W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Gallo de briga?

gallo espn

Créditos da imagem: espn.uol.com.br

Chamou a atenção a última convocação da seleção brasileira para o Mundial sub-20. Infelizmente, mais pelas ausências de potenciais estrelas do nosso futebol do que pelos nomes convocados.

Gerson, a grande promessa do Fluminense; Gabriel (o Gabigol), até pouco tempo atrás a grande aposta do Santos à sucessão de Robinho e Neymar (hoje, o talentoso Geuvânio parece ter-lhe roubado o posto), e Malcom, o cobiçado atacante do Corinthians, não figuraram na lista feita pelo técnico Alexandre Gallo.

Com fama de disciplinador, Gallo estaria incomodado com o “estrelismo” de determinados jogadores do elenco. Segundo o programa Redação Sportv, na figura do seu apresentador, o jornalista André Rizek, Gerson, durante a fraca participação do Brasil no último campeonato Sul-Americano, teria dito que não gostaria de ir ao Mundial que será realizado na Nova Zelândia. Ainda, na véspera da convocação, não teria atendido aos telefonemas do técnico e sequer retornado os seus contatos, razão pela qual teria ficado fora dos planos.

Gabigol, além do fraco desempenho dentro de campo durante o torneio Sul-Americano – quando amargou a reserva na maioria dos jogos -, não contaria com a simpatia do técnico, muito em razão de um suposto jeito “arrogante” e pela pouca vontade de aprender a jogar um futebol coletivo e combativo. Por ser tratado como uma estrela desde as categorias menores, o atacante seria mimado e mal acostumado com as regalias que usufrui no Santos. Ao que parece, Enderson Moreira (ex-treinador de Gabriel na equipe santista e que foi demitido após fazer uma crítica pública ao jogador) tinha lá sua razão. Malcom, em proporções menores, e, por também ter feito um Sul-Americano abaixo da crítica, também dançou.

Embora compreenda as razões de Gallo (e ninguém melhor do que ele pra saber como os jogadores são e se comportam no dia a dia) e inclusive apoie a sua decisão de excluir os atletas do Mundial, pretensiosamente faria um apelo para que essas ausências sirvam como uma tentativa bem intencionada de sacudir esses meninos e atraí-los para o caminho do profissionalismo e consequente crescimento enquanto cidadãos.

Que o técnico tenha a sensibilidade de perceber que, ao menos em tese, ele é a pessoa experiente dessa relação técnico-jogador e a ele compete estender as mãos aos nossos maiores talentos e evitar que se percam pelo caminho. Que clubes, empresários, amigos e familiares dos nossos candidatos a craques tenham sabedoria e ajudem a “enquadrar” esses meninos.

Entendo que um líder deve saber a hora de bater, mas, também a de assoprar. Que os excluídos da lista do Mundial não sejam “bodes expiatórios” do recente fracasso do futebol brasileiro (e aqui me refiro a um contexto amplo) e que vejamos um técnico espiritualmente grande e não um “Gallo de briga”.

Que o sofrimento de hoje seja um aprendizado para amanhã. E que todos caminhemos juntos para reerguer esse esporte que é um patrimônio da nossa nação.

E segue o jogo.

Botafogo e Vasco, último ato: a superação contra o respeito
O que os estaduais significavam para os 12 grandes em 2015

Escrito por:

- possui 223 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Entre em contato com o Autor

2 respostas para “Gallo de briga?”

  1. Levy Vieira disse:

    Ai esta um exemplo d falta d Educaçao no Brazil

  2. Caio Bellandi disse:

    Sou bem pessimista com o futuro do futebol brasileiro. Essa garotada aí tem uma marra que esconde até o talento…


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados