W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Os pontas do Corinthians no segundo tempo mudaram o jogo a favor do Flamengo, e quem vai capitalizar é Zé Ricardo

20170730173529_658-1024x683

Créditos da imagem: Gilvan de Souza / Flamengo

O aguardado Corinthians x Flamengo disputado na Arena Corinthians foi um jogo que leva a muitos enganos.

O primeiro tempo foi claramente dominado pelo alvinegro, enquanto o segundo foi totalmente do rubro-negro. O senso comum tem sido o de dizer que o Flamengo reagiu na etapa final após as mudanças promovidas por Zé Ricardo. Mas eu não vejo assim.

Vi a equipe de Carille ser muito superior enquanto tinha Marquinhos Gabriel e Clayson pelas pontas. E é bom lembrar que ambos já são reservas – substituíram, respectivamente, Jadson e Romero. A “sorte” corintiana é que quando Marquinhos Gabriel se machucou e entrou Giovanni Augusto, aos 38 do primeiro tempo, o placar já marcava 1 a 0 para os donos da casa.

No segundo tempo, além da natural mobilização final do Flamengo – que vivia praticamente um tudo ou nada em termos de Brasileirão e que melhorou com a entrada de William Arão – e do já tradicional recuo do Corinthians quando está em vantagem, o líder do campeonato perdeu a saída de bola pela direita. Simplesmente mais nenhuma jogada era criada pelo lado direito, nem sequer a bola era mantida no ataque. A partir dos 20 minutos, quando Clayson também se machucou e entrou o jovem e franzino Pedrinho pela esquerda, a situação ficou absolutamente dramática para os donos da casa, que depois passaram a sofrer também com a entrada do agudo Berrío.

A grande diferença do Corinthians nessa partida não foi no sistema defensivo, mas sim no ataque. Foi a falta de possibilidade de manter a bola na frente e de criar jogadas perigosas que fez com que a equipe se visse inofensiva diante de um Flamengo que então alugou o campo de ataque e pressionou sem parar.

Quem vai capitalizar com isso é Zé Ricardo, que vem devendo no comando do milionário Mengão e deve ganhar mais uma sobrevida pela reação que devolveu moral ao time.

Curtinhas:

  • É impossível que continuem não reconhecendo o que Jô está fazendo neste ano. Merece a Seleção sem nenhuma sombra de dúvida. É experiente, tático, artilheiro e tem personalidade. Não vejo um motivo para que não seja convocado;
  • A jogada de Balbuena no gol alvinegro foi uma aula. Ele não só fez o desarme, carregou a bola e enfiou uma bola perfeita para Jô, como ainda seguiu acompanhando o lance e estava na área pronto para aproveitar um eventual rebote. O zagueiro paraguaio vem fazendo um ano admirável;
  • Os laterais Fagner e Arana são os melhores do Brasil e um grande ponto forte do time;
  • O gol anulado do Corinthians foi um dos lances mais surreais que já vi. A marcação de um impedimento com o jogador três metros atrás da linha da bola é um escândalo que merece punições. Mas para a partida teve um efeito pequeno: o gol seria o 1 a 0 para o Timão, como de fato veio a ocorrer pouco tempo depois. Ninguém pode dizer que os donos da casa fariam 2 a 0, e conhecendo o comportamento do time, é muito provável que não;
  • Diego e Everton Ribeiro precisam arriscar mais, fazerem mais diferença com o talento que têm. Não podem ser meros “carimbadores”;
  • Muito se fala da suposta qualidade do elenco flamenguista. Quando vejo os zagueiros, os laterais e os volantes da equipe, simplesmente não consigo entender como pode ser tão exaltado.
O Corinthians tem oscilado, mas ninguém tem aproveitado
Felipe Melo: o rival que todo mundo ama - e apenas ama - ter

Escrito por:

- possui 160 artigos no No Ângulo.

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Entre em contato com o Autor

4 respostas para “Os pontas do Corinthians no segundo tempo mudaram o jogo a favor do Flamengo, e quem vai capitalizar é Zé Ricardo”

  1. Giovanni Augusto teve uma das piores atuações que eu já vi na vida!!!!!!!!!!

    E o politicamente correto diz que devemos defender a continuidade dos técnicos, mas o Flamengo só vai conseguir alguma coisa depois que sair o Zé Ricardo!!!!!!!!!

  2. Jorge Freitas disse:

    Sobre o Giovanni: Não consigo entender como um jogador desse nível veste a camisa do Corinthians. Tenho minhas dúvidas se ele seria titular até mesmo no time de 2007, quando o clube foi rebaixado.
    Não marca, não acerta passe, não sabe chutar a gol, não tem vontade de nada. Absurdo!

  3. Sérgio Miranda Paz (Colunista convidado) Sérgio Miranda Paz disse:

    Boa, Gabriel!!!
    Não tem cabimento o argumento de que o erro da arbitragem “foi decisivo para o resultado da partida, pois o Corinthians teria feito 2×0, e aí dificilmente o Flamengo empataria…” Se o gol tivesse sido anulado quando o jogo estivesse 1×0, aí sim o prejuízo teria sido um pouco maior… mas nem nesse caso se poderia afirmar que o Corinthians teria vencido o jogo.
    De qualquer forma, o episódio serviu para mostrar para todo o Brasil que erros de arbitragem acontecem a favor e contra todos os times, indistintamente.
    Imagine se esse lance tivesse sido a favor do Corinthians… o que não iriam dizer por aí???
    Sérgio Paz

  4. Yussef Damian disse:

    Gabriel, se eu fosse o blogueiro teria dito exatamente isso, mas totalmente ao contrario. O Flamengo foi infinitamente melhor que o Curingão. É louvavel sua parcialidade, eu faria o mesmo.Também sou assim.Rssss


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados