W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

No ciclo rubro-negro, Cristóvão Borges é o atual zumbi

cristovaoborgesflamengo2015

Créditos da imagem: www.eusouflamengo.com

Quando Cristóvão assumiu o Flamengo, pensei com meus botões (e compartilhei no meu Facebook): vai durar pouco. Acho que me enganei. Hoje, acredito que Cristóvão vai durar MUITO pouco. E o motivo é simples: o ciclo rubro-negro trata alguns treinadores sem grife como zumbis. Mortos-vivos que perambulam entre derrotas, prontos para serem dizimados por algum mocinho, que nesse caso, são os treinadores medalhões.

Todo torcedor gosta de grife, e o do Flamengo ainda mais. O problema é que tem cartola que gosta. Porque o treinador medalhão se segura sozinho. Se blinda e protege todos à sua volta. Toma porrada pelo jogador e pelo dirigente. Toma porrada, às vezes, do jogador e do dirigente. E a atual diretoria rubro-negra, digna de aplausos pelos feitos administrativos e financeiros, é bastante insegura quando o assunto é futebol. Quando a questão é escolha de treinador, então, deixa a desejar tanto ou mais que as gestões anteriores. Eis o ciclo:

Quando demitiu Dorival Júnior não por questões técnicas, mas por caráter financeiro, optou por Jorginho. Apesar do DNA rubro-negro, faltava currículo ao treinador. A diretoria não bancou o tetracampeão, que ficou pouquíssimo tempo por conta da falta de resultados imediatos. Foi o primeiro zumbi do ciclo, em 2013. Cair era questão de tempo. E sem resultados, logo foi limado.

Depois, a opção foi Mano Menezes, que apesar de supervalorizado, tinha alguns feitos na carreira, incluindo passagem pela Seleção. Com boa grife, Mano decepcionou e pediu o boné de maneira até hoje mal esclarecida. A opção, então, foi não ter opção. Como em outras ocasiões da história do Flamengo, o interino Jayme de Almeida assumiu, arrumou a casa e conquistou um título. Conquista essa que os dirigentes rubro-negros têm obrigação de colocar em suas orações toda noite.

Jayme, num time de qualidade duvidosa, ganhou o Carioca com a ajuda do bandeirinha, mas fracassou na Libertadores e ficou com a corda no pescoço. De alguma forma foi bem e, com o corpo fechado graças às duas conquistas, não chegou a ser um morto-vivo. Talvez por não ter sido uma escolha da diretoria. Como um condenado na fila da cadeira elétrica, patinou no começo do Brasileiro e deu adeus. A diretoria até tentou bancar, sustentou pero no mucho. Talvez faltasse um pouco mais de rodagem, bagagem e… grife. Mas não foi um zumbi.

Quem chegou posteriormente foi Ney Franco, que não era exatamente um medalhão. Um treinador com conquistas até parecidas com a do anterior no próprio rubro-negro. E com alguma rodagem e experiência, visto por muitos até como moderno. Só que sua primeira passagem pelo Flamengo deixou marcas e a torcida ficou com o pé atrás. Era o segundo zumbi, em 2014: novamente, demití-lo seria questão de tempo. Sem ganhar durante a sua passagem, foi fácil mandá-lo embora.

Sem o peso no nome e sem apresentar resultados imediatos, a diretoria optou por refazer a escolha e demitir o treinador-cantor. Rodou para a chegada, aí sim, de um medalhão: Luxa.

Que assumiu o time, fez o que muitos chamam de milagre e tirou o Flamengo da zona da queda.  Na temporada seguinte, num elenco que ele mesmo montou, não conseguiu fazer o time evoluir. Só que Luxemburgo, cascudo, ainda tomou algumas porradas antes da diretoria optar por lhe dar o bilhete azul. Luxa pode ser fritado à vontade, mas não é zumbi. Sobra-lhe currículo, além de ser um cara “bem vivo”, havemos de convir. Acabou caindo para cima e agora está no bicampeão Cruzeiro. Restou ao Flamengo a escolha de Cristóvão Borges.

Que já chegou com a torcida rubro-negra com os dois pés atrás. Nem tanto pelas passagens por Flu e Vasco, dois rivais. Mais por conta da grife (ou falta dela) e dos títulos (ou falta deles). Com algumas características de Jorginho e Ney, o treinador necessitava de resultados imediatos para tirar o Flamengo da zona e sobreviver. Sem julgar a competência do técnico, Cristóvão não consegue as vitórias. Não só pela pressão que é o Flamengo – e talvez lhe falte experiência nesse ponto – mas também pela fragilidade do elenco rubro-negro, ainda em montagem. A situação do time da Gávea não permite o “toma lá, da cá” de se ganhar uma ou duas e perder uma ou duas depois. A cada derrota, Cristóvão vai balançando. Conforme matéria do UOL na semana passada, o mocinho/medalhão Oswaldo de Oliveira já estaria até apalavrado, só esperando a próxima derrota.

Ou seja, no atual ciclo rubro-negro, Cristóvão é o que Jorginho foi em 2013 e Ney em 2014: cairá a qualque momento, restando saber apenas quando.  A falta de convicção nas escolhas da maioria dos dirigentes é bem retratada no ciclo rubro-negro que torna qualquer treinador, um mero interino. Ou melhor, um zumbi.

Ronaldinho Gaúcho é bom para o Brasileirão. Mas e para o Fluminense?
Como estão hoje os onze titulares da Seleção Brasileira no 7 x 1?

Escrito por:

- possui 70 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.

Entre em contato com o Autor

7 respostas para “No ciclo rubro-negro, Cristóvão Borges é o atual zumbi”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Uma pena, já que parece ser um cara conhecedor de futebol, bom de trato e correto.

    Com esse elenco, o Guerrero vai ter que jogar muita bola, viu?

  2. Não o problema é a defesa inteira um armador é un volante que saiba marcar porque os que Tá só fama mesmo marca porra nenhuma a e um goleiro ajudaria bastante César fraquíssimo

  3. Já viu aquele filme?
    Os sem mundial
    ESTRELADO POR PEPAS PIG

  4. O Cristovam ñ tem culpa. .pode trazer Mourinho,Carlos Antielot. Os melhores tecnicos. Se o time é uma bosta…

  5. Barcelona qualquer técnico pode entrar o time ajuda. .

  6. Deus eu quero esse cara bem longe do Flamengo fora Cristóvão fora.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados