O segredo é a estrutura

Créditos da imagem: UOL

Sempre achei que colunista não deveria comentar resultados. Relatar jogos é trabalho do repórter destacado à cobertura de uma partida. A ele cabe falar o que viu em campo. Pronto.

Mas os resultados podem maquiar um mau trabalho dos times, ou dar destaque exagerado a tropeços ou vitórias ocasionais. São momentos factuais. Cabe ao colunista fazer uma análise mais abrangente do que acontece por trás das derrotas, vitória e empates.

É esse pensamento que me guia nessa estreia (como colunista fixo) aqui no No Ângulo. Falar sobre os diversos fatores que cercam os desempenhos dos times.

E acho que ainda é cedo para fazer qualquer prognóstico em relação aos brasileiros na Libertadores. O que nos resta é falar um pouco sobre o que estamos vendo nessas primeiras rodadas. O Atlético-MG tem tido um desempenho acertado. Fez sete pontos em nove possíveis. Ganhou uma fora, outra em Minas e empatou no campo do adversário. O Grêmio ganhou uma em casa, perdeu outra fora e empatou fora. O Corinthians ganhou duas (uma fora e outra em casa) e perdeu no Paraguai. O São Paulo teve uma derrota vexatória em casa contra o The Strongest, mas se recuperou empatando em Buenos Aires contra o River. O Palmeiras ganhou e perdeu em sua arena e empatou uma fora.

Como vemos, o Atlético está acima do que se espera. Grêmio e Corinthians estão na média. Palmeiras e São Paulo estão abaixo.

Tirando os mineiros e os gaúchos, vou me concentrar no Trio de Ferro paulista. Temos aí três casos bem diferentes. O Corinthians, que vem de um histórico de sucesso nos últimos anos, perdeu sete titulares: Gil, Ralf, Renato Augusto, Jadson, Malcon, Love e o contundido Elias. Tinha tudo para fracassar. O São Paulo perdeu jogadores em um time que penou em 2015, e que mesmo assim conseguiu uma vaga na Libertadores. O Palmeiras mostra que contratar no atacado nem sempre é sinal de sucesso. A diferença entre eles está no planejamento. Enquanto o Corinthians mantém a mesma equipe técnica, chefiada por Tite, São Paulo e Palmeiras mudam sem nenhum tipo de lógica. O Tricolor teve nos últimos dez meses Muricy Ramalho, Milton Cruz, Osório, Doriva, Milton Cruz e Bauza. O Palmeiras contratou mais de 30 jogadores, demitiu Dorival, contratou Oswaldo de Oliveira, Marcelo Oliveira e agora fechou com Cuca. Ou seja, quem mexeu demais está tendo resultados inferiores. Está aí o que difere os desempenhos. O Corinthians tem um time aparentemente inferior aos adversários paulistas, mas se mantém com base na estrutura ajustada. O Tricolor, que sempre foi exemplo de organização, peca na mudança constante, sem análise de perfis dos treinadores. Palmeiras acha que o time é excelente e que os técnicos são os culpados.

Não gosto de fazer previsões, mas é possível antecipar, pelo que temos visto até agora, que os times que mantiveram suas estruturas (mesmo com a troca de técnico no Atlético) terão mais sorte do que os que acham que trocar comissão técnica a todo momento é a melhor solução.

7 comentários em: “O segredo é a estrutura

  1. Seja muito bem-vindo, Emerson Figueiredo! 😉

    Eu concordo totalmente! Antes de começar a Libertadores eu estava apostando no Grêmio, mas as atuações neste início de ano me decepcionaram um pouco e até a classificação corre risco. Hoje, acho que o Atlético é o maior favorito entre os brasileiros, e o Corinthians vem a seguir, dependendo da evolução deste time que é praticamente todo novo.

    Palmeiras e São Paulo até podem se acertar, não foram poucos os casos recentes de times que ganharam a Libertadores renascendo na competição (os dois últimos campeões, River e San Lorenzo, tiveram as piores campanhas entre todos os classificados para as oitavas) ou mudando de técnico (como o São Paulo em 2005, o Inter em 2010, o Santos em 2011, etc.). O problema é que neste caso acho que falta material humano no elenco mesmo.

  2. Seja bem-vindo, Emerson Figueiredo!
    É muito bacana poder ter uma pessoa tão gabaritada e apaixonada por futebol como você aqui na nossa equipe. Vai acrescentar muito! 😉
    Bom, quanto ao seu texto, penso que o Galo de Robinho é o mais forte entre os brasileiros. Mas, em relação ao futebol jogado mesmo, o time que mais me impressionou na Libertadores até agora foi o Rosário Central. O time argentino joga fácil, tem fluidez, troca de passes com qualidade etc.
    Mas a verdade é que não vejo nenhum “bicho-papão” na edição deste ano (River e Boca estão decepcionando, só que não dá para descartá-los), e acho que qualquer brasileiro pode sonhar com o título (ainda que eu acredite que o Palmeiras vá ser eliminado já na primeira fase).
    É isso! Valeu, um abraço!

  3. Um resumo perfeito da real situação dos brasileiros na competição. Que ninguém nos ouça: o nível da Libertadores está muito aquém de alguns anos atrás.

Deixe sua opinião e colabore na discussão