W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Os sobreviventes, capítulo final – É o destino

22

Créditos da imagem: André Durão / GloboEsporte.com

Chegar vivo até aqui. Essa era a missão dos jogadores vascaínos e de Jorginho quando apresentaram-se num Vasco da Gama que afundava cada vez mais em alto-mar. A tarefa não era simples, mas foi cumprida com sucesso. Porém, agora, já não é o suficiente.

O Vasco entra na última rodada do Brasileirão com chances de escapar do rebaixamento, mas não dependendo só de si. Pior: torce por pelo menos um empate do rival Fluminense, o lanterna do returno e sem qualquer motivação, na casa do adversário direto vascaíno, o Figueirense. E ainda conta com o Corinthians, para que o campeão cumpra o esperado e, no mínimo, não consiga a façanha de perder para o Avaí em Itaquera. Como se não bastasse, o Cruzmaltino precisa de qualquer jeito vencer um Coritiba prestes a se salvar, em território coxa-branca.

Não vai ser fácil. Como não foi até aqui. O que fez o time ganhar a alcunha de “Os Sobreviventes”.

Em dado momento, o novo treinador e alguns reforços se juntaram à base montada pela diretoria, que naufragava pelas mãos de Celso Roth. E, surpresa, entraram em sintonia: nos últimos 14 jogos, apenas uma derrota. Mesmo com alguns tropeços perigosos, a esperança ressurgia com vitórias inesperadas.

A cada jogo, Nenê e cia jogavam pela sobrevida. Rodada após rodada, perder significaria ficar mais perto de sucumbir, mais longe dos concorrentes e tirar qualquer esperança da torcida. Derrotas poderiam carimbar moralmente, ou até matematicamente, o rebaixamento do Vasco.

A nau vascaína, já furada, manteve-se na superfície graças ao esforço dos tripulantes recém-chegados.

Mas o tempo era um inimigo forte. E agora, não há mais saída. Resta ao Vasco ganhar de qualquer jeito, torcer para o rival e contar com a força dos astros, deuses ou qualquer outra entidade. Uma combinação conspiratória digna de um milagre.

A reação tardia recuperou a dignidade, reanimou os torcedores e contrariou a lógica. O Vasco que poderá cair domingo não é o Vasco que fez a pior campanha da história do clube. Se confirmar o milagre, o Gigante da Colina irá respirar aliviado, num misto de orgulho da luta dos jogadores e de uma felicidade envergonhada de não sucumbir pela terceira vez.

Mas quis o destino, o tal destino, que o rival Fluminense precisasse ajudar na façanha. Logo o Tricolor, aquele que Eurico Miranda bate no peito e diz ter tirado da segundona. O mesmo com quem briga por causa do lado (!) do Novo Maracanã. O adversário também na batalha dentro da Federação.

A dependência parece deixar desanimado o torcedor vascaíno. Mas não é a primeira vez que ele arreferece. A esperança é brasa, sempre acesa. Se tudo acontecesse como parecia que aconteceria há alguns meses, o Vasco a essa altura já estava planejando a Série B. Se acreditou até aqui, não há motivo para desistir agora.

A sorte do clube em 2015 poderá ser traçada pelo Fluminense. Ironia das ironias, para o Tricolor, basta perder para ficar marcado na história da terceira queda do rival. Pior: no primeiro rebaixamento do dirigente que “o ajudou”. Será o destino de Eurico?

Na outra ponta da linha do destino, uma reação épica, que premiará Jorginho, Nenê e os torcedores que acreditaram.

Qual será o destino do Vasco só saberemos às 19 horas de domingo. Mas na história dos sobreviventes, os heróis e os vilões já estão devidamente estabelecidos. E todos chegaram até o último capítulo. Como toda boa aventura.

Sobre a "espanholização" do futebol brasileiro
O lugar do "Corinthians de 2015" na história. E a importância da defesa

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.


Entre em contato com o Autor

Um comentário para “Os sobreviventes, capítulo final – É o destino”


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados