W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Os desafios táticos de Enderson Moreira com Ronaldinho e Fred juntos

fluminense-com-ronaldinho

Ronaldo de Assis Moreira. Ou, simplesmente, Ronaldinho Gaúcho. Um dos maiores jogadores já lançados pelo futebol brasileiro. Rei na Espanha. Entre 2003 e 2008 viveu o auge da sua carreira e construiu, no Barcelona, uma história de invejar qualquer jogador que almeja ser grande algum dia.

Hoje, chega ao Fluminense após boas temporadas pelo Atlético-MG, e atuações abaixo do esperado no Querétaro, do México. Pensando no marketing, uma contratação excepcional. Assim como fez com o time mexicano, Ronaldinho deve trazer reconhecimento internacional inimaginável ao Fluminense. Lucros em cima da sua imagem devem ser incontáveis, principalmente após o clube contratar a agência África, para cuidar da ‘marca’ do Gaúcho.

Já no campo, a dúvida é inevitável. Enderson, desde que chegou ao tricolor, prioriza o jogo de compactação eficaz sem a bola, e objetividade com a posse da mesma. Tal estratégia, talvez, seja um dos principais fatores para a sequência de 11 jogos do treinador com 7 vitórias, 3 empates, e uma derrota – o Fluminense perdeu duas vezes no campeonato, mas na primeira ocasião o comando da equipe estava com Ricardo Drubscky.

Com Vinícius, o Flu tinha a qualidade de passe no centro do campo, além da boa marcação exercida pelo meia, proporcionando uma maior liberdade para Fred mais à frente. Já com Marcos Júnior, atacante cria de Xerém, também escalado no centro do campo, viabilizou o jogo de profundidade e de intensa movimentação, que ora ou outra encostava em Fred variando naturalmente o 4-2-3-1 para o 4-4-2.

Um jogador “isento” de marcação chega a ser viável para uma equipe competitiva. Como exemplo, pode-se citar o Grêmio de Roger Machado, que tem filosofia semelhante à de Enderson, utilizando compactação e mobilidade de suas peças.

8ef32620-667f-34d0-bb82-ee0072e080dd

Grêmio reduzindo o espaço de campo do adversário enquanto Douglas fica livre no meio. (Foto: Reprodução / ESPN – André Rocha)

Mas quando se tem dois jogadores que não conseguem dedicar-se a marcação, o resto do time, obviamente, tende a ficar sobrecarregado. A proposta do 4-2-3-1 deve ser mantida com Ronaldinho no time. Os dois pontas – provavelmente Osvaldo e Gerson – afundam para acompanhar os laterais, enquanto Ronaldinho e Fred se aproximam, formando quase que o 4-4-1-1. O Sport utiliza dessa variação com Diego Souza e André.

Entretanto, o que preocupa é a faixa central do campo. O futebol moderno exige a participação intensa e direta dos volantes. A cultura de volante cão de guarda e meia armador a cada dia vai entrando no esquecimento. Portanto, um minimo espaço proporcionado ao volante adversário pode tornar-se fatal contra o sistema defensivo.

Porque mesmo que Fred se esforce para recompor na marcação, é notório que as características do jogador não o permitem executar tal função com qualidade. Ronaldinho, por ter perdido a característica de intensidade e velocidade com o passar dos anos, também não consegue recompor.

ofensivo fluminense

Com Fred e Ronaldinho “livres” da obrigação de marcar, o campo de ação dos volantes adversário aumenta.

Se sem a bola o ‘fator Ronaldinho’ preocupa, com ela a tendência é de êxito. O fraco nível do futebol brasileiro e suas equipes podem proporcionar grandes momentos ao jogador. Se motivado, deve executar o que fez no Atlético-MG campeão da Libertadores: lançamentos para Jô, extremos de velocidade, e a qualidade de passe e conclusão do camisa 10, que, na maioria das vezes, estava próximo à área. Decidiu vários jogos para o Galo Mineiro dessa forma.

Nada muito diferente do que pode encontrar no sistema ofensivo tricolor com Fred, Gerson e Osvaldo.

fluminense-com-ronaldinho

O 4-2-3-1 do Fluminense com Ronaldinho.

De toda forma, a chegada de Ronaldinho desafia Enderson Moreira a um quebra-cabeça tático. Sua entrada vai desequilibrar o sistema defensivo. Mudar de alguma forma a postura será necessário. Assim como motivar o jogador será de suma importância.

Com 35 anos, a nova contratação do Fluminense volta ao Rio de Janeiro podendo ser ou não, junto a Fred, mais uma referência no elenco tricolor, principalmente para os garotos. Se vai ser uma referência boa, só o tempo dirá.

Coluna de estreia - Breve apresentação e crítica ao calendário brasileiro
O “fico” de Lucas Lima merecia mais barulho

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.


Entre em contato com o Autor

14 respostas para “Os desafios táticos de Enderson Moreira com Ronaldinho e Fred juntos”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Ótima avaliação! Ronaldinho e Fred vão ter que suar a camisa pra que esse time dê certo! Mas acho que o principal mesmo é que Enderson consiga motivar o Gaúcho! Quem viver verá! =D

  2. Ronaldinho n vai dar nada no Fluminense

  3. Confesso que estou bem curioso pra saber no que essa contratação vai dar! Ela tem bastante potencial tanto pro bem (o cara é craque) quanto pro mal (baladeiro em fim de carreira?). O fato é que inegavelmente a repercussão é grande com esse tipo de jogador, que mexe com os ânimos dos torcedores.

  4. Torcedor que ama o futebol de verdade é anti-fluminece time mais safado que já vi!

  5. Dan Almeida disse:

    Ronaldinho pode render sim no Fluminense,como pode tbm passar em branco.Enderson só precisa coloca Osvaldo no lugar de Marcos Junior e colocar Marlon na zaga de novo

  6. Erike Batista disse:

    E o Gustavo Escarpa caada jogo um gol vai vira banco ??

  7. Timaço, sou Rubro-Negro. Mas esse meio-campo aí e da elite ..

  8. Regivan Sousa disse:

    Mais a serie b nao paga

  9. Scarpa no lugar do Gerson!!

  1. […] leu aqui que Enderson Moreira teria grande desafio com Fred e Ronaldinho juntos. Mas contra o ótimo […]

  2. […] encaixar Ronaldinho e Fred no time; algo complicado e que já foi previsto neste No Ângulo, em coluna anterior. Todavia, independentemente da presença dos dois medalhões em campo, o 4-2-3-1 deve ser mantido. […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados