W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

O “Fator Guilherme” no decisivo Galo x Colo-Colo

Guilherme - espn.uol.com.br

Créditos da imagem: espn.uol.com.br

Como tem sido comum nos últimos anos, o Atlético-MG, mais uma vez, fará um duelo decisivo em casa, desta vez diante dos chilenos do Colo-Colo, pela Libertadores.

Ao Galo, só a vitória por dois gols de diferença interessa. Atual terceiro colocado do grupo, com seis pontos (contra nove do Santa-Fé e do próprio Colo-Colo), apenas essa matemática bastará para classificar a equipe mineira, pelo saldo de gols.

Para essa difícil (mas factível) missão, não me surpreenderia se os “deuses do futebol” novamente escolhessem Guilherme como o jogador responsável a liderar o seu cumprimento. O hoje meia-atacante do Atlético, após recuperar-se de mais uma de suas infindáveis lesões (um pecado, pois entendo que teria potencial técnico para vestir a camisa da Seleção Brasileira, assim como os fisicamente “problemáticos” Amoroso, Pedrinho, Nilmar e outros tantos que até jogaram com a amarelinha, mas não puderam ter uma carreira à altura da expectativa criada), voltou à equipe e foi responsável direto pela classificação do seu time para a final do campeonato estadual, eliminando o Cruzeiro, clube que o revelou.

Aliás, após ter surgido muitíssimo bem como atacante na Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2007, quando a Raposa sagrou-se campeã vencendo o São Paulo na final, Guilherme rapidamente firmou-se na equipe titular do elenco profissional, em 2008, tendo sido destaque no terceiro lugar obtido por sua equipe no Brasileirão daquele ano, a ponto de ser negociado em 2009 com o Dínamo, de Kiev. Sem grandes atuações pela equipe ucraniana, o então jovem de 20 anos foi emprestado ao CSKA Moscou, onde reencontraria o seu bom futebol e atuaria até 2011, ano de sua contratação a peso de ouro pelo Atlético-MG.

Embora não seja uma unanimidade sequer dentro do próprio clube (teria quase sido negociado com o Santos no início do ano corrente), Guilherme chama a atenção por sua “estrela” e é considerado uma espécie de talismã da equipe mineira. Em 2013, fez aquele que talvez tenha sido o gol mais importante de toda a trajetória do título da Libertadores (gol aos 50 minutos do 2º tempo contra o argentino Newell´s Old Boys que levaria a disputa aos pênaltis e culminaria na classificação do Atlético à final e posterior conquista do título); em 2014, dois gols na histórica virada (4 x 1) contra o Corinthians pela Copa do Brasil, que também terminaria com o Galo campeão; e, agora em 2015, foi decisivo contra o líder Santa-Fé, na Libertadores e, na semifinal do Mineiro, criou as jogadas dos dois gols do excelente Lucas Pratto, na vitória por 2 x 1 contra o arquirrival.

Atuando mais recuado, de maneira mais cerebral, Guilherme tem dado um toque de classe e objetividade ao meio campo do Atlético, tendo conseguido até substituir a contento o ídolo Ronaldinho Gaúcho, por ocasião de sua ida ao futebol mexicano.

No jogo contra o Colo-Colo, com a suspensão do marcador Leandro Donizete (é mesmo um predestinado!), deve atuar preenchendo os espaços do meio de campo, sendo combativo e se apresentando na frente, invariavelmente criando jogadas de perigo, com o seu instinto agudo de atacante que atua como meia.

A propósito, respeito e admiro jogadores com essa versatilidade, mas apenas aqueles que verdadeiramente jogam bem nas diferentes posições que se propõem a atuar (Lahm, o craque alemão, é um paradigma) e não pelo simples fato de toparem “quebrar o galho” dos “professores”.

Na mesma linha de Guilherme, outro atacante de origem que chama a atenção e sabe desempenhar muito bem essa função de “armador” e jogador pensante, é o grandalhão – mas muito técnico – Alan Kardec, do São Paulo, que, até se contundir, era subaproveitado no elenco tricolor. Mas isso é assunto para uma outra oportunidade.

Pela força da torcida, pelo “caráter” do time nas façanhas dos últimos anos, pela ousadia do seu técnico, pelos desfalques do adversário (cinco estariam confirmados, podendo chegar a sete), e pelo “Fator Guilherme”, penso que o Galo ainda deve cantar alto nesta Libertadores. A verificar se o suficiente para espantar o ameaçador (?) “cacique” chileno.

E segue o jogo.

São Paulo x Corinthians: a decisão de um time só
Santos x Palmeiras: a final dos que quiseram mais

Escrito por:

- possui 244 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.


Entre em contato com o Autor

5 respostas para “O “Fator Guilherme” no decisivo Galo x Colo-Colo”

  1. José Luis disse:

    Hoje o Atlético ganha e se classifica! E vai ser difícil alguém conseguir segurar esse time embalado. Além de Guilherme, Luan e cia, o time tem a dupla argentina Dátolo e Lucas Pratto, reconhecida e temida pelos adversários. EU ACREDITO, GALO!!!

  2. A Q E GALOOOO 2X0 !! COLO-COLO E O CARAMBA!!

  3. Galo 2×0 marias colo!!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados