W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Neymar e a Venda de Camisas

neymar_psg_748

Créditos da imagem: PSG

O Futebol é uma caixinha de surpresas, e também um campo fértil de teorias financeiras para justificar ações de gestão. Uma delas é a ideia de que contratações de atletas famosos ajudam a vender camisas, e estas camisas pagarão a conta.

Lenda urbana. E bastam algumas informações desencontradas e um valor astronômico para que estas lendas pareçam realidade.

Uma transação de € 222 milhões é representativa em muitos segmentos da Economia. Mas quando pensamos no setor de Entretenimento, este volume fica de certa forma “acomodado”, uma vez que alguns atores e atrizes podem receber valores próximos desse, dependendo da franquia ou mesmo de um único filme, pois além do cachê direto, ainda costumam ser negociados percentuais sobre a bilheteria.

O Futebol, de certa forma, remete ao conceito de franquias, como “Homem de Ferro”. Afinal, os contratos duram algumas temporadas, e o valor de aquisição de um atleta pode ser diluído ao longo do período, dependendo do “sucesso da bilheteria”, que além do financeiro direto, pode ser traduzido também como Títulos.

Desculpe desapontá-los, mas da mesma forma que não será vendendo máscaras do herói de ferro que os produores pagarão pelo trabalho de Robert Downey, Jr, a venda de camisas do PSG com o nome de Neymar nas costas não será a fonte de receitas a bancar a contratação mais cara do Futebol.

A maioria dos torcedores não conhece como funcionam os contratos entre fornecedores de material esportivo e clubes de futebol, e por isso costumam cometer um erro de avaliação, acreditando que um jogador seria capaz de impulsionar de tal forma a venda de camisas, que isto ajudaria a pagar a conta. Até a Imprensa embarca nessa, eventualmente.

Não é bem assim.

Os contratos entre Fornecedores e Clubes costumam ser uma combinação entre material (equipamento de jogo, como as camisas, calções, etc) e royalties, pelo uso da marca do clube. Estes royalties são calculados a partir de uma expectativa de venda de camisas. Por exemplo, pode-se considerar que o fornecedor venderá 10 mil camisas anualmente, por 5 anos, e por este volume paga um valor “X”. Se vender acima disso, o clube recebe uma fração do valor, pois não custa lembrar que do valor de venda nas lojas é preciso deduzir os royalties, a margem do lojista, custos de transporte, margem do fornecedor, custos de produção.

Ou seja, royalties são um percentual do valor total.

É um erro imaginar que o clube se apropria do valor total da venda nas lojas. Logo, não é possível fazer contas pensando nesse número.

Desta forma, quando lemos que “Em 6 horas foram vendidas 10 mil camisas do Neymar pelo PSG, a 100 euros cada, rendendo 1 milhão de euros”, é uma tentativa de induzir ao erro de acreditar que bastaria vender 2,2 milhões de camisas ao longo do tempo de contrato e o valor da aquisição teria sido pago, de maneira simplista e sem considerar custo de capital.

Torcedores do PSG fazem fila em frente a uma loja do clube na avenida Champs Elysses para comprar a camisa com o nome de Neymar (Philippe Lopez/AFP)

Neste processo, o lucro efetivo se dá apenas a partir de um número muito elevado de venda de camisas, pois o fornecedor pagou considerando o risco de venda; gastou e produziu considerando sua expectativa; e o clube só receberá algo adicional ao contrato se vender acima da quantidade pré-definida.

É provável que nem todos os clubes sigam esta regra, pois depende de tamanho, quantidade de negócios, ações adicionais. Imagina-se que Real Madrid e Barcelona, por exemplo, tenham contratos especiais, assim como o Bayern de Munique, que tem a Adidas como acionista. Atualmente, muitos contratos consideram apenas o material entregue, e os royalties são pagos apenas pelas vendas efetivas. Ou mesmo em outros esportes e modelos, como das Ligas Americanas, onde o contrato é assinado pela Liga para todos os clubes.

Enfim, o importante é lembrar disso, e na próxima vez que alguém justificar uma contratação porque “este jogador vai vender muita camisa”, torça para que seja um bom negócio esportivamente falando, porque financeiramente, vai precisar de outras fontes para se pagar.

Leia também: Menos, Neymar, menos. Mas menos você também, Cavani

Sobre a obsessão brasileira por Libertadores
A hipocrisia no episódio do gol de Jô

Escrito por:

- possui 1 artigos no No Ângulo.

Executivo do Itaú BBA, Cesar Grafietti coordenou estudos sobre a situação financeira dos clubes brasileiros, tornando-se referência no assunto

Entre em contato com o Autor

7 respostas para “Neymar e a Venda de Camisas”

  1. Como é bom ter alguém “do ramo” para elucidar algumas questões que por vezes não alcançam o grande público. Show de bola! 😉

  2. O que impede de que o número de camisas vendidas com o nome do atleta chegue à uma quantidade que só os royalties paguem o jogador? No caso do tipo de produção e distribuição de material esportivo que o Santos FC fez com a Kappa, por exemplo, ao ser todo o lucro do material vendido, e não só os royalties, não poderia as camisas de um jogador pagá-lo mais fácil?

    A desmistificação do fluxo de caixa é pertinente, mas o que realmente importa nisso ninguém fala, o velamento da realidade de que quem produz a riqueza que paga esses astros do futebol são os bilhões de trabalhadores espalhados pelo mundo que produzem todos esses produtos com as marcas dos clubes e que vivem sob a mais intensa exploração do seu trabalho.

    • Vinícius, de uma camisa que custa R$ 200 nas lojas, o lucro de quem produz não é maior que uns R$ 30. A diferença é Custo, Margem da Loja, Logística, Royalties e Impostos.

    • Ok, mas o que impede que sejam vendidas camisas o suficiente que para 30 reais de cada uma não se chegue ao valor pago num jogador?

      • Sérgio Miranda Paz (Colunista convidado) Sérgio Miranda Paz disse:

        Oi, Vinícius!
        Você acha que um jogador que custe R$30milhões a um time brasileiro é capaz de vender 1 milhão de camisas que custem R$200 cada???

  3. Gustavo Fernandes disse:

    Trinta reais por camisa é o lucro da empresa fabricante, não do clube. Como explicou o Cesar, esse só ganha um valor além dos royalties se for superado determinado patamar.

  4. Muito bom, esclarecedor!!!!! Precisamos de mais artigos assim no Brasil, explicando as coisas!!!! Eu mesmo acreditava nessas reportagens que ficam fazendo!!!!!! Obrigado pela aula!!!!!!!!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados