W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

E se nunca tivéssemos tido pontos corridos?

Quadro

Créditos da imagem: "Homens jogando dados", de Giuseppe Recco. Coleção do Conselho Municipal de Abingdon, Reino Unido.

A imprensa esportiva vem nos informando já há algum tempo que a maioria dos clubes da primeira divisão quer acabar com os pontos corridos. Existem dois argumentos centrais pelo fim deste sistema: não há emoção e não há público. O segundo seria uma consequência do primeiro. Eu tendo a concordar que muitas vezes no campeonato de pontos corridos falta emoção na disputa pelo título, que não é a única disputa do campeonato. O argumento de que os pontos corridos geram públicos menores é mais controverso, e pretendo falar deste assunto em alguma coluna em breve. Aqui só farei um exercício de imaginação.

Aparentemente, dentre as inúmeras fórmulas que brotaram, a que é mais popular entre os clubes é uma do Grêmio. Nela, os quatro primeiros colocados dos pontos corridos iriam para a fase de mata-mata. Então me lancei a pergunta, e se esta fórmula já existisse desde 2003? Obviamente, não é possível saber quais seriam os resultados. Fiz, então, uma simulação. Considerei que os resultados da fase de todos contra todos seriam os mesmos da fase de mata-mata. É claro que de maneira nenhuma isto é uma previsão exata do que aconteceria. Mas, considerando-se todos os anos disputados, serve como uma interessante simulação para entender os efeitos deste tipo de disputa. E é divertido. Ao time de melhor campanha foi dada a vantagem no caso de igualdade de gols.

Então, o que aconteceria neste universo paralelo?

A primeira coisa a se notar é que, não surpreendentemente, ser primeiro nos pontos corridos está longe de garantir título no mata-mata. Em apenas 5 dos 12 anos (41,7%), o campeão seria o líder dos pontos corridos. E não pense você que foram aquelas equipes que terminaram na liderança com vários pontos de vantagem. Nem o Cruzeiro de 2003, nem o Cruzeiro de 2014, nem o São Paulo de 2006 e nem o São Paulo de 2007 teriam ganhado o título. Apenas o Cruzeiro de 2013 teria confirmado sua ampla superioridade com uma vitória no mata-mata.

Como alguém poderia imaginar, o mata-mata causaria uma maior pulverização de campeões. Se os pontos corridos em seus 12 anos geraram seis campeões diferentes, o mata-mata nestes mesmos 12 anos teria gerado oito campeões diferentes. Inclusive equipes sedentas de títulos brasileiros, como São Caetano (teria sido campeão em 2003), Palmeiras (2004) e Atlético Mineiro (2012). O Cruzeiro seria a equipe mais prejudicada, só teria um título em vez de três. E o Flamengo estaria agora sofrendo um jejum de 23 anos sem título brasileiro.

A maior pulverização em termos de campeões, no entanto, não resultaria numa maior pulverização geográfica. Assim como nos pontos corridos, teríamos apenas campeões dos três maiores estados do sudeste. Ou seja, não é a abolição dos pontos corridos que vai fazer que tenhamos clubes de estados alternativos como Vitória, Sport ou Goiás ganhando títulos. De fato, primeiro é preciso ficar entre os quatro primeiros. E nestes 13 anos somente em três ocasiões equipes de fora do eixo RS-SP-RJ-MG  conseguiram isto: Atlético PR (2004 e 2013) e Goiás (2005).

Esta simulação levanta algumas questões interessantes. Por exemplo, a falta de emoção na disputa por títulos provoca chamados pelo fim dos pontos corridos. Mas, uma vez estabelecido o mata-mata, uma clara sensação de injustiça poderia provocar pedidos no sentido inverso. A  hipótese de um time terminar os pontos corridos mais de 10 pontos na frente do segundo e pôr tudo a perder por causa de dois jogos é um tanto perturbadora. Tudo bem, na Libertadores, na Copa do Brasil, na Copa do Mundo, tampouco há garantias de que o melhor vença. Mas a diferença é que nestas competições a melhor equipe não é exposta de forma tão óbvia, para todos verem, como ocorre nos pontos corridos. E então não há tamanha sensação de injustiça.

Eis quais seriam os campeões, com a posição em que ficaram nos pontos corridos entre parênteses:

2003: São Caetano (4)

2004: Palmeiras (4)

2005: Corinthians (1)

2006: Santos (4)

2007: Fluminense (4)

2008: São Paulo (1)

2009: São Paulo (3)

2010: Fluminense (1)

2011: Corinthians (1)

2012: Atlético Mineiro (2)

2013: Cruzeiro (1)

2014: Corinthians (4)

“Contratação de peso” ou um “peso” para o clube?
Campeonato Brasileiro 2015: as chances de cada time

Escrito por:

- possui 5 artigos no No Ângulo.

Estátistico de Belo Horizonte, obcecado por estatísticas. É uma daquelas estranhas pessoas que sentem prazer assistindo um jogo entre Jordânia e Honduras.

Entre em contato com o Autor

6 respostas para “E se nunca tivéssemos tido pontos corridos?”

  1. Muito legal ver quem teriam sido os campeões! =D

  2. Timão campeão 2014 hahaha

  3. São caetano seria campeão tambem

  4. E se os pontos corridos tivessem sido implementados desde a reformulação do campeonato nacional na década de 70, os maiores campões seriam os clubes mineiros.

  5. Caio Bellandi disse:

    ahahahah mero exercício de imaginação. Mas de qualquer forma, interessante. Acho a fórmula proposta pelo Grêmio bacana.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados