W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Fred pode ser o maior nome da história do Fluminense. E isso deve ser exaltado

fred-fluminense-goias

Créditos da imagem: Fluminense/Divulgação

Os torcedores rivais zoam que o Tricolor das Laranjeiras não tem ídolo. A lógica, na verdade, é invertida: ao contrário de Flamengo com Zico, Vasco com Roberto Dinamite e Botafogo com Garrincha, o Fluminense não tem somente um rosto como figura mais emblemática. São vários os jogadores que passaram pela Rua Pinheiro Machado e se colocaram na posição, desde Marcos Carneiro de Mendonça até Romerito, passando por Castilho, Rivellino e Assis.

Mas essa história pode ter começado a mudar em março de 2009. A chegada de Fred foi bem festejada, afinal, era a contratação de um atacante de ponta, com atuação em Copa do Mundo, passagem pela Europa e excelente começo de carreira no Cruzeiro. Contudo, era impossível prever que o centroavante faria os gols e daria os títulos que deu ao Fluminense. O artilheiro anotou até agora 160 tentos que ajudaram o Fluminense a ganhar duas taças do Brasileirão e uma do Carioca. Sem contar o vice da Copa Sul-Americana e a arrancada heroica contra o rebaixamento de 2009. Fred ainda foi duas vezes artilheiro do estadual e também duas do Brasileirão.

Isso diz muito sobre a relação do atacante com o time. Mas não diz tudo. Idolatria vai muito além disso. Para ser ídolo de milhões de pessoas, não basta ser artilheiro e conquistar títulos, muitas vezes, esses prêmios são apenas acessórios. O principal é a identificação, a personalidade, a dedicação. E isso sobra na relação Flu-Fred.

O mineiro se sente em casa no Rio de Janeiro e seu habitat natural é a zona sul da cidade. O atacante circula na vizinhança do nobre endereço do Tricolor como se quem fosse criado lá. Antes bon vivant, Fred tornou-se um autêntico carioca e com a cara do Fluminense, como um daqueles craques boêmios do começo do século 20, que frequentavam o Copacabana Palace e as festas da high society.  Agora um convertido, ainda assim Fred tem a alma de um malandro na pose de um fidalgo. Como o Fluminense.

Se muitas vezes o atacante é contestado por suas inúmeras lesões (principalmente nos primeiros momentos de clube), por outro lado não foram poucas as ocasiões em que o ídolo tirou o time do desafogo. Quando sua saúde muscular deixa, Fred não foge da raia e se mostra decisivo. Em campo, junto com a qualidade técnica, não faltam esforço e dedicação. E a torcida sabe. Fred é a personificação do torcedor tricolor, vestido como guerreiro com a bandeira em punho e o pó de arroz como pintura para a batalha que virá.

Na eliminação da última quarta-feira, em São Paulo, o atacante mostrou seu poder de fogo e sua estrela ao fazer o gol que quase deu a classificação ao Fluminense nos pênaltis. E chorou. Chorou porque viu recompensada sua força de vontade em jogar mesmo lesionado, o que antes parecia impensável para os críticos e maledicentes que colocaram em Fred a pecha de “pipoqueiro”, “chinelinho” ou “bichado”.

Não dá para dizer se Fred será a cara do Fluminense como Zico, Dinamite e Garrincha são dos rivais. É impossível mensurar se será ele o grande ídolo da história imensa do clube. Só o tempo poderá dizer. Mas é certo que o capítulo escrito pelo atacante no livro tricolor é dos mais bonitos, colocando-o como um dos eternizados na galeria dos grandes nomes das Laranjeiras.  E isto deve ser apreciado não só pelos torcedores do clube, mas por qualquer fã do futebol, mais do que nunca. Porque é algo cada vez mais raro de se ver. Sorte desta geração de torcedores “das três cores que traduzem tradição”. Estão vendo a história sendo feita.

Os presentes que ganhei de Pelé - Parte III
Palpites da 33ª rodada do Brasileirão 2015

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.

Entre em contato com o Autor

23 respostas para “Fred pode ser o maior nome da história do Fluminense. E isso deve ser exaltado”

  1. Concordo inteiramente, Caio! Hoje o Fred é o meu favorito a maior nome da história do clube: jogou duas Copas do Mundo, uma como titular (e quando atuava pelo Fluminense), tem tudo para passar dos 200 gols e se tornar o segundo maior artilheiro da história do clube, tem, dois títulos brasileiros… acho que reúne tudo!

  2. ele ja é maior ídolo do fluminense na minha opinião

  3. Coitado do fluminense

  4. Henryk Raskovisch Andrey Andrade

  5. E nessas horas que lembramos do ODVAN e vemos como e pequeno o tal do Fluminense kkkkkkk

  6. 2 Brasileiros, foi artilheiro e 2° melhor jogador de uma copa das confederações atuando pelo Fluminense, uma copa do mundo de titular ainda pelo Flu e quase 200 gols. Se não é ainda o maior, certamente já e um dos maiores nomes da história do clube.

  7. Joga muita bola!
    Modas acho que o futebol do Fred se resume a Copa de 2014 rs

  8. Castilho,Pinheiro, tele Santana, dom Romero, casal 20…..sem dúvida nenhuma o fred é o maior ídolo da história RECENTE do fluminense, mas não podemos esquecer dos ídolos do passado.

  9. Adilso Rauber disse:

    Nunnnkkkkkk.,….kkkk

  10. Adilso Rauber disse:

    Fred…mais…conhecidoo..o….poste…kkkk

  11. Miguel Nasseh disse:

    Quem vai ser maior que o Fred na história do Fluminense ????? Juliana Veloso ??

  1. […] desentendimento entre o artilheiro Fred e o técnico Levir Culpi escancara novamente um tipo de relação bastante frequente nos clubes de […]

  2. […] – Fred pode ser o maior nome da história do Fluminense. E isso deve ser exaltado […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados