W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

“Oito horas de sono” pra decisão do Galo na Liberta

levirculpi-atleticomg-fernandomartins-3

Créditos da imagem: globoesporte.com

“Oito horas de sono” foi a recomendação do técnico Levir Culpi aos seus comandados no treino de terça-feira, em preparação para a decisiva partida, em casa, contra o ajeitado time do Santa Fé, da Colômbia, nesta quinta, pela Libertadores.

E é exatamente nesse clima de final de campeonato que os jogadores devem entrar em campo, pois o jogo promete ser duríssimo (na minha opinião, ao lado de Corinthians e Boca Juniors, a equipe colombiana apresentou o futebol mais insinuante e convincente do torneio até agora) e fundamental para as pretensões do Atlético na competição, já que é o último colocado em seu grupo (tem 3 pontos, ao lado do Atlas, do México) e seu adversário é vice-líder (tem 6 pontos e um jogo a menos que o líder Colo-Colo, do Chile, que tem 9 após a vitória sobre o Atlas por 3 x 1, em Guadalajara).

Mesmo vencendo, o clube mineiro não ficará em situação confortável, pois o jogo seguinte ao desta quinta-feira será contra o Atlas, fora de casa e, no fechamento da primeira fase, será a vez de enfrentar o hoje líder Colo-Colo, em Minas Gerais.

Inevitavelmente, o atual momento adverso acaba remetendo a um passado recente do Galo, de vitórias marcantes na sua casa sobre rivais poderosos como São Paulo, Flamengo, Corinthians, Newell´s Old Boys (quando surge o mítico “Eu Acredito”, que embalou a equipe em incríveis viradas), e, claro, o Cruzeiro. Sem falar na criação da mística de dono do terreiro com o bordão “Caiu no Horto, tá morto”, que, de tão bem sucedido, é simpaticamente copiado pelos rivais nacionais. Vide o tão propagado atualmente pela torcida corintiana “Caiu em Itaquera, já era”.

Porém, em que pese o período de superação e glória recente, considero plenamente possível o Atlético-MG não se classificar para a próxima fase. Além de não estar jogando bem, o clube não teve tanta sorte com as lesões de atletas importantes do atual elenco (entre eles, Lucas Pratto, Marcos Rocha, Dátolo e Guilherme), e encontra-se em fase de reestruturação. Se considerarmos o time campeão da Libertadores de 2013 com Cuca, constataremos que pilares daquela equipe como Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e Jô não jogam mais pelo clube (embora o último ainda tenha contrato vigente). Vá lá que essa transição já esteja em andamento há algum tempo (inclusive com a conquista brilhante da última Copa do Brasil, já sob o comando de Levir Culpi), mas entendo que ainda há um time a ser formado e isso não costuma acontecer da noite pro dia.

Se conseguir superar todas as barreiras (e o passado recente anima), o Atlético chegará com pose e status de “cachorro grande” na busca pelo título. Sem falar da possibilidade de, caso seja o segundo do grupo, de cruzar um grande rival já pelas oitavas-de-final da competição, em jogo que inevitavelmente seria tratado como uma espécie de “final antecipada”.

No entanto, para que chegue até essa fase do torneio, ainda há a primeira fase. E, o time titular escalado no treino de hoje para tentar se aproximar desse objetivo no próximo jogo, foi:

Victor; Marcos Rocha, Léo Silva, Jemerson e D. Santos; Donizete, Rafael Carioca, Dátolo, Luan e Carlos; Pratto

Com Pratto e Cárdenas se ambientando ao clube e ao país; com Marcos Rocha, Dátolo e Guilherme voltando à boa forma e com a contratação do bom (e subutilizado no Santos) Thiago Ribeiro, o time vai ganhando corpo e, caso concretize o seu crescimento e sua classificação, difícil imaginar alguém tirando o sono do Galo. Hoje, talvez apenas o Corinthians parece que teria envergadura para tanto.

E segue o jogo.

Valdívia e Guerrero: Você renovaria?
A coisa mais importante dentre as coisas menos importantes

Escrito por:

- possui 223 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Entre em contato com o Autor

Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados