É Muricy?

Créditos da imagem: Leonardo Soares/Folhapress

Hoje à noite tem duelo decisivo para o São Paulo, frente ao time do Papa, o San Lorenzo, pela Libertadores.

Ao pensar nesse jogo e na crise que ameaça se instalar de vez pelos lados do Morumbi, acabei por refletir sobre a carreira do técnico tricolor Muricy Ramalho.

Antes da análise, penso ser prudente que se separe o homem do técnico, embora entenda que as características – as boas e as ruins – enquanto ser humano, inevitavelmente acabam por impactar no seu desempenho profissional.

Acho importante essa consideração, pois não foram poucas as vezes que tive a sensação da ocorrência de análises críticas de profissionais do esporte (inclusive de gente boa, por quem nutro respeito e admiração) aparentemente influenciadas por antipatias de cunho pessoal.

Voltando ao Muricy, embora reconheça o seu currículo vencedor (passagens com títulos por São Paulo, Santos, Fluminense, Internacional, São Caetano etc), tenho algumas ressalvas que gostaria de elencar.

A primeira: tido como um sujeito autêntico, avesso ao marketing, o treinador são-paulino não parece gostar de vender a ideia do “aqui é trabalho, meu filho”? Posso estar equivocado, mas o seu jeito bronco, assertivo e muitas vezes simplista me parece sempre oportuno e com uma pitadinha teatral, como se quisesse fazer parecer com o “Mestre Telê”.

Outra: muitos lembrarão que quando saiu do Palmeiras, houve críticas quanto ao seu trabalho de campo, de que fazia poucos treinos técnicos e não passava noções táticas aos jogadores. E o mesmo se viu e ouviu quando da sua demissão no Santos.

E, convenhamos que o futebol (ou a falta dele) das equipes por ele treinadas, inclusive as campeãs, parecem dar razão a essas constatações. Embora organizadas, ficam marcadas pela pouca criatividade, pelo jogo “amarrado”, com jogadores mecanizados e futebol pobre!

Vejo como emblemático o baile do Barcelona de Guardiola no Santos de Muricy, na final do Mundial Interclubes de 2011. Embora difícil imaginar uma vitória sobre o espetacular time espanhol naquela oportunidade, mais difícil ainda é imaginar uma derrota vexatória como aquela (4 x 0) caso o Santos estivesse sob o comando, por exemplo, do Tite (hoje, com sobras, o melhor técnico do país). A passividade do Muricy em terras japonesas chocou. E olha que o time tinha Neymar, Ganso, Arouca, Rafael, Danilo e cia, não era, pois, um “catado” qualquer.

Refletindo, confesso minha pulga atrás da orelha quando ouço falar em “ah, o futebol de hoje é rápido e muito tático”, ou coisa do tipo. Afinal, a seleção brasileira de 70 também não era? E a laranja mecânica? Mas, em última análise, chego à conclusão que o futebol está sim muito mudado e cada vez mais carrego a convicção de que treinadores que trazem consigo como principais qualidades a sua liderança e o seu comando (o que não é pouco, Felipão chegou a ganhar uma Copa do Mundo assim), precisam se mexer, pois a necessidade de excelência nos aspectos físicos e táticos estão a cada dia – e partida – mais evidenciados.

Que a autocrítica e a humildade estejam sempre presentes.

E segue o jogo.

2 comentários em: “É Muricy?

  1. Nunca gostei do “Estilo Muricy” rabugento, fingindo ser o “maior trabalhador do mundo”, mal humorado. Trata-se de um técnico que deu muita sorte na vida profissional (a sorte é de fato, um componente muito importante para qualquer profissional, para todo ser humano), pois não se atualiza, não possui noção tática e detesta jogadores jovens que não sejam Medalhões Consagrados. Eu estive no Japão para assistir o Glorioso Santos F.C. e NUNCA imaginei sentir a raiva que senti de um treinador incompetente, superado, até mesmo inconsequente pela forma que o Santos jogou contra o Barcelona. Dei Graças a DEUS quando ele foi DEMITIDO e desejo que fique MUITO TEMPO no São Paulo F.C., pois assim o Tricolor ficará de fora da disputa dos principais Campeonatos.

  2. Vicente, eu achava que o Muricy fazia trabalhos muitos bons até o São Paulo de 2007! Depois disso, acho que ficou muito acostumado a montar equipes que se defendiam bem, apostavam na ligação direta e faziam um gol de bola parada (o que começaram a chamar de Muricybol).

    Realmente, a partida contra o Barcelona foi um marco! Tirar o Elano (que na época não vinha mal) e colocar o time com três zagueiros, contra uma equipe sem centroavante fixo, foi um horror! Fora a surpresa do time quando o Barcelona batia escanteios curtos, sem jogar a bola direto pra área, coisa que qualquer pessoa que acompanhasse as partidas do time catalão saberia.

    Depois disso, ele resolveu apostar na posse de bola, mas ela ainda é muito devagar, sem movimentação dos jogadores, sem ousadia.

    Também não gosto dos últimos trabalhos dele, mas admiro que ele esteja tentando mudar. Só que precisa dar resultado, né!

Deixe sua opinião e colabore na discussão