W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Mesmo deslocado como “falso 9”, Ronaldinho mostra a qualidade de sempre (e vontade)

flu-gre

Créditos da imagem: Wagner Meier/LANCE!Press

Maracanã recebendo bom público, mosaico, e a estreia de um dos jogadores mais consagrados nos últimos tempos. Ronaldinho jogou pela primeira vez com a camisa do Fluminense, diante do Grêmio, mas em um posicionamento diferente. Com a ausência de Fred, Enderson tinha duas opções: fazer o óbvio e substituir o capitão por Magno Alves, ou apostar em Ronaldinho como “falso 9”.

O técnico do Tricolor das Laranjeiras optou pela segunda opção buscando viabilizar as aproximações do trio do meio com a velocidade e profundidade que lhe era cabível.

flagra ronaldinho

No ataque, Ronaldinho se desloca para o meio e abre espaços. (Foto: Premiere FC / Montagem – Adriano Motta)

Mas o fato é que Enderson optou pela escalação certa, mas errou no posicionamento das peças. A necessidade de “liberar” Ronaldinho da responsabilidade de marcação é óbvia e necessária, mas seria possível fazer isso enquanto o time estivesse sem a bola.

O ideal seria a movimentação de Marcos Júnior na frente, e o camisa 10 do tricolor carioca ditando o ritmo de trás, assim como o Grêmio faz com o revezamento entre Luan, Pedro Rocha e Douglas.

Sem título

Grêmio diminuindo e apertando a marcação. Douglas isolado. (Foto: Premiere FC / Montagem – Adriano Motta)

Umas das matrizes principais do futebol se baseia no povoamento e controle do meio-campo, adquirindo superioridade numérica no setor. A opção de Enderson não conseguiu proporcionar isso à sua equipe.

Porque a necessidade da bola chegar com qualidade na frente era maior. Somada à inércia dos volantes e à pouca qualidade de passe do trio do meio, o Flu não conseguiu se estabelecer no jogo, e as poucas chances de gol foram nas bolas paradas de Ronaldinho.

Dois meses parado, falta de ritmo de jogo, e posicionamento equivocado. Os primeiros 45 minutos do Gaúcho em sua nova equipe foram truncados, mas de um Fluminense mais contundente e buscando a objetividade diante do Grêmio, que tinha a bola.

A etapa inicial terminou com cinco finalizações do tricolor carioca, contra seis do gaúcho. 43% x 57% na posse de bola.

fluxgre posicionamento 1

As duas equipes no 4-2-3-1 no primeiro tempo truncado.

O que todos esperavam era ver um Fluminense sem Ronaldinho no segundo tempo pelas condições físicas em que ele se encontrava.

Entretanto, Enderson manteve o jogador até o fim e viu uma resposta positiva. Muita dedicação na marcação, chegando até a ser punido com um amarelo. Mas o fato é que expulsão do gremista Walace, no início da etapa final, anunciava que o Fluminense viria pra cima do Grêmio.

O técnico da equipe carioca tentou com as mudanças. Wellington Paulista, Magno Alves e Gustavo Scarpa (improvisado na lateral esquerda), deveriam trazer a proposta ofensiva para o Fluminense. Mas, o 4-4-1 gaúcho negou espaços e dificultou.

Ronaldinho foi centralizado e tentou ditar as ações. Pela qualidade, aproveitou um mínimo espaço na defesa adversária, e lançou para Wellington Paulista, em diagonal, escorar para Marcos Júnior marcar o gol da vitória.

gol do fluxgremio

Ronaldinho aproveitou o espaço e lançou a bola para Wellington. Note o espaço que Marcos Júnior teve nas costas da defesa gremista. (Foto: Premiere FC / Montagem – Adriano Motta)

Nos números finais: 49% de posse de bola para o Flu, contra 51% do Grêmio; 10 finalizações contra 8.

fluxgre posicionamento 2

Segundo tempo com Fluminense no 4-2-3-1 e Grêmio no 4-4-1.

*Estatísticas: Footstats

O Brasileirão 2015 e as análises bipolares
Vasco e Celso Roth: quando demitir o treinador não seria um erro

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.


Entre em contato com o Autor

2 respostas para “Mesmo deslocado como “falso 9”, Ronaldinho mostra a qualidade de sempre (e vontade)”

  1. E -3 no cartola tb -.-


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados