Final da Copa do Brasil: tudo diferente no duelo entre o faminto e o poderoso

Créditos da imagem: Montagem / No Ângulo

A final da Copa do Brasil entre Atlético Mineiro e Grêmio tem tudo para ser de arrepiar: alguns dos jogadores mais talentosos do país, grandes torcidas, belos estádios, times vibrantes e 100% focados na disputa.

Mas apesar desses pontos em comum, os dois clubes vivem situações bem opostas. O Galo vem sendo o time mais copeiro do Brasil nos últimos anos. Foi o último brasileiro a conquistar a Libertadores, em 2013, e no ano seguinte conquistou a Copa do Brasil de maneira simplesmente antológica.

Já o “Imortal Tricolor”, ainda que tradicionalmente seja a equipe com a maior aura copeira do nosso futebol, amarga uma seca de títulos já muito incômoda: não ganha nada de peso desde 2001, há distantes 15 anos. Entre os “12 Grandes”, só o Botafogo amarga jejum maior. Não bastasse isso, viu outros clubes, como Atlético Paranaense, Sport, e surreais Santo André e Paulista de Jundiaí celebrarem conquistas nacionais. Para completar, o rival Inter renasceu e ganhou quase tudo, incluindo duas Libertadores e um Mundial contra o Barcelona.

Enquanto o Atlético se habituou aos craques badalados desde que reencontrou seu gigantismo, em 2012, e agora ostenta Robinho (provavelmente o melhor e “maior” jogador do país na atualidade), Lucas Pratto e Fred (que não pode jogar a Copa do Brasil por já ter atuado pelo Fluminense), o Grêmio não conta com nenhum “medalhão” desse quilate. Até mesmo a tradição do tricolor gaúcho é a de recuperar “refugos”, e seu time atual é uma mistura disso com jovens ou promissores que se afirmaram lá mesmo, como Geromel, Walace e Luan.

O bom é que além dos já citados e badalados jogadores, esse confronto reúne ainda outros talentos que não são tão reconhecidos, ou estão em afirmação, como Cazares, Luan e Maicosuel (que me agrada muito) pelo lado alvinegro, e Douglas, o raro maestro gremista. Isso para não falar dos excelentes goleiros, de Rafael Carioca…

No banco está outra diferença: Marcelo Oliveira, apesar de muito contestado, é um papa-títulos que se consolidou entre os principais treinadores brasileiros. Já Renato Gaúcho é perseguido pela imprensa e normalmente visto apenas como uma solução tampão (do que eu discordo). O ponto forte de cada time também é oposto: do Galo, é o ataque; do Grêmio, a defesa.

Felizmente a palhaçada feita pelo STJD na semana passada não foi adiante e veremos a final nesses lindos estádios, lotados por suas apaixonadas torcidas. E eu, pessoalmente, fico feliz por ser mais uma conquista nacional fora do Eixo Rio-São Paulo (ainda que se possa argumentar que, desde 2013, o eixo esteja mais “Minas-São Paulo”). De qualquer modo, a conquista será boa para “descentralizar” o nosso futebol: apesar do sucesso recente, o Atlético ainda precisa de mais títulos, enquanto o Rio Grande do Sul não conquista um título nacional desde a longínqua e já mencionada Copa do Brasil de 2001.

Aproveito para dar os parabéns à Rede Globo por transmitir esta final para todo o país, após já ter feito o mesmo na partida de volta das semifinais (também entre mineiros e gaúchos, ou seja, sem seus “campeões de audiência”). Na verdade isso deveria não ser nada mais do que a obrigação, mas depois de vezes em que deixou de transmitir até final de Libertadores com time brasileiro para toda a rede, é um avanço que agora ela esteja valorizando o produto e oferecendo-o de Norte a Sul. Vamos torcer para que a audiência seja boa e não seja um “sacrifício” para a emissora transmitir uma grandiosa final para todas as praças.

Palpite? Para o jogo de hoje eu não tenho, mas para a taça, algo me diz que a “fome” do Grêmio vai pesar mais, e o jejum de títulos chegará ao fim.

7 comentários em: “Final da Copa do Brasil: tudo diferente no duelo entre o faminto e o poderoso

  1. Cara o Time De Peso Do Atlético Mineiro Seria.
    Vitor(Goleiro)
    Leonardo Silva e Frickson Erazo(Zagueiros)
    Marcos Rocha(Lateral Direito)
    Fabio Santos(Lateral Esquerdo)
    L.Donizetti e Junior Urso(Volantes)
    Luan (Ponta Direita)
    Robinho(Ponta Esquerda)
    Romulo Otero(Meia-Atacante)
    Lucas Pratto( Atacante)
    Seria Um 4-2-3-1 Fabuloso……

Deixe sua opinião e colabore na discussão