W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Por que acreditar na Juventus?

carlos-tevez-1

Créditos da imagem: FullFIFA.com

Primeiramente, podemos começar falando dos últimos quatro anos da equipe de Turim dentro do Campeonato Italiano. Foram quatro títulos seguidos, e o último deles se concretizou nesse final de semana, em partida contra a Sampdoria na qual a equipe venceu por 1 x 0, gol do chileno Arturo Vidal.

O trabalho se iniciou nas mãos do técnico Antonio Conte em 2011, tendo como principal jogador de sua equipe o meia Andrea Pirlo. Conte criou o novo sistema tático de um 3-5-2, com Pirlo jogando atrás de outros dois meias/volantes. Assim, o maestro italiano não se desgastaria muito fisicamente, tendo em mente que quando chegou à equipe já estava com 31 anos. E dessa maneira, a equipe era praticamente imbatível dentro da Itália, com soberania total por três temporadas consecutivas.

Até que o então técnico da Juventus foi chamado para assumir a seleção de seu país, e sua vaga no clube bianconeri estava aberta. O nome que a diretoria escolheu foi o de Massimiliano Allegri, que até por seus últimos anos de trabalho no Milan, foi muito questionado pela torcida em sua chegada. O que seria da Juventus sem Antonio Conte?

Allegri foi inteligente, não descartou a maneira vencedora da equipe jogar, manteve o 3-5-2 e não fez grandes mudanças logo de cara, conquistando a confiança da torcida e de sua equipe. Com o passar do tempo e as lesões de Pirlo tirando o protagonismo do jogador, outro assumiu o papel de principal nome do time: o jovem talento francês Paul Pogba.

Com uma evolução extraordinária de seu futebol, Pogba se transformou rapidamente em um dos melhores meio-campistas do mundo nesta temporada. E vendo isso, Massimiliano criou um novo esquema para o time, um 4-4-2, onde Pogba teria toda a liberdade para fazer a saída de bola da equipe com sua qualidade de passe, abrir pelo lado esquerdo como gosta, e chegar mais a frente para definir jogadas com sua finalização primorosa. Isso tudo sem excluir o sistema anteriormente usado, tendo o 3-5-2 como uma excelente alternativa.

A Juventus vinha extraordinária, Pogba voando dentro de campo, mais uma temporada dominando a Itália, até que chegou o confronto de volta pelas oitavas-de-final da Champions League contra o Borussia Dortmund. Jogo em que o francês sentiu uma lesão muscular e ficou determinado que desfalcaria o time por cinquenta dias.

O que em primeiro momento era um motivo de desespero para o torcedor bianconeri, passou rapidamente durante o mesmo jogo e nos que viriam em seguida. Um craque rapidamente tomou as rédeas da Vecchia Signora, e o nome dele é Carlitos Tévez. Com dois gols e uma assistência ainda neste jogo contra o Borussia Dortmund e uma série de ótimas atuações, o argentino cresceu ainda mais de produção na necessidade de seu time e hoje é o artilheiro do Campeonato Italiano com vinte gols anotados.

Mas isso basta para passar por um Real Madrid em uma semifinal de Champions League?

Bom, Paul Pogba é desfalque, e a ascensão de Tévez traz esperanças para os torcedores, mas não são os únicos pontos positivos da Juventus. O time conta com uma dupla ou até trio de zagueiros – dependendo da opção de formação que Allegri adotará – de muita qualidade e muito entrosada por anos jogando juntos, composta por Bonucci, Barzagli e Chiellini. Conta com laterais muito consistentes e de experiência, Lichtsteiner na direita e Patrice Evra na esquerda. No meio campo, o setor mais forte da equipe, se Andrea Pirlo não vem em grande temporada como nas anteriores, a Juve pode contar com Claudio Marchisio que sempre mostra muita versatilidade e qualidade de passe, com Arturo Vidal que é um marcador implacável e possui ótima chegada ao ataque como uma de suas principais características. E ainda tem a grande surpresa, o argentino Roberto Pereyra, que chegou nesta temporada e demonstrou muita utilidade, versatilidade e capacidade técnica, sendo colocado na equipe titular constantemente por Massimiliano Allegri. E, finalmente, no ataque o grande destaque é o já mencionado Carlos Tévez em temporada espetacular, que conta com o espanhol Álvaro Morata ao seu lado, jogador que saiu do Real Madrid por falta de oportunidades, e chegou em Turim demonstrando potencial e logo conquistando sua vaga ao lado de Tévez como titular. E claro, não podemos nos esquecer que atrás de tudo isso, o time conta com um goleiro monstruoso, o experientíssimo Gianluigi Buffon.

Se isso tudo confirma a vitória dos italianos não há como saber, mas demonstra que têm um excelente plantel, com uma defesa muito bem estruturada, um meio qualificado e um ataque funcional. O time que é o maior de seu país chega para mostrar que pode conquistar a Europa também, e que se o Real Madrid não aproveitar suas chances, a Juventus não deve falhar.

O sonho de reeditar a semifinal de 2003 na qual a equipe de Turim passou pelos madrilenos é muito presente. Mas a única certeza é a de que serão dois grandes jogos, e que Tévez não perdoará um erro sequer dos galácticos.

A Libertadores 2015 na Argentina, e "La Mística Copera" que só nós temos
Santos, invicto com Robinho em campo, é o Campeão Paulista de 2015

Escrito por:

- possui 3 artigos no No Ângulo.

Nascido em São Paulo, Luis Borgia é estudante de jornalismo, apaixonado por futebol, em especial pelo italiano. Acredita na paixão pelo esporte, que vai muito além de um simples hobby ou gosto, e se torna um "estilo de vida".

Entre em contato com o Autor

13 respostas para “Por que acreditar na Juventus?”

  1. Campo juventos derrubas esse troca do real #vamobarçamasqueumclub

  2. não só acredito como acho que leva o titulo esse ano…

  3. Se a juventos ganha a champions , melhor pro tricolor do morumbi que vai conquista o mundial fácil 🙂

  4. Pablo Yuri disse:

    real madrid 5×0 no segundo jogo

  5. Diego Arona disse:

    Valeu carlitos e nois juventus

  6. Gabriel Maia disse:

    Real vaai ganhar no outro jogo

  7. Gabriel Maia disse:

    Amanha o barça vaai tomar uns 5


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados