W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

O futebol brasileiro cresce… se o país cresce

bola-brasil

Créditos da imagem: apostasbrasil.net

É certo. Já não há mais margem para empurrar: o Brasil hoje está completamente intolerante com o quadro deficitário dos clubes brasileiros. Os débitos com a União já não são mais suportáveis, e em tempos de divulgações de amplos esquemas de corrupção com o dinheiro público, que trazem discussões sobre a moralidade da sociedade brasileira, as principais entidades futebolísticas do país não conseguem evitar os respingos dessa discussão. Tornou-se imperativo que os clubes recuperem sua saúde administrativa, sanando sobretudo as fortes dívidas que contraíram ao longo de décadas de gestões irresponsáveis e despreocupadas. Os comprometimentos são de toda ordem. Vão bem além do acerto de contas com o setor público: passam por dívidas trabalhistas e administrativas, como pagamento a fornecedores.

Os principais envolvidos nessa crise naturalmente são os grandes clubes nacionais, aqueles que mobilizam cerca de 95% da torcida do país e, consequentemente, são responsáveis pela mesma proporção de movimentação econômica no setor, e pendências com terceiros. Portanto, sob um panorama caótico, eles precisam se mobilizar para resolver seus problemas o mais rápido possível. Uma medida provisória foi baixada estabelecendo diretrizes para o abatimento de dívidas de forma moderada, mediante contrapartidas. Ou seja, a discussão que ganhou corpo no último par de anos, parece que finalmente gerou efeitos concretos. E os clubes parecem agora amparados por um sistema claro que deverão seguir para se reerguer. Então é mãos à obra, certo? Calma.

Como qualquer entidade desportiva, um clube de futebol é a faceta de uma sociedade. Seu modo de funcionar está totalmente integrado à dinâmica pela qual o mundo que o cerca se comporta.  Não adianta forçar os clubes a ajustarem suas engrenagens administrativas se eles são dependentes de um governo que precisa ser ainda amplamente revisado. Eles sempre dependeram das políticas estabelecidas pelo poder público, e seus vícios internos seguem o padrão dos vícios do governo. Não dá para cobrar organização e excelência administrativa, se quem forneceria essas condições está tumultuado. A tolerância fiscal que contribuiu para o endividamento dos clubes ao longo do tempo surgiu da mesma fonte que agora cobra reestruturação. Se não tivesse havido essa tolerância, não surgiriam montanhas em dívidas no universo daqueles que são apenas representações de grupos.

Portanto, parte relevante da responsabilidade pelo quadro atual é do próprio país, que foi conivente com a gambiarra nos clubes. Isolá-los num universo de culpa e tratá-los como se fossem laranjas podres de uma cesta saudável, criadas apenas por seus dirigentes, e separá-los de suas torcidas e de todos os outros setores que alimentaram por anos esse hábito de gastos desequilibrados, é uma visão cômoda e até irresponsável. Que não se espere que os clubes se reorganizem deliberadamente, sem sincronia da cadeia de consumidores, fornecedores, patrocinadores e fiscalizadores que os cerca. Estão todos correlacionados.

Os clubes brasileiros não podem mais ser tratados apenas como instrumentos de popularização de dirigentes para alcançar status quo e cargos públicos, e depois continuar os utilizando como fonte de projeção, protegendo-os, de dentro do próprio governo, com pouca vigilância fiscal, para perpetuar um ciclo de abuso de suas marcas fortes, e deterioração de suas gestões.

O futebol brasileiro tem solução. Mas é decisivo que todas as partes envolvidas caminhem na mesma direção e sejam próativos, fiéis a suas ambições de moralização, e cumpridoras de seus deveres.

Barcelona x Real e Flamengo x Vasco: o que é e o que poderia ser
Gigante Flamengo

Escrito por:

- possui 24 artigos no No Ângulo.

Portoalegrense de nascimento e residência desde sempre, é administrador de empresas e tem como dois de seus principais hobbies o futebol e a escrita. É neste espaço que essas paixões poderão se unir: a leitura da bola através da riqueza da palavra.


Entre em contato com o Autor

Um comentário para “O futebol brasileiro cresce… se o país cresce”

  1. Geri disse:

    Mary! thank you for your kind words. I like your blog very much. Love your piucrtes and the fact that the coffee pot is never empty makes you my number one friend! BTW.. Kenya AA is my favorite coffee! Keep on cooking, keep on smiling and keep on writing! 🙂


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados