W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Liga Sul-Minas-Rio mostra que é hora de romper com a atual estrutura do futebol brasileiro

img-20150910-wa00021

Créditos da imagem: Bastidores FC / GloboEsporte.com

Você pode concordar ou não com a criação da Liga Sul-Minas-Rio, que foi lançada na última quinta-feira e pretende montar seu primeiro campeonato já em 2016, mas o surgimento da associação que reúne clubes de estados importantes como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina é mais uma prova da insatisfação geral contra o atual modelo do futebol brasileiro. Os longos, empobrecidos e deficitários estaduais não agradam mais. É preciso romper com o atual sistema. Há dois anos, na época do lançamento do Bom Senso, as estrelas do espetáculo, os jogadores, reivindicavam mudanças no calendário a fim de reduzir a maratona de jogos, impedir que rodadas dos campeonatos coincidam com partidas da Seleção Brasileira, tornar as competições mais atrativas e ter tempo suficiente para fazer uma adequada pré-temporada.

De tudo isso, a CBF atendeu apenas um dos pedidos. Desde 2014, o período de preparação para a temporada aumentou de duas semanas para um mês. Do restante, nada foi atendido. Os campeonatos estaduais continuam longos e cansativos, com poucos jogos realmente interessantes. E o Campeonato Brasileiro, que deveria ser a cereja do bolo do calendário do nosso futebol, continua jogado no meio da temporada, tendo seu início ofuscado por fases decisivas dos Estaduais e a fase de mata-mata da Libertadores.

A Liga Sul-Minas-Rio segue o exemplo da Copa do Nordeste, que voltou a ser disputada em 2013 e tem sido sucesso de público e renda. Os clubes da região deixam de lado os Estaduais, entrando apenas em suas fases mais decisivas, jogando menos jogos deficitários e dando prioridade à competição regional, muito mais atrativa em termos financeiros e de competição.

Para ter lugar em 2016, a Liga Sul-Minas-Rio terá que negociar com as federações alterações no regulamento dos campeonatos estaduais para que ela não se torne mais um estorvo no já inchado calendário. A Federação Catarinense vai apoiar a iniciativa, enquanto as outras precisam se posicionar a respeito, sendo que a Gaúcha e a Carioca já sinalizaram que a não veem com bons olhos.

Inquestionável, no entanto, é a força com a qual surge a nova liga. Os cinco estados reúnem 12 times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro: Flamengo, Fluminense, Atlético Mineiro, Cruzeiro, Internacional, Grêmio, Atlético Paranaense, Coritiba, Figueirense, Joinville, Chapecoense e Avaí. O número só não é maior porque o Vasco, de Eurico Miranda, não apoia a ideia. Tem tudo para ser o embrião de uma liga nacional como disse o presidente do Cruzeiro, Gilvan Tavares. “É um passo gigantesco. É assim no mundo onde o futebol deu certo como Espanha, Itália, Alemanha e Inglaterra”, disse o dirigente.

Para que isso aconteça, basta juntar os paulistas à ideia e mais Goiás e Sport.

Assim, toda a primeira divisão estaria reunida numa liga nacional, que pode ser a saída para romper com o atual sistema regido pela CBF e pelas federações estaduais.

Pode ser a grande salvação para o futebol brasileiro.

Palpites da 25ª rodada do Brasileirão 2015
A falta que faz Gabriel

Escrito por:

- possui 9 artigos no No Ângulo.

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Entre em contato com o Autor

2 respostas para “Liga Sul-Minas-Rio mostra que é hora de romper com a atual estrutura do futebol brasileiro”

  1. ate que enfim ideias saindo do papel #CBF #VAI #CAIR!

  2. Caio Bellandi disse:

    É um primeiro e importante passo para o rompimento do sistema, como bem lembrado pelo Gavini.

    A verdade é que a Liga poderá (e espero que seja) o embrião da formação da liga de clubes, de verdade. Ainda que o campeonato em si pareça um pouco bizarro do ponto de vista geográfico, é uma importante medida para peitar o poder das federações.

    Como disse, é o primeiro passo. Mas não é o suficiente. Ainda deverão formatar boas competições (não custa lembrar que esses regionais já foram jogados algumas vezes, e bem, não são exatamente bem lembrados), se unirem de forma coesa entre eles, sem clubismo e rivalidade boba, e conseguirem o apoio de outros times, pouco a pouco, para aumentar a força contra a CBF.

    Já passou da hora da CBF tomar conta do seu produto, que é essa seleção, e deixar que os clubes façam os campeonatos, extinguindo ou diminuindo consideravelmente a força dessas federações estaduais retrógradas e politiqueiras.

    Registro, entretanto, o medo por conta do histórico da união dos clubes. Já tentaram algumas vezes e logo cederam às pressões, foram para seus cantos e não deram prosseguimento à iniciativa.

    Esperamos um final diferente.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados