W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Doriva no São Paulo e a consolidação da “Era Tite”

Processed with Moldiv

Créditos da imagem: Montagem/No Ângulo

O São Paulo acaba de anunciar Doriva como seu novo treinador, em substituição ao colombiano Osorio. Façamos um parênteses: o gringo acabou minado por um grande problema do futebol brasileiro, os dirigentes, com suas brigas de egos, incompetência e desmandos. A paciência com Osorio e seu método diferente foi maior do que eu esperava, mas a dele encerrou cedo e o treinador pediu o boné rumo ao não menos tumultuado México. Fecha parênteses.

Doriva é mais uma aposta, mas com características diferentes das do técnico anterior. Ex-jogador criado no Morumbi e com passagens pela Seleção Brasileira, tem apenas 43 anos (apenas um a mais que Rogério Ceni), e, já como treinador, teve passagem vitoriosa pelo interior do estado de São Paulo em 2014, quando conquistou o Campeonato Paulista pelo modesto Ituano, o que lhe renderia uma oportunidade de dirigir o Vasco no corrente ano, equipe pela qual também conquistaria o campeonato estadual. Após ser demitido por Eurico Miranda, foi para a Ponte Preta, de onde o São Paulo o tirou na “mão grande”, fazendo valer o seu maior poderio sob todos os aspectos.

Talvez o cenário esteja um tanto hostil, mas fato é que Doriva ganha uma grande chance  na recém-iniciada carreira, já que, entre outras coisas, terá a chance de comandar estrelas da estirpe de Rogério Ceni, Ganso, Pato e Luís Fabiano.

A tentativa com o promissor treinador é válida. Foge do óbvio e atesta o novo cenário do futebol nacional, no qual os “medalhões” de outrora perderam espaço. O tempo passou e os dominantes das últimas décadas já não estão mais nos principais times do país. Digno de registro: os únicos campeões brasileiros dos últimos anos que estão treinando os chamados “12 grandes” são Tite no Corinthians e o atual bicampeão pelo Cruzeiro, Marcelo Oliveira, hoje no Palmeiras. Ambos, entretanto, somente alçados aos posto de “medalhão” há pouco tempo.

Verdade que alguns experientes resistem: o também campeão nacional Oswaldo de Oliveira, no Flamengo, além do “dinossauro” Levir Culpi, no Atlético-MG. Mas nada de Luxemburgo, Felipão, Abel ou Muricy, sem contar com outros de menor grife, mas com títulos e também sempre cogitados, como Antônio Lopes, Emerson Leão, Celso Roth e Joel Santana.

É possível que o argumento seja apenas cronológico, já que alguns deles já aparentam sequer ter paciência para o dia a dia de um clube. E talvez a explicação seja menos técnica e mais financeira.  Mas o fato é que os clubes, enfim, buscam a esperada renovação. A média de idade entre os treinadores desses 12 gigantes do futebol brasileiro é de menos de 52 anos, sendo que apenas três passaram dos 60.

Em Minas, Mano Menezes tenta recolocar a carreira nos trilhos no Cruzeiro, enquanto Levir tenta se colocar definitivamente como um dos grandes no rival Atlético. No Rio de Janeiro, o Flamengo optou pela segurança do experiente Oswaldo de Oliveira, diferente dos rivais, que apostam em nomes “frescos”: o Fluminense com Eduardo Baptista (filho de outro “dinossauro”, Nelsinho), Vasco com Jorginho e Botafogo com Ricardo Gomes. Já em São Paulo, a ordem também foi esquecer a grife para o Santos, com Dorival também tentando recolocar a carreira no lugar, e para o São Paulo, que agora aposta em um Doriva querendo aparecer no cenário. Em contrapartida, Palmeiras e Corinthians não ousaram e seguem com os agora “medalhões” Marcelo Oliveira e Tite, respectivamente. No Sul, o quadro é emblemático:  Argel é a tentativa do Inter se reerguer, após a frustração com Aguirre; e Roger é o responsável pelo reaparecimento do Grêmio após tentativas frustradas com Luxemburgo e Felipão.

Ou seja, se contratar um treinador já é aposta por si só, desta vez, o futebol brasileiro abusa de novas opções. Caso essas apostas – e quem sabe outras, como Cristóvão Borges e Guto Ferreira – se confirmem, poderemos afirmar que vivemos uma “nova Era” no banco de reservas, liderada pelo multicampeão e já consolidado (embora ainda jovem) Tite. Depois de Felipão e Luxemburgo dominarem a década de 90; do próprio Luxemburgo e Muricy assombrarem os “anos 2000”, chegou a vez do treinador do Corinthians puxar a fila dos supertécnicos. E verdade seja dita: capacidade para isso lhe sobra.

 

TREINADORES DOS 12 GRANDES CLUBES DO FUTEBOL BRASILEIRO

Grêmio – Roger, 40 anos

Inter – Argel, 41 anos

São Paulo – Doriva, 43 anos

Fluminense – Eduardo Baptista, 45 anos

Botafogo – Ricardo Gomes, 50 anos

Vasco – Jorginho, 51 anos

Cruzeiro – Mano Menezes, 53 anos

Santos – Dorival Júnior, 53 anos

Corinthians – Tite, 54 anos

Palmeiras – Marcelo Oliveira, 60 anos

Atlético Mineiro – Levir Culpi, 62 anos

Flamengo – Oswaldo de Oliveira, 64 anos

 

. Média de idade de 51,3 anos

. Três com 60 anos ou mais;

. Cinco com 50 ou menos;

. Apenas três já foram campeões do Brasileirão ou da Libertadores, todos entre os quatro mais velhos.

Entrevista: Após renovação, Fernando Prass declara que pretende encerrar a carreira no Palmeiras
O que exigir do Brasil nas Eliminatórias

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.


Entre em contato com o Autor

5 respostas para “Doriva no São Paulo e a consolidação da “Era Tite””

  1. Também acho que o Doriva é uma boa aposta, embora entenda como algo pasmoso ele estar comandando a sua TERCEIRA equipe no campeonato. Alguma coisa definitivamente está errada. Quanto ao Tite, novamente concordo com o colunista. Ele é sim a grande estrela desse Brasileirão e o MAIOR responsável pelo provável título corintiano. Sim, a fatia dele será maior que a de Jadson (o melhor jogador do torneio), Gil, Elias e Renato Augusto, em se confirmando a conquista. 😉 Está aberta a “Era Tite”, disparado o melhor treinador brasileiro da atualidade.

  2. E se ele feis o que feis com um eleco do ituano imagina o que ele não fais com o do são paulo

  3. Muito bom o levantamento, Caio!

    Eu acho essas mudanças muito positivas! Além dos salários terem sido mais adequados à realidade, os novos técnicos têm um perfil mais trabalhador e mesmo ofensivo. Sempre destaco que quase todos os times atualmente jogam com dois meias de verdade (e não segundo volante colocado como terceiro homem), trabalham mais as triangulações, etc.

    É o tipo de mudança silenciosa que o pessoal que adora ficar dizendo que “nada mudou depois dos 7 x 1” não nota 😉

  4. Eduardo Prado disse:

    Doriva chegando no são paulo


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados