-se nas arquibancadas – ou pagando altos preços por lugares mais confortáveis – nem sempre sabendo para onde vão os milhões de reais. E no gramado os craques, entre estes, sim, alguns bem remunerados, como eram os grandes vencedores na arena do Coliseu, que ganhavam a liberdade e deixavam de ser escravos.

Houve tempo que, entre os atuais, se via senhores realmente apaixonados por uma agremiação. Davam parte de seu tempo, seu prestígio, seu trabalho e recebiam como pagamento o prazer de ver o time vencer, às vezes ser campeão. Mas isso foi bem lá atrás. De uns 50 anos para cá, não todos, mas boa parte, já recebiam em algumas coisinhas em troca. Vinham seus escritórios ou consultórios mencionados sem qualquer ônus pela imprensa. Elegiam-se vereadores, deputados, ganhavam cargos de secretário… Eram chamados de doutores, sem nunca terem frequentado uma faculdade e viraram, no mínimo, comendadores.

Alguns gostavam de falar do “sacrifício” que faziam, abandonando seus negócios, sua família etc, mas jamais “largavam o osso”. Diziam enfiar a mão no bolso e fazer doações ao clube – uma grande mentira. Tinham, isso sim, alvará da senhora para chegar tarde em casa, “porque a reunião se alongou”. Deus estava vendo.

Hoje a maioria já não se preocupa em dar desculpas. Muitos passam o dia inteiro no clube, e já não reclamam dos “prejuizos”. Embora não sejam remunerados. Sim, não são apenas os presidentes. Quando alguém coloca alguma dúvida em suas ações, gritam, ameaçam, processam. Mesmo os que, por descuido ou exagerada confiança, deixam suas impressões digitais. Vai da Fifa, passa pelas Confederações, Federações e chegam nos grandes e pequenos clubes. Não há necessidade de enumerar aqui. Estão em toda parte. a.C e dC.

 

Leia meu blog em www.tvredepaulista.com.br/josemariadeaquino

Palpites das semifinais da Copa do Brasil
Santos x São Paulo – O Santos é favorito, mas...

Escrito por:

- possui 73 artigos no No Ângulo.

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.


Entre em contato com o Autor

2 respostas para “Do Coliseu Romano às grandes e pequenas “arenas futebolísticas””

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Pois é, a CARNIFICINA continua rolando solta. Só que de outra maneira.

  2. Caio Bellandi disse:

    É a espetacularização do confronto, que como mostrado, não é privilégio desses tempos, que são apenas mais profissionais, regrados e com menos glamour do que na Roma Antiga rs


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados