W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Meus apertos em Eliminatórias

04-socrates-casagrande-1982-original1-1024x576

Créditos da imagem: www.4dfoot.com

Como já disse, a Seleção Brasileira tem condições de chegar ao Mundial de 2018, na Rússia, em melhores condições do que estava no ano passado, quando deu vexame em cima de vexame. Veja que não estou falando de “se classificar”, porque acho uma obrigação. Ou passa ou fecha para balanço. E decrete, de imediato, que não se fala mais em melhor futebol do mundo.

É que o maior problema para 2014 foi não ter disputado eliminatórias, deixando, por isso, de sentir onde estavam os erros maiores e tentar solucioná-los. Viveu na ilusão das vitórias em amistosos que nada diziam, e se deram ao luxo de trazer, de volta das tumbas, Felipão, como se as coisas se repetissem automaticamente.

Cobri muitos jogos por Eliminatórias e é de algumas experiências vividas que quero falar aqui. Escolhi duas:

Em 1977, fui a Assunção, Paraguai, jogo vencido pelo Brasil por 1 a 0, gol contra de Insfran, em jogada com Paulo César Caju. Um dia antes do jogo, fui ao correio enviar um telex para a revista, e a mocinha que atendia cismou de não me atender. Dizia que era filha de militar e que seu pai a havia ensinado ser “mentira a história de que o general Solano López estava de camisola quando foi preso na guerra entre os dois países”. Afirmou várias vezes e eu concordei em todas. Aliás, dizia a ela que não sabia nada disso, não tinha falado nada daquilo e nem ouvido. Mas ela insistia em dizer que não ia enviar meu telex. Quase precisei ficar de joelhos para ser atendido.

Alertado, na noite do jogo decidi não enviar o material pelo telex do correio. Restavam dois lugares: na torre de uma rádio, já “contratado” pelo Antonio Maria, para o Jornal do Brasil. E no Hotel Guarani, onde me hospedava, escalei o do hotel. Antes de ir para o estádio comprei um radinho de pilha no camelô e uma capa de chuva. O radinho, para voltar ouvindo o final do jogo – sairia 10 minutos antes. A capa, para me proteger das bexigas cheias com urina que torcedores das arquibancadas jogavam para a parte de baixo. Felizmente não fui atingido.

De volta ao hotel, presenteei a funcionária do telex com uma bela caixa com bombons. Pedi para usar o aparelho e ela disse que estava enviando várias páginas a pedido do João Areosa, para O Globo. Disse que o João a havia pedido para começar a enviar assim que o jogo terminasse. Era um truque dele, para ter o aparelho quando voltasse. Liguei o radinho e pedi para que a funcionária ouvisse que “o jogo ainda não tinha terminado e, portanto…”.

A funcionária concordou e passei a enviar  minhas matérias. Quando o João chegou, ficou louco da vida com a funcionária e comigo, claro. Demorou a entender que quanto mais bronqueasse, mais demoraria… (risos),

Nas eliminatórias para a Copa de 86, fomos eu e Ari Borges cobrir o jogo contra a Venezuela, em Caracas, para o Estadão. Logo no primeiro dia, Ari pegou a credencial, que era distribuída no estádio onde o Brasil batia bola, mas como a fila era grande, decidi primeiro ver o treino para depois buscar a credencial. Estávamos nós dois conversando atrás de um dos gols, quando apareceu um tenente, baixinho, que dirigiu-se a mim perguntando: “Con quién andas?” Num momento de burrice (risos), respondi: “Con Dios, senõr”. E ele, bravo: “No hagas bromas…”. E eu: “No, señor, no señor. Mira…”, mostrando um crucifixo no cordão. Ari Borges, nervoso, não conseguia falar e percebendo que eu podia ser preso, mostrou que eu precisava buscar a credencial. Foi o que fiz, para não rir e, provavelmente, ir em cana.

 

Leia meu blog em www.tvredepaulista.com.br/josemariadeaquino

Palpites da 30ª rodada do Brasileirão 2015
Veja quais seleções estarão na Copa do Mundo de 2018 segundo a estatística

Escrito por:

- possui 73 artigos no No Ângulo.

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.


Entre em contato com o Autor

5 respostas para “Meus apertos em Eliminatórias”

  1. Rsrs, adoro histórias dos bastidores do futebol! =D

  2. Edemar Annuseck disse:

    Comendador José Maria Aquino tem muitas histórias pra contar. Gostaríamos que vc relatasse outras.

    Abração

    Edemar Annuseck

  3. Rita disse:

    Boas histórias são para poucos. E bons jornalistas têm muitas. Principalmente os do esporte e os da política!

  4. Alex Mariano Pereira disse:

    histórias deliciosas do zé maria de Aquino!

  5. Caio Bellandi disse:

    Histórias de quem tem muita história! Sensacional!!!!!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados