Duelos de mata-mata e clássicos viram “karma” para o Corinthians em Itaquera

Créditos da imagem: Ari Ferreira/Lancepress!

É inegável a força do Corinthians em sua arena. Em 45 jogos desde a inauguração em 2014, foram 32 vitórias, nove empates e apenas quatro derrotas. O aproveitamento é de 77,8% dos pontos disputados. Jogar em casa tem sido fundamental para o time comandado por Tite ser o atual líder do Campeonato Brasileiro. O Timão é o melhor mandante da competição. Dentro de seu estádio, em dez partidas, venceu nove e só perdeu uma. O problema tem sido os clássicos e, principalmente, os confrontos de mata-mata disputados em Itaquera. A eliminação da Copa do Brasil para o Santos foi a terceira em 2015 dentro de casa e o quarto duelo seguido sem vitória contra arquirrivais.

Só duas vezes em que decidiu em casa um confronto de mata-mata, o Corinthians se deu bem. O primeiro foi nas oitavas-de-final da Copa do Brasil do ano passado, quando derrotou o Bragantino por 3 a 1, revertendo a vantagem do adversário, que havia vencido a primeira partida por 1 a 0. A outra vez foi nas quartas-de-final do Campeonato Paulista nesta temporada, numa partida polêmica. A vitória por 1 a 0 sobre a Ponte Preta ficou marcada por um gol mal anulado anotado pela Macaca. Depois disso, três fracassos. Primeiro, foi eliminado nos pênaltis pelo Palmeiras do Estadual após o empate por 2 a 2 no tempo normal. Dias depois, veio a queda para o modesto Guaraní, do Paraguai, na Libertadores, e agora a eliminação diante do Peixe na Copa do Brasil.

Tem a ver com os maus resultados, os desempenhos ruins que o Corinthians teve tanto contra o Guaraní quanto contra o Santos nos jogos de ida, como visitante. É sempre complicado virar um placar de 2 a 0 como aconteceu nas duas oportunidades. O detalhe é que também contribuiu para as eliminações a prioridade dada a outras competições em detrimento às que estavam sendo disputadas. Foi assim contra o Palmeiras, no Paulista, quando Tite deixou no banco Elias e Renato Augusto para poupá-los para a Libertadores. Na época, o treinador foi muito criticado pela atitude, principalmente depois que o Timão caiu na competição sul-americana. E vai acontecer de novo depois da queda na Copa do Brasil caso a equipe não conquiste o Campeonato Brasileiro. No segundo jogo contra o Peixe, Tite preferiu deixar no banco Elias e Fágner, surpreendendo os mais de 37 mil torcedores presentes no Itaquerão.

Além dos mal sucedidos confrontos de mata-mata decididos em casa, outro karma na vida do Corinthians em Itaquera tem sido os clássicos. Depois de vencer os três duelos contra os rivais disputados em 2014 no novo estádio, o desempenho despencou em 2015. Em cinco jogos, a equipe de Tite só conseguiu uma vitória, contra o São Paulo, em fevereiro, pela Libertadores. De lá para cá, já são quatro clássicos sem vitória. No Paulista, empatou em 1 a 1 com o Santos e depois em 2 a 2 com o Palmeiras no jogo em que foi eliminado do Estadual. No Brasileiro, perdeu para o Verdão por 2 a 0 na única derrota sofrida em casa na competição. E na Copa do Brasil, foi eliminado ao cair por 2 a 1 diante do Santos. Para ser campeão brasileiro, será preciso manter o excelente aproveitamento dentro de casa. Qualquer tropeço na Arena pode atrapalhar os planos alvinegros. E para isso, vai ser preciso melhorar o desempenho nos clássicos. No segundo turno, tanto Santos quanto São Paulo irão a Itaquera dispostos a ampliar o jejum de vitórias do Timão dentro de casa contra arquirrivais.

7 comentários em: “Duelos de mata-mata e clássicos viram “karma” para o Corinthians em Itaquera

Deixe sua opinião e colabore na discussão