W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Neymar e Barça? Tudo a ver!

Eu admito que por algumas semanas fui dos que duvidam do sucesso imediato do Neymar no Barcelona. Pensava que o clube precisaria vencer a era da ideologia atual e respeitar o brasileiro nas suas qualidades originais pra que ele desse certo. Ou seja, encerrar o ciclo vencedor atual e iniciar um novo, adaptado ao craque. Bobagem.

Neymar é um gênio da bola. Eu não tenho idade suficiente pra ter visto Pelé ou Zico jogarem, mas acompanhei Ronaldo, Romário, Ronaldinho, Kaká, Robinho e outros menos cotados – mais cotados quando começaram a carreira -, como Denilson ou Pato. Digo com a convicção aumentada com o meu envelhecimento (lado bom disso) que o Neymar é a maior revelação dos últimos 30 anos do futebol. Supera inclusive o fenômeno Ronaldo, que ganhou as principais manchetes do mundo com menos de 20 anos. Supera porque não é apenas um centroavante espetacular. Joga em qualquer posição da faixa ofensiva do campo, sem prejuízos. Poderia ser centroavante, sim. Sabe se posicionar, cabecear, achar a brecha pra concluir. Mas prefere ser segundo atacante, porque ali tem mais oportunidades de jogar e desfilar seu infinito cartel de efeitos mágicos com a bola. Do ponto de vista moral, já passou até no teste de guerra “Libertadores”, aquele tão exigido para os jogadores que pleiteiam ser considerados completos.

Por isso, Neymar não precisa que o Barcelona se adapte a ele. Ele mesmo vai se adaptar rapidinho ao Barcelona. Gênios são assim. Encaixam em qualquer lugar. Não “deram sorte”. Fizeram sua própria sorte. O garoto chegou no clube catalão com o discurso perfeito: não quer roubar os holofotes, nem da mídia, nem táticos, do astro Lionel Messi. E parece entender o discurso. Não se trata apenas de repetição decorada.

Adaptar-se às circunstâncias é o beabá do sucesso: a sua reputação é muito importante num ambiente coletivo; se o grupo não o respeitar, você não chega a lugar nenhum. Da mesma forma, se uma comunidade não aceitar o indivíduo, seu talento ficará oculto, incapaz de transcender do campo das potencialidades para a realidade. E Neymar entende isso. Porque é gênio.

Muitos alegavam que um malandrinho brasileiro teria muito o que aprender ao chegar na Espanha. Pois cravo: ele não é um malandrinho brasileiro. Neymar é mais que isso. Parece um moleque, mas é um homem feito. Desses que ainda são jovens e usam penduricalhos e se enchem de tatuagens, mas que são donos da palavra final sobre o que vai ser feito da sua vida. Ele quis jogar no Barcelona. Sabia que lá era o seu habitat natural, o campo dos sonhos de um jogador fadado a criar, não só pro seu time numa partida decisiva, mas pro futebol mundial. Pro imaginário dos amantes do esporte.

Mas o Neymar não é só sonho. Ele sabe aonde pisa. Aos 21 anos, tem uma gama espantosa de informações sobre quais são as regras de outro planeta. E vai cumpri-las, pois é gênio. Sem perder as suas qualidades. Saberá se colocar ao natural, sem forçar. Já começou. Entrou numa partida decisiva, a primeira do Barça com a sua presença, e foi decisivo. Enquanto os outros comportados e bem treinados espanhóis agonizavam pra superar uma marcação experiente e matuta, o garoto entrou e não venceu a defesa do Atletico Madrid a dribles, como seria de se imaginar para um “malandrinho brasileiro”. Não. Fez o simples no clássico Vicente Calderón.

Neymar fez o simples. Porque gênios são feitos disso também: saber fazer o simples quando o que importa é o resultado. Saber entender o contexto. Se colocar no lugar certo na hora certa. Foi lá e cabeceou pra empatar. Vai entrar no time titular fazendo o simples. Vai esperar o Messi admitir que o ciclo dele no Barça passou. E vai ganhar o time. Tem tempo pra isso.

O moleque da baixada santista vai chegar lá. Quando, eu não sei. Mas vai. Ele tem todas as ferramentas necessárias pra isso. Inclusive fazer os outros acreditarem que ele não passa de um malandrinho brasileiro, e poder ir comendo pelas beiradas.

Neymar é mais que um jogador. Por isso decidiu ir praquele que é considerado mais que um clube. Eu jogo minhas fichas nele. Alguém arrisca?

7 a 1 - Quando o inacreditável se passa diante dos olhos
As influências do CT

Escrito por:

- possui 24 artigos no No Ângulo.

Portoalegrense de nascimento e residência desde sempre, é administrador de empresas e tem como dois de seus principais hobbies o futebol e a escrita. É neste espaço que essas paixões poderão se unir: a leitura da bola através da riqueza da palavra.


Entre em contato com o Autor

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados