W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Pitacos desta quinta (05/03/15)

thumb (1)

Créditos da imagem: Juan Mabromata / AFP / CP

Depois da animada noite de jogos da quarta, e dos anúncios que movimentaram o futebol nesta quinta, destaco:

Vitória decisiva do Corinthians
Foi fundamental a vitória de ontem para a classificação do alvinegro para a próxima fase da Libertadores. Apesar de toda a euforia pela vitória contra o São Paulo, analisando friamente, por ter sido mandante, foi o resultado obrigatório para quem quer se classificar num grupo tão difícil. Já os três pontos conquistados contra o atual campeão da competição, fora de casa, foram um belo bônus que praticamente colocam o Corinthians na próxima fase.

Discordo das rigorosas avaliações de que o Corinthians não jogou bem e merecia ter perdido. A partida foi muito equilibrada – inclusive em chances de gol – até o cada vez melhor Elias colocar o Corinthians à frente. Depois sim o San Lorenzo criou mais oportunidades e só não empatou por azar e por competência do Cássio. Concordo com Tite e vejo como um jogo pra empate.

Mas levando em conta os problemas enfrentados (ausência dos titulares Guerrero, Emerson e Fábio Santos, além das contusões de Renato Augusto e Mendoza), considero o desempenho bom e o resultado fantástico.

Nascimento de um Inter forte e renascimento de Nilmar?
Também não entendo o desânimo com a vitória conquistada pelo Colorado. O time está em formação, com novos jogadores e novo técnico, teve um adversário complicado e foi capaz de reverter o resultado já sem o seu maior ídolo e capitão em campo: D’Alessandro. De lambuja, ainda teve atuações decisivas de três de seus principais jogadores, Réver, Alex e Nilmar.

Este último vinha devendo muito e finalmente deu uma resposta à altura do que dele se espera. Considero Nilmar um dos melhores atacantes brasileiros dos últimos tempos, que nunca atingiu um status digno de seu futebol devido às constantes lesões e às más escolhas na carreira. Aposto que se não tiver mais problemas físicos, é só questão de tempo até retomar o ritmo de competitividade após as “férias” no Catar e se tornar novamente selecionável.

Na formação de um time vencedor, tão importante quanto o bom futebol é o tipo de caráter demonstrado ontem pelo Inter, que permite a superação de inevitáveis situações difíceis.

É sério que estranham a convocação do Robinho?
Para encerrar a minha série de discordâncias do dia, não consigo entender a surpresa pela convocação do Robinho. Que ele não foi na carreira o que dele se esperava, é óbvio. Mas daí a pensar que por isso podemos abrir mão de um jogador com seu talento, protagonismo e experiência, eu acho uma loucura.

Robinho sempre jogou bem pela seleção. Obviamente não marcou época como Romário e Ronaldo (e Neymar dá evidências de que também marcará), mas daí a ser considerado “reprovado” vai uma grande distância. Temos quatro atacantes jogando melhor do que o Robinho hoje? Temos algum outro atacante em boa fase que esteja acostumado a ser protagonista de times grandes que disputam títulos além de Neymar? Alguém acha que Robinho não teria sido uma opção melhor do que qualquer outra para substituir o Neymar após este ser cortado da Copa?

Um grupo precisa de jogadores de vários tipos e perfis. Além de justificar sua convocação com a bola que vem jogando (ao contrário de outros tempos), Robinho é um jogador histórico do futebol brasileiro, sinônimo de um Santos forte e vencedor, habituado a decidir e participar de grandes jogos por grandes clubes. Em meio a uma geração de bons jogadores ofensivos, mas “sem peso”, como Oscar, Willian e Phillippe Coutinho, Robinho é uma alternativa de referência que ajuda a não sobrecarregar ainda mais o Neymar.

Troca de técnico no Santos
Achei surpreendente a saída do Enderson Moreira do comando do Santos. Apesar disso, não critico a decisão. Além dos boatos sobre a má relação entre ele e os jovens jogadores vindos da base (cuja valorização foi o caminho estratégico escolhido pelo clube), Enderson não teve nenhum destaque na passagem por dois grandes do futebol brasileiro (Grêmio e Santos). Só é ilustrativo da falta de gestão no atual futebol do Santos que se faça isso em março, sem nenhuma crise ou frustração.

Quanto ao substituto, espero que seja dada oportunidade a algum técnico novo e promissor, como Narciso, Fernando Diniz ou Sérgio Guedes, a exemplo do que o Vasco está fazendo com Doriva. Fora Tite e Marcelo Oliveira, não vejo nenhum treinador que justifique altos salários. Opções como Dorival Junior e Vagner Mancini me parecem garantia de fracasso até que apresentem algum grande trabalho que os credencie novamente a assumir algum time grande.

Grêmio: Reestruturação na dose certa?
Torcida mista do Gre-Nal é um golaço maior do que imaginei

Escrito por:

- possui 161 artigos no No Ângulo.

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Entre em contato com o Autor

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados