W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Pontos corridos não causam menor público

CAPAPOST

A imprensa esportiva vem nos informando já há algum tempo que a maioria dos clubes da primeira divisão quer acabar com os pontos corridos. Existem dois argumentos centrais pelo fim deste sistema: não há emoção e não há público. O segundo seria uma consequência do primeiro. E essa suposta falta de interesse do público seria a razão para uma mudança do sistema de disputa do Campeonato Brasileiro, bandeira levantada principalmente pela TV Globo.

Eu tendo a concordar que muitas vezes no campeonato de pontos corridos falta emoção na disputa pelo título, mas esta não é a única disputa do campeonato. O argumento de que os pontos corridos geram públicos menores é mais controverso. Gostaria de conhecer quais os números que eles possuem para chegar a esta conclusão. Ou será que se trata de achismo?

Minha intuição dizia que eles não estavam com a razão. Sim, é obvio, a fase decisiva de um mata-mata tende a atrair grandes públicos. Mas estamos falando de dois, três jogos, uma pequena fração do total que se disputa em um campeonato. Ao fim, também em um campeonato com mata-mata, a média de público de uma equipe é provocada principalmente pela fase de pontos corridos. E creio que os pontos corridos são bem mais interessantes ao torcedor em um campeonato de pontos corridos do que em um torneio com playoffs depois. Afinal, uma coisa é disputar 38 partidas para ser campeão ou obter classificação à Libertadores. Outra coisa é disputar 38 partidas para simplesmente se classificar para outra fase. Parece-me maçante.

Mas chega de intuições e achismos. Vamos aos números. O gráfico abaixo fornece a média de público no Campeonato Brasileiro de 1991 a 2014. O período escolhido teve como intenção ter o mesmo número de observações para os dois tipos de disputas, sem voltar excessivamente no tempo de modo a manter uma comparabilidade. A era dos pontos corridos começa em 2003 e é marcada pelos pontos vermelhos e roxos no gráfico. Bem, parece que os pontos corridos têm mais público, não é mesmo? De fato, a média dos pontos corridos é de 14.493 espectadores por partida, a média da era pré-pontos corridos a partir de 1991 é 12.481. Portanto, os pontos corridos levaram um público 16% maior.

No gráfico, os anos marcados em roxo representam o período em que várias das principais equipes do Brasil tiveram seus estádios fechados por causa da Copa do Mundo. Internacional, Atlético Paranaense, Flamengo, Fluminense, Cruzeiro, Atlético Mineiro e Ceará estão entre as equipes que foram desalojadas. Certamente, jogando em suas casas habituais estes clubes teriam médias muito melhores, e a mesma lógica vale para os campeonatos em si.

004 Pontos corridos não causam menor público

Os defensores do mata-mata, no entanto, ainda podem argumentar, com razão, que os campeonatos dos pontos corridos tendiam a possuir uma menor quantidade de equipes. Entre 1991 e 2002, o número médio de equipes na primeira divisão foi 24,6. Entre 2003 e 2014, este número foi 20,8. Ou seja, na era dos pontos corridos os grandes têm um peso maior na média de públicos.

Bem, a solução então é comparar o que aconteceu com cada clube individualmente. Dos chamados 12 grandes, que também são os 12 que mais disputaram primeira divisão no período, oito tiveram média de público maior nos pontos corridos. Aqueles que possuem média de público menor nos pontos corridos são Vasco, Atlético, Santos e Palmeiras. Vasco e Palmeiras tiveram queda discreta: 2,7% e 4,4% respectivamente. Os oito times que tiveram aumento na média tiveram aumento de pelo menos 8%. Em média, entre os clubes grandes houve crescimento médio da média de público de 13%.

No caso dos dois clubes que tiveram queda maior, cabem ressalvas. O Atlético jogou o último Brasileiro no Mineirão em 2009. Depois, ficou em estádio menores, basicamente Arena do Jacaré e Independência. No período em que usou o Mineirão nos pontos corridos, 2003 a 2009, o Atlético possuiu média de público ligeiramente maior ao período entre 1991 e 2002. Já no caso dos Santos é preciso levar em consideração a diminuição da capacidade da Vila Belmiro, que hoje é de 16.000 lugares. Na semifinal de 1998, por exemplo, o Santos teve público de 25.000 pessoas contra o Corinthians. Praticamente todos os estádios do Brasil tiveram diminuição da capacidade no período, mas isto não é relevante se a capacidade é confortavelmente maior que a média de público, o que é o caso da maioria dos clubes da série A, mas não do Santos.

Medias de publico

Diga-se que houve aumento de público também para a maioria dos demais clubes que tenham participado de uma quantidade razoável dos dois tipos de campeonatos: Sport, Atlético PR, Bahia, Vitória, Coritiba, Goiás, etc.

Sim, é claro, outros fatores podem ter contribuído para um aumento das médias de público do Brasileirão. O que se pretende mostrar aqui é que simplesmente não existe evidência nenhuma de que os pontos corridos provocam “menor interesse do público”. Se existe evidência, é no sentido contrário.

Porque sou a favor da redistribuição das cotas de TV. E porque isso não ocorrerá tão cedo
Vai começar a Copa América: Brasil é o favorito e Neymar o principal candidato a craque

Escrito por:

- possui 5 artigos no No Ângulo.

Estátistico de Belo Horizonte, obcecado por estatísticas. É uma daquelas estranhas pessoas que sentem prazer assistindo um jogo entre Jordânia e Honduras.

Entre em contato com o Autor

7 respostas para “Pontos corridos não causam menor público”

  1. E daí? Problemas do público…. Se o público é igual que seja a fórmula mais justa.

    • Tadeu disse:

      Meu caro Elvio, e caro Gustavo!

      Primeiro: Pq só tem dados de 1991 até 2002, quando os maiores públicos aconteceram justamente entre 1971 e 1989 (anos 70 e 80)? Ou seja, as estatísticas foram manipuladas se considerarmos pontos corridos x “mata mata”.

      Segundo: Nos anos 90, o Brasil passava por uma crise gigantesca, desemprego em massa, violência maior nos estádios e nas ruas, e justamente a partir dos anos 2000, tivemos uma ascensão econômica visivel! Isso, em parte, explica o comportamento das torcidas!

      Terceiro: Nos anos 90, alguns estádios foram interditados, parcialmente ou totalmente, como o Maracanã, o que prejudicou a presença dos torcedores! Nos anos 2000 e 2010 tivemos menos interferência, embora, os estádios também tenham reduzido ainda mais, e esse é o único ponto a favor da era dos pontos corridos.

      Quarto: Nos anos 90, o Flamengo passou por um período horroroso, o pior de sua história em campeonatos brasileiros, e todos sabemos que é ele quem puxa o público! Só foi bem em 1992, em 1993 e em 1997. Em contrapartida foi bem em 2003, em 2007, em 2008, em 2009 e em 2011!

      Quinto: Na era do mata mata, existiam vários clubes pequenos que não atraíam públicos aos estádios. Em 79, por exemplos, tivemos a participação de 94 clubes. Pra efeito de comparação, teríamos que computar somente os jogos entre os maiores.

      Logo, a média de público no mata mata e nos pontos corridos é bem diferente e a favor do mata mata.

      Quanto à fórmula mais justa, não existe! Não existe pq simplesmente os times podem colocar reservas, juízes podem errar, times podem vir de jogos de libertadores ou copa do brasil ou outra competição desgastados, etc! Colocar os 4 melhores times da competição para disputar um quadrangular ou semifinais e finais pode ser tão justo quanto os pontos corridos ou até mais, ou em alguns casos, menos! Tudo é relativo!

      Emoção sem dúvida era maior com mata mata e público era bem maior na era do mata mata!

      • Tadeu disse:

        Ah! E não tem lógica estatística pegar grupos de tamanho iguais se vai considerar a média! Teria relevância se considerassemos o total, o que não foi o caso!

        É fato que o nível do futebol vem caindo e menos ídolos tem ficado, mas também a exposição e informação da mídia é muito maior hoje! Então o efeito de um deverá anular o do outro.

        Faltou os vermelhos nos anos 90, quando alguns estádios foram parcialmente ou totalmente inutilizados. Caso do Maracanã, que por conta da queda em 92, teve que ser interditado no ano seguinte, em 1995, por exemplo, os times jogaram no estádio da Portuguesa do Rio de Janeiro.

        Gustavo, se realmente gosta de estatística, procure a verdade e pense melhor sobre todas as variáveis disponíveis e que interferem diretamente no resultado!

        Ao menos, você é o primeiro a tentar realizar uma estatística!

  2. O que causa menor publico é a extrema baixa qualidade dos jogadores.

  3. Tadeu disse:

    Pra se ter uma ideia, se considerarmos de 1971 até 2015 (em andamento), considerando os dados disponíveis, teríamos:

    Pontos Corridos Mata Mata
    Flamengo 22980 x 30630
    Corínthians 22333 x 26669
    Atlético MG 18709 x 24955
    Palmeiras 16623 x 21297
    Vasco 11982 x 16124
    Fluminense 15566 x 16396
    Internacional 16284 x 19589
    Santos 9306 x 15661
    Botafogo 12979 x 13305
    Cruzeiro 18694 x 19521
    São Paulo 20273 x 17382
    Grêmio 19629 x 13733

    Ou seja, só São Paulo e Grêmio tem melhor média de público nos pontos corridos.

    Os dados foram retirados deste site abaixo: http://www.rsssfbrasil.com/miscellaneous/mediaspub.htm
    e alguns dados foram retirados do Globo.com

    Foram somados e apuradas as médias!

    • Tadeu disse:

      Isso tudo, não retirando os jogos tipo Atlético Mineiro x Mixto, por exemplo, onde o interesse do torcedor da equipe grande era menor.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados