W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

E viva o amadorismo do Paulistão!

marcopolo

Créditos da imagem: futebolinterior.com.br

Realmente está cada vez mais difícil de defender a manutenção do Campeonato Paulista, embora muitas sejam as memórias e as boas recordações.

Se procurarmos bem, não vamos encontrar tanta incompetência em regulamentos de futebol, nem mesmo nos campeonatos amadores.

O que mais impressiona e assusta é a aprovação e complacência dos clubes. Ou seja, os comandantes do futebol, os representantes de milhões e milhões de torcedores, também são responsáveis por tamanha insensatez.

Encerrada a exaustiva fase classificatória, analisemos um pouco das barbaridades ocorridas nesta edição:

1) O XV de Piracicaba conseguiu a classificação na última rodada, mesmo tendo ficado na pontuação geral atrás de cinco times que foram desclassificados do torneio: Audax, São Bento, Mogi Mirim, Ituano e São Bernardo;

2) A Penapolense entrou na última rodada entre o céu e o inferno. A equipe poderia estar classificada no lugar do XV de Piracicaba. Para tanto, dependia de uma simples vitória sobre o São Bento, porém, com a derrota por 1 x 0 em casa, acabou rebaixada para a Série A2;

3) A Federação e os representantes dos clubes aprovaram o item que previa o confronto entre os dois melhores de cada grupo nas quartas-de-final. Com isso, a equipe do Corinthians, de melhor pontuação e primeira colocada da fase de classificação, recebeu como “prêmio” enfrentar a Ponte Preta, time da Série A do Brasileirão e quinto lugar da classificação geral, tendo vencido Santos e Palmeiras, dois dos três grandes que enfrentou;

4) Segundo o regulamento, dos três times grandes da Capital, o pior classificado não poderia jogar o duelo das quartas-de-final em seu estádio. Então qual seria mesmo a vantagem obtida por ele? Menos mal que a Federação acabou respeitando o mando dos clubes e Corinthians, São Paulo e Palmeiras poderão jogar efetivamente “em casa”;

5) Inscrição de no máximo 28 atletas no campeonato, fazendo com que a chance dos clubes efetivarem os seus “meninos da base” caia por terra. De se lamentar, ainda mais se considerarmos que o torneio começa logo após a maior competição de futebol junior do país, a Copa São Paulo. O que, em uma sequência lógica e visão “macro”, acaba por impedir ou pelo menos atrasar o surgimento de eventuais novos talentos no futebol brasileiro;

6) A aparição dos técnicos nas redes sociais e imprensa expondo a indignação com o regulamento. Ou seja, os representantes dos clubes, antes mesmo de aprovarem “as regras do jogo”, sequer pedem as opiniões dos técnicos e dos jogadores, ou seja, aqueles que realmente “entendem” e “vivem” o futebol.

A cada ano tudo fica mais difícil de entender. Será que dá pra sempre ficar colocando tudo na “conta” dos interesses da televisão?

E a incompetência dos nossos dirigentes? A quem esse “jogo” tão mal resolvido convém e beneficia?

E viva o amadorismo do Paulistão!

Pela quinta vez em dez anos, deu Botafogo!
Valdívia e Guerrero: Você renovaria?

Escrito por:

- possui 38 artigos no No Ângulo.

Administrador de empresas em São Paulo, é também jogador nas horas vagas. Amante da redonda, acredita no poder do futebol em agregar as pessoas, aproximar os amigos e unir a família. Com ele, a resenha está garantida.


Entre em contato com o Autor

2 respostas para “E viva o amadorismo do Paulistão!”

  1. Alexandre disse:

    De fato, fica fácil colocar toda a culpa na Globo e não olhar para o próprio rabo. Bando de mafiosos!

  2. isso é pra pagar lingua!! viviam falando mal do carioca


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados