W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Não joguem a culpa só no Denis

00792098

Créditos da imagem: Gazeta Esportiva

Os últimos jogos do São Paulo, digamos os deste ano, incluindo os importantes empates contra o The Strongest, em La Paz, o diante do River Plate, em Buenos Aires, e a vitória sobre os hermanos, no Morumbi, reforçaram a análise que o time é apenas razoável, para o gosto do torcedor comum, e fraquíssimo, para as exigências, saudáveis e merecedoras de elogios, dos são-paulinos.

Sim, os são-paulinos – digo com total isenção, posto que neutro – não se contentam em ver 11 jogadores vestindo a camisa tricolor. Exigem que sejam de alto nível. Essa é uma diferença importantíssima, que explica porque outras torcidas aceitam chorar nas arquibancadas seguidas derrotas e a são-paulina só quer saborear vitórias. Pagar para sofrer é masoquismo.

Mas não foi apenas tratar-se de um time apenas razoável que os resultados serviram para consolidar minhas análises. Serviram, também, para deixar claríssimo que em muitas oportunidades o time ficou – e aí acho que de forma proposital – longe de se mostrar razoável. Foi medíocre, melancólico e irritante, imagino, para sua exigente torcida, e, por isso, inteligente.

Nenhum time com boa dose de brio e sangue quente nas veias, se deixa golear por 6 x 1 pelo Corinthians, formado ou não por reservas, apanha de 4 x 1, já nem me lembro de que time do interior, modesto na sua formação e nos salários, pagos, provavelmente com atraso. E mais, vê repetir goleada pelo mesmo placar, para o Audax, time recém formado, também modesto, como aconteceu por esses dias.

Jamais diria, porque não tenho provas, que um time, um jogador ou um grupo deles, “entregou um jogo”, trabalhou para derrubar um técnico. Mas posso dizer ser impossível aceitar que jogadores bem pagos, alguns muito bem pagos, visivelmente corram menos que o normal, isolem bolas que na várzea iriam para as redes adversárias, batam cabeça na defesa e joguem peados no ataque.

Na luta por mais uma Libertadores, acho que foi em 2010, o São Paulo perdeu para o Internacional, no Morumbi, e teve a chance de ir à forra no jogo de volta, no Beira-Rio, por saldo de gols. Isso, se um meia não tivesse tentado mais uma finta, desnecessária, a minutos do apito final, jogando fora a chance. Contam que só não levou uns bons tabefes, no vestiário, porque foi chamado para exame antidoping. Ficou pouco mais no clube e foi rodar na vida.

Em um momento, li que o pagamento dos famigerados direitos de imagem estava atrasado. Não acho que seja motivo para “encostar o corpo em campo”. Se tivessem que reclamar, deveriam fazê-lo antes, fora dele, em papo direto, até negar-se a jogar. Mas não fingir e, pior, depois de perder, fugir das vaias e da imprensa, como ocorreu.

O presidente que mandou no clube por longos anos, rasgando, para isso, os estatutos do clube, costumava levar dinheiro vivo na pasta para pagar prêmios extras aos jogadores depois de partidas que considerava importantes. Um erro grosseiro, não profissional. É possível que os jogadores continuem mal acostumados – sendo maus profissionais.

O time vai aos trancos e barrancos. Caiu dos barrancos no Campeonato Paulista e vai aos trancos na Libertadores, provavelmente graças a promessas de prêmios, o que mostraria falha continuada da direção.

Não há lógica que explique atuações tão diferentes – a não ser a que vem das arquibancadas.

Leia também:

Em caso de derrota na Bolívia, a frigideira já está pronta no Morumbi

Quer polêmica? Fale de Ganso 

A “Experiência Calleri”

Análise dos jogos de "ida" das oitavas da Libertadores: Medo de perder foi maior do que a vontade de ganhar
Dia do Goleiro: tal pai, tal filho

Escrito por:

- possui 69 artigos no No Ângulo.

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Entre em contato com o Autor

15 respostas para “Não joguem a culpa só no Denis”

  1. DOQUINHA GONZAGA NETO disse:

    BAMBIS FREGUESES!!!

  2. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    O São Paulo vem passando por um processo de apequenamento já há alguns anos…

    A administração do clube vai de mal a pior e os jogadores acabam fazendo (ou deixando de fazer) o que bem entendem…

    • José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

      Verdade, no lugar dos antigos cardeais, que tornaram o São Paulo grande e vencedor, hoje vivem meros coroinhas no Morumbi. Alguns que deviam ser expulsos do clube, e não apenas os deste momento. Mas não justifica jogador não dar todo emprenho em campo. É questão de vergonha na cara.

  3. Achei perfeita esta definição 😉

    “Sim, os são-paulinos – digo com total isenção, posto que neutro – não se contentam em ver 11 jogadores vestindo a camisa tricolor. Exigem que sejam de alto nível. Essa é uma diferença importantíssima, que explica porque outras torcidas aceitam chorar nas arquibancadas seguidas derrotas e a são-paulina só quer saborear vitórias. Pagar para sofrer é masoquismo.”

  4. José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

    Assim penso, embora neutro. Como dizia Joãozinho 30, quem gosta de pobreza é milionário. Quem gosta de sofrer é masoquista. rrss

  5. Carllos Csr disse:

    Se o são paulo quizer prosseguir na libertadores vai ter que arrumar outro goleiro.

  6. José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

    Já não haverá tempo para outro goleiro….E tem de arrumar também vergonha na cara para alguns jogadores

  7. Carlos Távora disse:

    Zé Maria
    Por todo o tempo que o Denis ficou na reserva do Rogerio esperávamos que ao assumir a titularidade pudesse apresentar um nível mais elevado.
    Desde que assumiu o gol, após a saída do Rogerio, não apresentou, e aí quem diz é a cronica especializada, uma partida ao nível de um goleiro para um time do porte do SPFC. Ao contrário, dos gols que o SPFC tomou nas partidas sempre teve um ou outro gol que poderia ser defensável. Um goleiro com tanto tempo de treinamento não pode tomar ou melhor “entregar” um gol como aquele contra o River. E vem a velha máxima: Um grande time começa por um grande goleiro..
    Abs

  8. Carlos Tavora disse:

    Quem sabe com sua suspensão não aparece um bom goleiro….

  9. José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

    Perfeito, Távora. A gente até poderia pensar que o treinador de goleiros não fez um trabalho muito bom para deixa-lo em condições quando chegasse o momento. Não dá para falhar, como tem acontecido, em jogos importantes e decisivos.. abrssss

  10. Antes eram Ganso e Michel Bastos. Agora Denis e Lugano são os alvos da vez. A diretoria deve estar adorando…

  11. José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

    A diretoria de agora não tem culpa direta. A culpa é da que mandou no clube por longos anos, contratando jogadores medíocres sabe lá Deus como e por quanto. Hoje é a ressaca de tantos porres

  12. Kevin Sanches a realidade do Sao Paulo ..


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados