Quem tem caldeirão que use o seu

Créditos da imagem: Jorge William

O primeiro Clássico dos Milhões de 2016 reserva um ingrediente raro e especial: o Vasco, mandante do jogo, receberá o Flamengo em São Januário. A preocupação dos dirigentes rubro-negros com a segurança do estádio é justa, embasada inclusive por recomendações da Polícia Militar e do Ministério Público. Nada muito diferente de outros estádios e parques esportivos Brasil afora, diga-se de passagem. O problema em si não é somente o estádio, mas também o histórico de confronto entre os meliantes travestidos de torcedores organizados de ambos os clubes.

Fato é que a segurança deve ser reforçada e o esquema de saída e entrada dos torcedores, principalmente dos 10% dos visitantes, precisa ser bem pensado, já que São Januário é um estádio muito antigo, de acessos estreitos e praticamente uma armadilha para os de fora.

Vasco e poder público precisam chegar a um consenso nesse quesito por uma simples razão: o Gigante da Colina tem o direito de jogar em seu estádio.

Raramente o Cruzmaltino fez questão de ser assim, afinal, até seus torcedores gostam da facilidade de irem ao Maracanã – além, claro, da plasticidade do ex-Maior do Mundo abrigar as torcidas dos dois rivais, dividindo as antigas arquibancadas.

Mas na atípica situação do Rio de Janeiro não ter nem o Maracanã nem o Engenhão – fechados para as Olimpíadas -, nada mais justo que o Vasco exercer esse direito. Sou a favor, sempre, de quem tem casa usar a sua, desde que tenha condições para isso.

Basta, então, Vasco, Polícia Militar, Bombeiros e Ministério Público sentarem e alinharem como será cada passo desde a recepção de torcedores e jogadores à saída do estádio. Não é simples pois requer, além de muita boa vontade, capacidade técnica. Espera-se que instituições desse tamanho tenham ambos os requisitos.

Dentro de campo, jogar onde treina e com a imensa maioria da torcida pode fazer a diferença para o Vasco manter o tabu recente de não perder para o rival. Bem como uma vitória na Colina poderá ser histórica para o novo Flamengo de Muricy. Ou seja, ingredientes que fazem parte do futebol.

Que a polêmica seja apenas restrita ao futebol. E que fora de campo, Vasco e Polícia Militar garantam a segurança daqueles que querem apenas assistir a um dos maiores clássicos do mundo, em um dos estádios mais históricos do Brasil.

9 comentários em: “Quem tem caldeirão que use o seu

  1. Continuo adorando isso de os clássicos no Rio serem “sem mando”, mas de vez em quando eu sempre acho bom quebrar tabu. E gostei especialmente desta parte, em que você chama a atenção para raridade da situação, que ajuda a despertar um interesse maior 😉
    “para o Vasco manter o tabu recente de não perder para o rival. Bem como uma vitória na Colina poderá ser histórica para o novo Flamengo de Muricy. Ou seja, ingredientes que fazem parte do futebol.”

  2. Sim, mas com responsabilidade. É de una insanidade Monstra por um jogo desses em um estádio pequeno, de difícil acesso e. Im os nervos a flor da pele. Mas quem se importa? Torcedor como qualquer ser desse país é tratado como mercadoria. Se houver mortes hoje, serão apenas mais uma para estatísticas desse falido estado.

Deixe sua opinião e colabore na discussão