W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

“Gestor de elencos”, Eduardo Baptista chega para dar equilíbrio ao Fluminense

baptista3

Créditos da imagem: JC Imagem

Desde o rompimento com a Unimed, o Fluminense buscou se adequar a uma nova realidade: a aposta em jovens promessas vindas de Xerém. No entanto, com a parte financeira do clube se organizando, não demorou para que algumas novas apostas financeiramente ousadas – e até irresponsáveis – surgissem: Ronaldinho, Osvaldo e a volta de Cícero.

Tudo pela busca do equilíbrio entre base e “medalhões”. Pensando nisso, a diretoria tricolor tentou traçar um perfil ideal para o encarregado em comandar a equipe, alguém que tivesse sensibilidade para lidar com os jovens.

Iniciou o projeto com Cristóvão Borges, remanescente de 2014, o que não deu certo. Ricardo Drubscky assumiu, mas sofreu com a pouca experiência em times grandes e logo saiu. Enderson Moreira o substituiu em maio e teve um início promissor, chegando a posicionar o time no G4, quando alguns meninos da base como Gustavo Scarpa, Gerson e Marcos Júnior obtiveram algum destaque.

Todavia, o último técnico tricolor nunca se destacou por ser bom gestor de elencos (vez que saiu com a imagem “arranhada” de Grêmio, Santos e Atlético-PR) e parece ser vítima de sua forte personalidade.

Novamente – agora pelo Flu -, parece ter perdido o “vestiário” e desceu ladeira abaixo na tabela. Agora em 11º lugar, a cúpula do Fluminense tenta recomeçar um projeto que chegou a dar sinais de êxito.

Eduardo Baptista chega respaldado por um excelente trabalho no Sport para ser o quarto técnico do time carioca no ano. Sem dúvida, uma das revelações do mercado de técnicos emergentes do nosso futebol. Estudioso, bom teórico, conhecedor de táticas. O treinador é, inclusive, conhecido por saber lidar bem com a transição dos jovens da base para o profissional, além de “recuperar” o futebol de jogadores em baixa.

Entretanto, cautela é preciso. Eduardo chega para controlar um elenco recheado de estrelas e de atletas convictos do que querem. Este que vos escreve prefere não polemizar sobre quaisquer eventuais intrigas entre os jogadores e os últimos comandantes do clube que possam ter existido, mas conhecedores que somos desse “meio do futebol”, sabemos que tudo é possível. E onde há fumaça…

O técnico “gestor de grupos” tem que surgir para controlar uma possível disputa de egos. Além disso, a necessidade de recuperar o encaixe de um dos times mais competitivos do primeiro turno da competição.

Eduardo sabe como fazer isso. Suas filosofias e conceitos giram em torno de que o conjunto deve prevalecer antes da individualidade. Claro que este último artifício não pode (nem deve) deixar de fazer parte do jogo e do esporte em si, mas para isso existe o equilíbrio – algo notório no Sport de 2014-15.

De maneira que alguns conceitos podem ser esperados nesse “novo” Fluminense com o passar do tempo, à medida que seu novo comandante for dando sua cara à equipe: compactação e transição rápida, volantes que sabem sair para o jogo, além de presença e efetividade pelos lados do campo. Um time que se adeque às fases do jogo.

Como exemplo das duas filosofias citadas, no frame nota-se a compactação em duas linhas de quatro do Sport, e a saída de bola de Rithely com o time bem distribuído. (Foto: Montagem – Adriano Motta / Reprodução: SporTV/Leonardo Miranda).

Como exemplo das duas filosofias citadas, no frame nota-se a compactação em duas linhas de quatro do Sport, e a saída de bola de Rithely com o time bem distribuído. (Foto: Montagem – Adriano Motta / Reprodução: SporTV/Leonardo Miranda).

Mas, obviamente, Eduardo terá a missão que seu antecessor não conseguiu cumprir: encaixar Ronaldinho e Fred no time; algo complicado e já previsto pelo No Ângulo, em coluna anterior. Todavia, independentemente da presença dos dois medalhões em campo, o 4-2-3-1 deve ser mantido. E Osvaldo deve ser mais aproveitado, já que é a opção de velocidade mais experiente, além de ser um atleta talentoso, com grande potencial técnico.

Eventual time base do Fluminense para a sequência do Campeonato.

Eventual time base do Fluminense para a sequência do Campeonato.

Que Eduardo Baptista – mais uma boa aposta da nova geração – tenha sorte em sua nova jornada e confirme todas as expectativas que giram em torno de seu trabalho.

Verdades que são grandes mentiras
Palpites da 27ª rodada do Brasileirão 2015

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.

Entre em contato com o Autor

Um comentário para ““Gestor de elencos”, Eduardo Baptista chega para dar equilíbrio ao Fluminense”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Concordo que é uma excelente aposta, boto fé no discípulo do Nelsinho! =D


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados