W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Muricy precisa de tempo. Mas também precisa fazer novas apostas

Gilvan de Souza-Flamengo

Créditos da imagem: Gilvan de Souza/Flamengo

O Flamengo de Muricy começou o ano de 2016 como acabou o Flamengo de 2015 de Oswaldo (e também de Cristóvão e Luxa): desorganizado, errando muito passe e apostando na titularidade de jogadores como Wallace, Márcio Araújo, Éverton e Gabriel. E o resultado foi o mesmo que ano passado se repetiu diversas vezes: o time perdeu o primeiro tempo para o Ceará por 1 x 0, numa etapa de poucas emoções.

O novo (pero no mucho) Flamengo começou com Paulo Victor, Rodinei, Juan, Wallace e Jorge; Márcio Araújo, Arão e Éverton; Gabriel, Sheik e Guerrero. De bom, apenas algumas subidas em velocidade de Rodinei. E só. O que se viu foi um corre-corre sem direção e sem criatividade na frente, além da falta de compactação e recuperação do meio-campo para trás. Ou seja, tudo como dantes, com a novidade da lentidão do veterano Juan – normal pela idade, forma física e por ser começo de temporada.

Ou seja, um show de horrores desanimador para o rubro-negro, que piorou quando Silóe, o melhor do Ceará, decretou a vitória parcial, e justa: o Vozão atacava mais e melhor, motivado por ser mandante. O ano de 2015 ainda não havia terminado pro Flamengo.

Mas com o intervalo do jogo, e as mudanças quase em totalidade dos dois lados, o cenário sofreu uma leve mudança. É verdade que numa subida louca para córner do Flamengo, o Ceará contra-atacou e ampliou com Bill. Mas o Flamengo resolveu ditar o jogo, e tinha poder para isso, principalmente nos pés de Mancuello e Cirino. Começava assim, um Flamengo diferente, com Paulo Victor, Pará, Wallace, César Martins e Chiquinho; Jonas, Canteros e Mancuello; Cirino, Sheik e Guerrero.

O time cresceu, passou a apostar na velocidade de Cirino e Sheik, e também Chiquinho. E apareceu a grande esperança rubro-negra para 2016: o argentino Mancuello distribuiu lançamentos em profundidade até achar Sheik, que driblou o goleiro e diminuiu: 2 x 1. Os reservas do Ceará não se achavam, enquanto o Flamengo insistia. Guerrero, numa maré de azar tremenda, quase fez. Sheik, num passe do peruano, mandou na trave. Mas foi num bolão de Alan Patrick, que substituiu Jonas, que Sheik tentou achar Guerrero para consagrá-lo, sem goleiro. Mas o zagueiro Salazar estava na frente e fez contra, aumentando a maré de azar do peruano e empatando o jogo.

O Flamengo ia para a frente e o jogo fluía, até que Mancuello, de novo, achou Chiquinho, que cruzou para Cirino fazer 3 x 2. O rubro-negro parecia que venceria, de virada e de maneira justa, mas dormiu enquanto comemorava e tomou o empate. Nos pênaltis, Wallace perdeu e Guerrero ampliou ainda mais a fase ruim e o Ceará foi o campeão da Taça Asa Branca.

O resultado, na realidade, é o que menos interessa. Há lições que Muricy deve tirar, e uma ele já sabe, tendo citado na transmissão: o passe do time é muito ruim. Mas é muito ruim porque, além da falta de qualidade de alguns nomes, falta compactação. Cabe ao treinador conseguir fazer esse trabalho, e seu estágio no Barcelona no período sabático deve ajudá-lo, ou ao menos é o que esperam a diretoria e a torcida rubro-negra.

Outras lições que Muricy já tem que ter em mente desde já: não dá para insistir com alguns nomes, pelo menos não como titulares. Gabriel e Márcio Araújo pouco ajudam, e muitas das vezes atrapalham. Não têm futebol para estar entre os 11 titulares. O mesmo serve, aqui um caso à parte, para Wallace. O zagueiro, além de não conseguir se firmar depois que virou capitão, sequer pode carregar essa tarja. Emocionalmente instável, sobe constantemente ao ataque em jogadas pouco produtivas. E falha individualmente lá atrás, lembrando aquele Wallace de sua chegada em 2013, ainda que não seja o único culpado pelos erros defensivos. Éverton é outro nome que caiu de produção e  com a grande concorrência no meio rubro-negro, deverá perder o status de titular.

Por outro lado, a aposta em Cirino pode surtir efeito. Bola o atacante tem, e Muricy, se motivá-lo para entrar no eixo fora de campo, terá um grande reforço. Mancuello estreou bem e mostrou o que dele se esperava: passe refinado e visão de jogo. Falando em visão de jogo e questões fora de campo, ambos se aplicam a Alan Patrick, que também é um nome para se pensar no time titular de início de temporada. Das novas contratações, além de Juan, que preocupa pelos fatores citados lá em cima, Rodinei, Chiquinho e Arão tiveram participações regulares e merecem ser mais bem avaliados.

Muricy precisa de tempo e a diretoria está disposta a dar esse tempo. Mas o relógio da torcida é diferente, e o treinador vai precisar mostrar que realmente quer mudar a péssima impressão deixada por boa parte desse elenco em 2015. Vai ter que trabalhar em cima dos novos nomes, mas principalmente, esquecer por um tempo alguns. Haja trabalho!

Corinthians e Flamengo na final da Copinha: duelo com dois vencedores
Afinal, o que queremos para o nosso futebol?

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.


Entre em contato com o Autor

12 respostas para “Muricy precisa de tempo. Mas também precisa fazer novas apostas”

  1. Muricy vai ter trabalho! =D

  2. muricy só precisa mais de um tempinho para ageita o time do flamengo tbm nação e comerço de temporada

  3. Não vei, Gabriel n dá!!

  4. Djenal Junior disse:

    Muricy não é deus, se não tiver jogadores de boa qualidade não tem jeito.

  5. Eric Ruas disse:

    O Flamengo não tem jeito, nunca vai dar certo! Time várzea do caramba!

  6. Muricy pelo amor de Deus coloca os zagueiros do sub 20 q são melhores que essas porqueiras do Juan e Wallace esse meda do Wallace ainda com a faxa de capitão e fim do futebol no flamengo vai pra china porqueira

  7. time ki tem guerrero ..para..wallace vai ganhar de kem ?so se a globo ajudar kkkk

  8. Excelente avaliação! Não sei o por quê da insistência dos técnicos em deixar que jogadores como wallace e gabriel sejam titulares, o Jonas poderia jogar no lugar do marcio e o César no lugar do wallace, até que outro chegue para substituir o juan. O time ideal seria: PV, Jorge, César, Zagueiro(reforço), Rodinei, Arão, A.Patrick, Mancu, Cirino, Guerrero, Sheik.

  9. tecnico pau no cu , quero ver quando pegar o fogão , vai se fuder , vai levar lapada na rachada seus flamerdas

  10. Tem de colocar um zagueiro da base ou um reserva menos C.Martins… Wallace é muito ruim

  11. Luiz Rojas disse:

    Muryci… Apenas bom tecnico.. Foi multicampeao… Com bons elencos e sempre.retranqueiro… So nao foi retranqueiro no santos… Do resto.sempre montou.seus.times com 3 zagueiros e dois volantes cabeca de bagre!!!
    Nada tem acrescentar taticamente!!
    Ele e a cara do flamengo… Vivendo do passado!!!

  1. […] Muricy insistiu e escalou os cinco. Juntos. Deu no que deu. Quando o treinador chegou, a pedra foi cantada. É a teimosia típica dos treinadores, principalmente os de […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados