W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

O experiente Renê fez a terraplanagem. Agora, o Botafogo deve pensar na reconstrução

rene-simoes-botafogo-vitorsilvasspress

Créditos da imagem: globoesporte.com

Renê Simões foi embora do Botafogo, mas pode sair com a cabeça erguida. O treinador fez sua parte. Chegou num Botafogo arrasado, posto de volta à Segundona por uma administração temerária fantasiada de moderna. Assumiu um time sem jogadores, um clube sem dinheiro, uma instituição sem perspectiva. Com dedicação, trabalho, experiência e muita conversa, devolveu ao clube a esperança e colocou o Glorioso no trilho certo.

Renê ajudou o novo Botafogo a superar as expectativas. Fez um bom campeonato carioca, nem tanto pelo resultado, mais pela confiança adquirida. Renasceu jogadores, criou outros, subiu a garotada. Mesmo com os torcedores – esses eternos desconfiados alvinegros – não comprando o barulho, o Botafogo chega ao meio do ano no caminho que deveria estar, mas que muitos no começo do ano achavam que não estariam.

A segunda queda, como comprovada pelo rival Vasco ano passado, é menos dolorida e também mais desprezada. Não há aquela sensação de recuperação do clube e das glórias. Há uma mero sentimento de obrigação, de cobrança, de desesperança. Pela situação financeira do Botafogo, então, a coisa se desenhava de maneira trágica. Clima de enterro, e enterro de vilão de filme, aquele sem muito choro, sem muita saudade, sem amigos ao redor do morto.O torcedor do Botafogo ainda mostra esse sentimento.

Mas Renê, com vigor de adolescente e apoiado na tentativa da nova diretoria de reerguer o clube, conseguiu o seu objetivo até aqui. Pelo menos, até a última terça-feira. A eliminação para o Figueirense (de novo!) na Copa do Brasil (de novo!!) em casa (de novo!!!)  foi o justo fim da linha para o experiente técnico.

Nem tanto pelo resultado, novamente, afinal, é óbvio que o objetivo é a volta à Série A. E também, desculpe a sinceridade torcedor glorioso, mas a Copa do Brasil não é lá muito afeita ao Botafogo mesmo.

A verdade é que a diretoria, talvez atirando no que viu e acertando no que não viu, aproveitou a dor da eliminação e dos jogos sem vitória para agradecer aos serviços bem prestados de Renê e tocar o trem no trilho que Renê colocou. Um trabalho psicológico de primeira do treinador foi o suficiente para colocar o Botafogo no rumo certo para o objetivo final.

Resta a metade do caminho. Agora, o que o time precisa é de ares mais modernos. Um treinador jovem, barato e que pense num médio prazo, se mantendo para a disputa da Série A após a subida. Alguém com perfil de Doriva, que já não deve ser tão barato assim, ou algo do tipo.

Com a grama mais verde e com menos buraco, terreno capinado por Renê, o clube deve pensar em alguém que possa se dedicar ao campo e bola, somente o futebol. Alguém que tente fazer uma equipe para o resto da temporada, uma base para o ano que vem e a molecada vingar. Ou seja, um treinador para fazer o time jogar bola de fato.

O trabalho de reabilitação e desintoxicação do time, e por tabela do clube, já está feito e isso é mérito de Renê. Mas convencer os sempre desconfiados torcedores alvinegros, só o Botafogo jogando bola de verdade, e claro, voltando ao seu lugar na primeira divisão. Mesmo com o terreno capinado, esse trabalho será árduo para o próximo treinador. Terraplanagem é só o começo de uma reconstrução.

O “fico” de Lucas Lima merecia mais barulho
Sóbis é apenas um dos problemas que o Inter terá de superar contra o Tigres

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.


Entre em contato com o Autor

Um comentário para “O experiente Renê fez a terraplanagem. Agora, o Botafogo deve pensar na reconstrução”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Será que o Seedorf toparia assumir a equipe? Seria muito legal de ver!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados