W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Primeiro jogo foi como o cauteloso Cruzeiro quis. Mas a finalíssima tem tudo para ser mais empolgante

20170907221038_59b1ee0e88694-1024x632

Créditos da imagem: Pedro Martins / MoWA Press

É verdade que finais costumam ser tensas e mais estudadas, mas a partida de ida da final da Copa do Brasil, Flamengo 1 x 1 Cruzeiro, no Maracanã, foi realmente decepcionante. Poucos lances de perigo, erros de passes, bolas rifadas ou queimando nos pés… tanto que os gols vieram de um lance irregular – impedimento no gol flamenguista – e de uma falha individual, do goleiro Thiago, no empate cruzeirense.

Ambas as equipes tiveram importantes desfalques, mas a cada partida que assisto, mais reforço a convicção de que Corinthians e Grêmio, mesmo tendo sido eliminados da Copa do Brasil, estão mesmo um nível acima dos demais no país.

Apesar disso, a finalíssima tem tudo para ser muito mais emocionante. O Cruzeiro foi ao Maracanã para especular, com uma postura mais cautelosa, e ninguém poderá fazer isso na partida de volta. Enquanto o time celeste será mandante, o Flamengo não costuma ser conservador, e a vitória será necessária para quem quiser ser campeão. Fora que jogadores decisivos deverão estar em campo: além de Thiago Neves, Rafael Sóbis e Diego, que começaram a partida no Rio, Guerrero estará de volta, e Arrascaeta deverá ter recuperado o ritmo de jogo e a titularidade para a partida de Belo Horizonte.

Um palpite para o jogo de volta? É bem complicado, penso que esta é uma final sem favoritos mesmo. No jogo pelo Brasileirão, por exemplo, 1 x 1 no Mineirão, o Flamengo foi melhor. Mas como o primeiro jogo da final ficou com a cara que o Cruzeiro quis dar, penso que a ausência de Éverton Ribeiro no Fla, o fator casa e a falta do gol qualificado (que poderia deixar a Raposa titubeante) fazem os mineiros terem um pouco mais de chances de ficar com taça.

Rapidinhas:

  • A maior mudança do Flamengo com Rueda é o ganho de confiança de Berrío. Desde a chegada do treinador colombiano, o vigoroso atacante vem sendo o jogador mais agudo e disposto desta equipe que costuma ter muito a bola e não saber o que fazer com ela.
  • Fábio é um dos goleiros mais históricos e vencedores do Brasil nas últimas décadas. É simplesmente um absurdo que, entra técnico, sai técnico, ele sequer seja chamado para a Seleção, enquanto Muralhas, Wevertons e Alissons (mesmo quando reserva da Roma) têm oportunidades em cima de oportunidades.
  • Como é melhor ver um jogo decisivo sem o saldo qualificado, não? Se tivesse aquela história de o gol fora de casa valer mais, provavelmente veríamos o conjunto de Mano Menezes se resguardando como fez, só que um rubro-negro mais receoso de atacar sem parar. Ou seja, uma partida ainda mais amarrada.
Palpites da 23ª rodada do Brasileirão 2017
Pelé está acima de Maradona e Messi, diz um respeitado argentino

Escrito por:

- possui 160 artigos no No Ângulo.

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Entre em contato com o Autor

3 respostas para “Primeiro jogo foi como o cauteloso Cruzeiro quis. Mas a finalíssima tem tudo para ser mais empolgante”

  1. Joguinho duro de assistir!!!!!!!!!!! Mas no Mineirão vai dar Cruzeiro mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. George Souza disse:

    Muita euforia do lado azul(torcida) como se já tivesse conquistado a taça. Obviamente que o resultado é bom, mas a final está aberta. O Cruzeiro coleciona um histórico de eliminações no Mineirão após conseguir vantagem fora, por isso deve baixar um pouco a euforia senão o filme pode se repetir. O Flamengo tem um time experiente, até um pouco melhor que o cruzeiro, e não vai vender barato essa final. Caso vá para os pênaltis, vejo o cruzeiro em vantagem, pois tem um dos melhores e mais experientes goleiros do país.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados