Memórias e sobreviventes

Créditos da imagem: Montagem / No Ângulo

Ao ouvir o radialista Rafael Henzel, sobrevivente do desastre aéreo que vitimou tantos amigos e jogadores da Chapecoense, agradecer a Deus por ter dado a ele uma segunda vida, mergulhei no passado….

Em 1976, nos Jogos Olímpicos de Montreal, não me deram credencial para a competição de ginástica, porque o Brasil não tinha representantes. Como não queria perder a chance de ver as estrelas em ação e ajudar o companheiro Rodolfo Machado a fotografá-las, o jeito foi ir ao no contest dois dias antes do início dos Jogos, no mesmo ginásio onde poucas horas antes, na estação do metrô, havia me encontrado com o jornalista Rodolfo Konder, exilado, que trabalhava na rádio local.

Éramos poucos no imenso ginásio. Uns 15 entendidos do assunto e eu, leigo total. O companheiro ao meu lado puxou conversa e indagou quem eu apontava como favorita para as medalhas. Respondi que a soviética Olga Korbut, sensação nos Jogos de Munique, quatro anos antes. O companheiro disse-me que não. Que a grande sensação seria Nadia Comaneci, de quem eu, leigo, repito, nada sabia. Falou das façanhas da romena, sobre tudo que ela havia ganho, aos 14 anos, nos últimos tempos.

Mais do que o bastante para que eu alertasse Rodolfo para que descarregasse suas máquinas registrando a arte da pequena Nadia, o que valeu capa da revista Veja. Findas as apresentações, agradeci ao companheiro pela grande ajuda e disse a ele meu nome e da revista (Placar) para a qual trabalhava. Ele apertou minha mão e disse chamar-se Frank Taylor.

Frank Taylor, como Rafael Henzel, único sobrevivente dos dez jornalistas que estavam no voo que vitimou vários dos jogadores do Manchester United, em Munique, Alemanha, fevereiro de 1958.

2 comentários em: “Memórias e sobreviventes

  1. De arrepiar, mestre José Maria de Aquino!! Eu não sabia da existência desse livro do jornalista que sobreviveu à Tragédia de Munique, do Manchester United. Vou querer ler!

    E a volta ao trabalho, a dica que te deu e a obra que deixou nesse livro é um exemplo de superação aos sobreviventes da tragédia de Medellín 😉

Deixe sua opinião e colabore na discussão