W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

O Inter não foi Inter no massacre do Grenal

Gremio

Créditos da imagem: Jornal Zero Hora

A patrolada do domingo teve requintes históricos centenários: desde 1912, o Grêmio não vencia o Internacional por uma diferença de gols tão grande. E isso jamais foi um detalhe, que se poderia chamar de algo como uma ausência de oportunidade das circunstâncias. Não! O Grêmio, pode-se dizer, jamais goleara o Inter com tamanha diferença, exatamente em razão da atitude colorada na história do embate.

Sempre muito vibrante em Grenais (e se formos fazer uma comparação com o estilo de jogo clássico de cada clube, sim, mais do que o tricolor), seja com times opacos ou fortes, nunca foi do feitio colorado esmorecer e dar uma peleia local como vencida antes da hora. Do tipo “pensar no próximo jogo ainda antes dos noventa minutos”. Mesmo nas grandes derrotas, o clube dos Eucaliptos (e depois do Beira-Rio) tratava de reagir ainda em campo a resultados adversos, visando garantir a honra de uma história de hegemonia no clássico, obtida em duas grandes eras: a do Rolo Compressor dos anos 40, e a do esquadrão dos anos 70. Quer dizer: perder faz parte; ser goleado, jamais.

Nos últimos 25 anos, fatia de tempo em que podemos posicionar o momento atual do futebol, com jogo rápido, pautado no preparo físico e marcação intensa como elemento fundamental de competitividade, só no ano passado o tricolor alcançou, de forma muito atípica, e sem ter dominado tanto para isso, uma goleada mínima de 4 a 1 sobre o Inter. Era uma escrita para os mais novos: o Grêmio pode ser muito superior, mas jamais goleia em Grenal. Só o Inter.

O Inter que foi humilhado na Arena no início de noite quente do domingo que, agora sim, inaugurou o estádio na alma dos gremistas e concretou bastante a sensação de seu pertencimento – ainda frágil, como se sabe – foi irreconhecível. Deixou o tricolor impor sua superioridade sem reagir. Jogou, com a devida vênia, como time carioca. Deu espaços o tempo todo. Autorizou o Grêmio a tocar a bola à vontade, agindo como se fosse o Brasil de Pelotas em um rompante de arrogância pelotense, querendo jogar e deixar jogar. Se sabia desde o começo que estava fadado a perder, agiu diferente de outros clássicos, em que reagiu imediatamente, lutou, marcou seu(s) gol, pelo menos devolveu a raça azul na mesma moeda, com movimentação, faltas e brio, e minimizou o desastre. Este Inter de ontem nem parecia vestir vermelho. Jogou como uma equipe pequena e, ainda por cima, resignada.

O jogador que expressou o comportamento colorado em campo foi Anderson, inevitavelmente um protagonista, pelo status profissional que tem. Será mesmo que vestiu a camisa colorada desde que voltou ao Brasil? Será mesmo que “virou a casaca”? Pelo que se vê dele na temporada, e especialmente ontem, momento chave que define a reputação de um jogador pelas bandas gaúchas, não. Desinteressado, lento, burocrático, atordoado e passivo. Esse foi Anderson. Esse foi o Inter.

D’Alessandro nunca fora goleado em Grenal. Minto, foi no ano passado, com gols no finalzinho. Mas dificilmente teria sido novamente, caso estivesse em campo ontem, afirmo. Foi exatamente o que faltou ao Inter. Um verdadeiro líder, conhecedor da aldeia e das circunstâncias de um Grenal. Que saberia articular algum tumulto para evitar um vexame. Que saberia ler o presente, pararia o jogo, provocaria faltas, compraria alguma briga para evitar o pior dos piores.

Um time jamais pode prescindir de líderes. Na casamata sequer havia treinador, e sim um interino. Em campo, ninguém. A atitude tão conhecida do colorado no eterno clássico dos pampas, personificada recentemente em D’Alessandro, ontem encontrou seu antônimo na camisa 8 de Anderson.

Dia de Grenal é dia de honrar a história. Não se brinca em Grenais. O Inter sempre soube disso, mais do que o Grêmio. Ontem esqueceu. Tomou cinco para lembrar-se disso por muito, mas muito tempo.

Palpites da 18ª rodada do Brasileirão 2015
São Paulo de Osorio tem proposta moderna de intensidade e pressão, mas peças que não contribuem para o estilo

Escrito por:

- possui 23 artigos no No Ângulo.

Portoalegrense de nascimento e residência desde sempre, é administrador de empresas e tem como dois de seus principais hobbies o futebol e a escrita. É neste espaço que essas paixões poderão se unir: a leitura da bola através da riqueza da palavra.

Entre em contato com o Autor

2 respostas para “O Inter não foi Inter no massacre do Grenal”

  1. Stormy disse:

    You co’lundt pay me to ignore these posts!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados